Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Adispois du contatu cum u ispritu pérdido, mestre Bódim ficô imóvel, tentanu discubrí diadondi tinha vindo acuéla alma pénada i presa num Univérso cum pórtas trancafiadas. Veio de lá du mei du Brasil, pensô. Didadondi móra a cúpula qui massacra u país, principarmienti os maisi póbri. Dévil di sê arguém qui já mórreu maisi ãinda num sabi. Achu qui éira uma légião deiles, purque foi um vento qui démorô a passá, ieu iscuitei muitus gritus di sócorro. Eiles, qui sempre pisaru nus maisi nécéssitadu, agóra clamam pela liberdadi dum lugá inquí só ixisti um nada, um desvão dradondi só si entra i nunca maisi si iscapa. Ah! Meo iscritô Rosa! Só ucê pudiria mapear i pégá a essência di tudo u qui si passô. Ieu sô apenas um teu discíplo isforçadu.

Maisi ieu num vim aqui pá uilsso, ieu tenhu agóra di pensá num détalhi impórtanti pra os nuóssos plano. Cumu fazê os vinte porcento aumentá cumu um bolo qui crésce nu forno di um fugão à lenha? Cada quar tem di pégá na mão du otro pá puxá a vérdadi iscundida i trazê éila cum tudas as fórças. Vai sê priciso muitas énérgias. Maisi uilsso a jienti tem di sóbra, só tá fartanu amarrá tudas éilas. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora