Coaf é “só a primeira” das derrotas que Moro vai saborear enquanto ministro

Quando Moro é citado em rodas de conversa em Brasília, não se fala em outra coisa que não impor derrota atrás de derrota aos projetos que mais interessam à estrela da Lava Jato, diz colunista

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Mesmo abrindo o gabinete para conversar com parlamentares, e deslocando-se até o Congresso para defender a manutenção do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) na pasta de Justiça, o ministro Sergio Moro acabou derrotado na votação da comissão mista especial que analisava a Medida Provisória que reorganiza a estrutura do governo segundo os critérios de Jair Bolsonaro.

A MP 870/2019 foi aprovada não com uma, mas duas derrotas para o governo: além de Moro perder o Coaf, que volta para o Ministério da Economia, a ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, perdeu a Funai na íntegra (não esquartejada entre mais de um ministério) para a Justiça.

No caso de Moro, a derrota é “só a primeira” de muitas que ele deve saborear, se depender do Congresso. Segundo a Folha, partidos de oposição (esquerda) e alguns ao centro e até mesmo à direita se uniram para tirar o Coaf do ex-juiz. Lauro Jardim, em O Globo desta quinta (9), acrescentou que, nos bastidores do Congresso, quando Moro é citado, não se fala em outra coisa que não impor derrota atrás de derrota aos projetos que mais interessam à estrela da Lava Jato.

“O objetivo de enfraquecer o ministro mais popular do governo está em todas as conversas de bastidores sobre ele no Congresso”, anotou Jardim.

Além da questão indígena e do Coaf, o governo Bolsonaro sofreu derrotas em outras definições. Reportagem da Agência Senado mostra como a MP foi aprovada. Agora, ela deve ser discutida nos plenários da Câmara e Senado, onde ainda pode passar por mudanças.

A manutenção do Coaf no Ministério da Economia foi defendida por associação de auditores fiscais, em artigo publicado hoje pelo GGN.

Leia também:  Memorial da Anistia em Belo Horizonte não vai mais existir, decide Damares

Leia mais:

Auditores Fiscais pela Democracia: COAF deve permanecer no Ministério da Economia

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

13 comentários

  1. Ainda há esperança pra esse congresso, a derrota do bolsonaro é a vitória do povo humilde e que precisa realmente de proteção.

  2. E ao fazer o que fez e aceitar o que aceitou, vislumbrava um caminho livre para continuar criando das suas. Com tanta gente a desejar-lhe o mal, vai em breve preferir ter continuado a ser um funcionário público bem remunerado, sem precisar ter caído na armadilha anti-Brasil dos EUA e acreditado que o PIG tem amigos. Fora do governo, sem poder retornar ao cargo antigo e agora, se quiser ser advogado vai ter de passar por exames da OAB.

  3. Só está esperando a hora de dar o bote……

    Ou vai para o “desmorolizado” stf, ou concorre a um cargo público….

    Vive de mímimi dizendo que vai pedir demissão mas não larga o osso…. interessante seria ver quem iria lhe socorrer se isso ocorresse…. explicaria muita coisa…..

    Ninguém larga um empregão daqueles a toa…….

    Será que vai bater bumbo amanhã pro cramunhão também?!?!?

  4. Que perca todas! Ele merece! Que a lei do retorno o atinja das mais diversas formas possíveis! É o meu desejo! Esse ser de olhos piscantes, voz de assustado e que não consegue encarar seus interlocutores, jamais me convenceu. Apenas o idolatram aqueles que se exultaram com o “SERVIÇO ” que esse ser desprezivel ( na minha opinião ), executou sem dor nem piedade! Amém!

  5. O deputado paulo teixeira tem um vídeo no facebuque
    imperdível, onde segundo alguns desmascara as tramóias do moro…
    fornece dados do desemprego promovido pela l
    ava-jato e seus interesses internacionais
    – e tem gente que acha que o moro precisava do cargo
    de juiz para viver, se conhece bem as entranhas da cia e do departamento de estado norte-americano….

  6. Se acham, que Sérgio Moro vai deixar o ministério da Justiça, estão enganados, o objetivo dele é o STF, nada vai tirar o foco dele, se fosse uma pessoa com o ninimo de bom senso, já teria pedido sua demissão, pode sofrer qualquer derrota, vai coninuar no ministério, mesmo sendo desmoralizado pelo governo.

  7. Pois é… GRANDES HOMENS, ficam no prejuízo mas não se deixam humilhar. Mas, parafraseando o próprio juizeco… NÃO É O CASO…

  8. O país no caminho descaminho. Sem poder e sem oposição responsável., o sonho de mais uma queda embala o sono dos hipócritas. Somos uma nação à deriva no meio da tempestade.

  9. Não é por ideologia ou qualquer princípio ético a aparente reação do Congresso a Sérgio Moro. É puro “instinto de sobrevivência” – no que eles, políticos, estão cobertos de razão em minha opinião.
    Os mais espertos já perceberam que Moro tem um profundo desprezo pela classe política. Tirando os aliados diretos e os que desejou blindar – como os tucanos, por exemplo – Moro é o responsável direto por todo o descrédito dos congressistas, e se tornou óbvio que a Lava Jato tornou-se, ela mesma, um projeto político de PODER.
    Ora, porque os atuais parlamentares alimentariam com mais corda e madeira alguém que adoraria colocar vários deles em um cadafalso?
    Só um político absurdamente ingênuo – não sendo tucano…. – daria a Moro ainda “mais moral e poder” do que o que já desfruta.
    Penso mesmo que, pela maioria deles, Moro de algum modo bem poderia cair em desgraça por qualquer tipo de escândalo que sujasse sua imagem. Deve ser o sonho de consumo de nove em cada dez políticos em Brasília.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome