A pandemia de coronavírus pode causar uma onda de danos cerebrais, alertam os cientistas

COVID-19 pode causar complicações neurológicas, incluindo derrames, danos aos nervos e inchaço cerebral, mesmo se os pacientes não apresentarem sintomas respiratórios graves

Varreduras cerebrais do estudo da University College London, publicado em 8 de julho.

Da CNN Espanhola

A pandemia de coronavírus pode desencadear uma onda de danos cerebrais em pacientes infectados, alertaram pesquisadores britânicos em um novo estudo publicado na quarta-feira.

Especialistas da University College London (UCL) explicaram que COVID-19 pode causar complicações neurológicas, incluindo derrames, danos aos nervos e inchaço cerebral com risco de vida, mesmo se os pacientes não apresentarem sintomas respiratórios graves associados à doença.

“Devemos estar vigilantes e cientes dessas complicações em pessoas que tiveram COVID-19”, disse o autor principal, Dr. Michael Zandi, em um comunicado à imprensa da UCL , alertando que ainda não se sabe “se veremos um. epidemia em grande escala de danos cerebrais relacionados à pandemia. ‘

Estudos de acompanhamento serão necessários para compreender as potenciais consequências neurológicas de longo prazo da pandemia, observaram os autores.

O estudo, publicado na revista Brain , examinou 43 pacientes tratados em hospitais da UCL com confirmação ou suspeita de coronavírus no período de abril a maio. Os pacientes tinham entre 16 e 85 anos e apresentavam uma variedade de sintomas leves a graves.

Entre esses pacientes, os pesquisadores encontraram 10 casos de “disfunção cerebral temporária” e delírio, 12 casos de inflamação do cérebro, oito casos de derrame e oito casos de lesão nervosa.

A maioria dos pacientes que apresentaram inflamação do cérebro foram diagnosticados com uma condição específica rara e às vezes fatal conhecida como encefalomielite disseminada aguda (ADEM). Antes da pandemia, a equipe de pesquisa em Londres atendia aproximadamente um paciente com ADEM por mês. Durante o período de estudo, o número aumentou para pelo menos um por semana.

Uma mulher alucinada com leões e macacos em sua casa. Outros relataram dormência nos membros ou rosto, visão dupla e desorientação. Um paciente com sintomas graves estava quase inconsciente, respondendo apenas quando estava com dor.

Os pesquisadores ainda estão tentando descobrir por que exatamente os pacientes com Covid-19 desenvolvem essas complicações cerebrais. O vírus que causa o covid-19 não foi encontrado em seu fluido cerebral, o que significa que o vírus não parece atacar o cérebro diretamente. Uma teoria, em vez disso, é que as complicações são desencadeadas indiretamente por uma resposta imunológica do corpo do paciente, não pelo próprio vírus.

Essas descobertas são importantes para alertar médicos em todo o mundo que monitoram e tratam pacientes, mas também levantam novas questões e desafios. Para pacientes que não apresentam sintomas respiratórios graves, como dificuldade para respirar, pode ser difícil identificar essas complicações cerebrais com antecedência suficiente para prevenir ou minimizar os danos. E em pacientes gravemente enfermos, sua saúde debilitada pode limitar o quanto os médicos podem fazer para investigar o que está acontecendo em seu cérebro.

Os autores alertaram que mais estudos serão “essenciais” para determinar como exatamente o vírus causa dano cerebral e como tratá-lo.

“Uma vez que a doença existe há apenas alguns meses, podemos ainda não saber quais danos a longo prazo COVID-19 pode causar”, disse o co-primeiro autor, Dr. Ross Paterson, no comunicado à imprensa. “Os médicos precisam estar cientes dos potenciais efeitos neurológicos, pois o diagnóstico precoce pode melhorar os resultados do paciente”, explicou.

O Dr. David Strain, da Escola de Medicina da Universidade de Exeter, que não fez parte do estudo, considerou as descobertas importantes, mas “não surpreendentes”, dados os casos anteriores de coronavírus.

“A principal limitação é que não sabemos qual é o denominador, então não sabemos com que freqüência essas complicações surgem”, disse ele em comunicado na quarta-feira. “Já vimos que algumas pessoas com covid-19 podem precisar de um longo período de reabilitação, tanto reabilitação física por meio de exercícios quanto reabilitação cerebral. Precisamos entender mais sobre o impacto dessa infecção no cérebro “, explicou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora