Bolsonaro exonera coordenadora da área que monitora devastação da Amazônia

Lubia Vinhas é demitida dias após o Inpe mostrar aumento recorde do desmatamento na Amazônia para o mês de junho

Foto: Academia Brasileira de Ciência

Jornal GGN – O governo Jair Bolsonaro exonerou nesta segunda (13) a coordenadora-geral de Observação da Terra do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Lubia Vinhas, que na semana passada lançou na imprensa dados mostrando o aumento recorde do desmatamento na Amazônia para o mês de junho. A exoneração, assinada pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, foi publicada no Diário Oficial da União.

A Observação da Terra é um setor no Inpe que monitora a devastação da Amazônia por meio do sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). Os dados ajudar as equipes de fiscalização a identificar áreas onde pode haver crimes ambientais. A taxa oficial de desmatamento, contudo, é divulgada uma vez ao ano, por outro setor.

Em agosto de 2019,  Bolsonaro, criticado internacionalmente por causa das queimadas na Amazônia, decidiu exonerar o então diretor do Inpe, Ricardo Magnus Osório.

Mesmo com o programa de preservação da Amazônia conduzido por militares e a pressão externa sobre Bolsonaro, a Amazônia continua passando por recordes de desmatamento. Somente em junho, a região perdeu nas queimadas uma área de 1.034 quilômetros quadrados, uma alta de 10,65% em comparação ao mês de junho de 2019. O desmate prejudicou área equivalente à cidade de Belém, no Pará. É o mês com maior devastação nos últimos 5 anos.

Leia também:

Amazônia perdeu em junho área equivalente à cidade de Belém (PA)

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora