Arthur Lira foi cobrado por imposto sobre “rachadinha”

Autuação do Fisco ocorreu em 2009, período em que Lira teria recebido repasses de cerca de R$ 1 milhão de assessores em esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa de Alagoas

Líder do centrão na Câmara dos Deputados e apoiado de Jair Bolsonaro (sem partido), Arthur Lira (PP-AL). | Foto: Câmara dos Deputados

Jornal GGN – O líder do centrão e candidato de Jair Bolsonaro (sem partido) à presidência da Câmara, deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), foi cobrado pela Receita Federal em R$ 1,9 milhão por ter deixado de pagar impostos sobre recursos obtidos quando era parlamentar na Assembleia Legislativa de Alagoas. As informações são do Estadão.

A autuação do Fisco ocorreu em 2009, período em que, de acordo com o Ministério Público, Lira teria recebido repasses de cerca de R$ 1 milhão de assessores em esquema de “rachadinha” no Legislativo estadual. Em 2014, o Conselho Administrativo de Recursos (Carf) confirmou a multa.

Lira omitiu nas declarações  de impostos entre 2004 e 2007, rendimentos recebidos por meio de depósitos bancários de origem não identificada e também não pagou imposto sobre verbas de gabinete que, segundo a Receita, tinham natureza remuneratória. Além disso, o parlamentar recebeu recursos acima do que era permitido pela Assembleia na época.

Segundo denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República, o esquema da “rachadinha” em que Lira foi apontado como líder rendeu cerca de R$ 500 mil mensais durante seu mandato em Alagoas.

Após ser autuado pelo Fisco, Lira recorreu ao Carf, mas teve o recurso negado por unanimidade. Por isso, ele aderiu ao Programa Especial de Regularização Tributária (PERT), em 2017, reconhecendo o imposto devido e, atualmente, faz o pagamento parcelado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora