A real sobre Wassef e o caso da “seita satânica” ou “bruxas de Guaratuba”

"Wassef foi acusado de uma coisa que nunca foi comprovada, numa história cheia de buracos, que tem tortura policial envolvida e que envolve pânico satânico"

Jornal GGN – A prisão de Fabrício Queiroz em um endereço em Atibaia (SP) que pertence ao advogado dos Bolsonaro, Frederick Wassef, ressuscitou um escândalo midiático-policial do início dos anos 1990, que ficou conhecido como “bruxas de Guaratuba”.

Wassef teve prisão temporária decretada em meados de 1992 por supostamente ter participado da “seita satânica” investigada pelo sequestro e assassinato de dois meninos.

O primeiro deles, Leandro Bossi, de 7 anos, sumiu em fevereiro de 1992 em Guaratuba, no Paraná. Em abril do mesmo ano desapareceu o pequeno Evandro, de mesma idade e no mesmo local.

Neste enredo, o vínculo de Wassef – que não chegou a ser preso nem formalmente acusado de nada – é com Valentina de Andrade. Natural de Londrina, ela é casada com o argentino José Alfredo Teruggi. O casal costumava passar férias no hotel Vila Real, em Guaratuba. E ambos estavam lá quando os dois meninos sumiram, causando comoção na população local.

As suspeitas contra o casal entraram ficaram registradas nas páginas da revista Manchete, de agosto de 1992, resgatadas pelo GGN nesta terça (18). Nelas, Valentina, até então conhecida por ter escrito o livro “Deus, a grande farsa”, é descrita como uma mulher paranormal e de “hábitos estranhos”, líder da seita LUS (Lineamento Universal Superior), em Buenos Aires.

Segundo Ivan Mizanzuk, jornalista que pesquisou o caso a fundo nos três últimos anos, o único papel de Wassef nesta história foi ter virado seguidor Valentina por compartilhar das mesmas ideias da escritora esotérica.

Em meio às investigações do caso Evandro, Manchete descreveu Valentina como uma mulher que detestava crianças – embora fosse mãe de um adolescente de 15 anos, “efeminado”. Ela também foi apresentada como uma “sacerdotisa” adorada por um grupo de argentinos que também viajava a Guaratuba nas férias, todos membros da mesma seita.

Wassef, segundo testemunhas ouvidas pela revista, começou a chamar atenção das autoridades por ser visto com frequência andando de “pick-up” na companhia de Valentina e Teruggi. Acabou apontado pela polícia, segundo a reportagem, como integrante da seita e “propagador” da mesma em São Paulo.

Conforme as investigações andaram, o pai de santo Osvaldo Marcineiro – chamado pelos jornais da época de “bruxo”, “feiticeiro” – virou um dos suspeitos. Celina e Beatriz Abagge, esposa e filha do prefeito da cidade, também. Elas ganharam os holofotes depois de tentar impedir protestos pelas mortes (em pleno ano eleitoral).

Presos, os suspeitos passaram por sessões de tortura para confessar primeiro a morte de Evandro e, depois, a responsabilidade pelo desaparecimento de Leandro Bossi. Valentina entrou na mira depois que um dos suspeito afirmou ter sequestrado Leandro e entregue a uma mulher que “falava castelhano”.

As torturas, embora narradas em Juízo, só ganharam força em 2020, quando Ivan trouxe as fitas à tona após três anos de trabalho jornalístico no Projeto Humanos.

Ao final, o caso Evandro teve cinco julgamentos. Em um deles, do tribunal do júri, em 2011, a filha do prefeito, Beatriz Abagge, foi condenada a 21 anos de prisão. Valentina foi absolvido por falta de provas. Wassef jamais foi indiciado. Já o caso de Leandro Bossi “foi arquivado devido à prescrição”, segundo informações recentes do Ministério Público do Paraná.

Para Ivan Mizanzuk, “Wassef foi acusado de uma coisa que nunca foi comprovada, numa história cheia de buracos, que tem tortura policial envolvida e que envolve pânico satânico”, disse. “Tudo foi abuso de imprensa e abuso de poder da polícia da época, que vinha de uma ditadura militar onde usavam a tortura como meio de obter informação”.

Ivan fala sobre o caso Wassef no vídeo abaixo:

Leia também:

Advogado de Bolsonaro foi acusado de pertencer a seita secreta envolvida em morte de menino

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Loading comments...