Damares põe militante anti-aborto em caso de estupro em setor que deveria promover “dignidade da mulher”

"Ainda que o feto seja resultado de estupro, a vida sobrepõe. Há vida desde a concepção, portanto, aborto é infanticídio", afirmou a nova diretora

Reprodução/Facebook

Jornal GGN – O Diário Oficial desta segunda-feira (31) registra a nomeação de Teresinha de Almeida Ramos Neves, ex-candidata a vereadora pelo PSC, para o Departamento de Promoção da Dignidade da Mulher, do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, comandado por Damares Alves. Teresinha é contra o aborto em caso de estupro.

“Imaginem se todos que, a princípio, não têm condições financeiras para criar seus filhos optassem por matá-los, como se fazia antigamente… Ainda que o feto seja especial, resultado de estupro, a vida sobrepõe! Há vida desde a concepção, portanto, aborto é infanticídio!”, escreveu ela em um blog pessoal. A informação é do G1.

Quando a menina de 10 anos estuprada pelo tio no Espírito Santo precisou viajar a Recife para conseguir fazer o aborto amparado pela lei, Teresinha publicou uma foto no Instagram se dizendo em “luto” pela morte do feto de 22 semanas. “Eu já acompanhei um caso de uma menina de 10 anos, que sofreu abuso sexual e engravidou. Ela teve a bebê com tranquilidade, de maneira saudável e escolheu ficar com a bebê”, escreveu.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma semana, um dia todo de luta pela vida )):… … mas, uma gestação de 6 meses (isso mesmo: 6 meses) foi ignorada e a vida da bebê morta por uma injeção de potássio no coração ? Defendemos a vida de duas crianças, mas uma foi priorizada?… Não dá pra entender isso! ? Uma vida é mais importante que outra?? Um aborto não elimina o trauma, pelo contrário, traz mais um que se levará por toda a vida. O que vivemos com o caso da menina de 10 anos, do estado do Espírito Santo, mostra que os médicos se dividem, a ponto de a equipe médica de um estado do Brasil se negar a cumprir decisão judicial que autorizava fazer o aborto para não colocar em risco a vida da mamãe e do bebê, enquanto um médico de outro estado decide qual vida é mais importante! A menina de 10 anos foi levada por um jatinho particular (quem será que pagou essa conta??) do estado do Espírito Santo para Recife, onde está sendo submetida a indução do aborto de sua bebê de 500 gramas, já morta, em seu útero. Oremos para que essa menina de 10 anos não seja acometida por uma infecção e nem tenha hemorragia ?? Eu já acompanhei um caso de uma menina de 10 anos, que sofreu abuso sexual e engravidou. Ela teve a bebê com tranquilidade, de maneira saudável e escolheu ficar com a bebê, por nome Vitória! Neste caso, tivemos sucesso! Mas, este domingo foi difícil, triste, …? Eu sei que o caso é polêmico, divide opiniões, mas sigo acreditando na Vida, como um bem supremo e inalienável.

Uma publicação compartilhada por Teresinha Neves (@teresinhaneves) em

Teresinha ocupava até desde maio passado o cargo deixado pela extremista de direita Sara Geromini, mais conhecida como Sara Winter: a coordenadoria-geral de Atenção Integral à Gestante e à Maternidade.

Na semana passada, o governo Bolsonaro – mais precisamente, o Ministério da Saúde – tomou outra decisão que afronta os direitos reprodutivos das mulheres. Publicou uma portaria (2282) que dificulta o aborto legal na rede pública, criando uma série de exigências e obstáculos ao procedimento.

Leia mais:

Aborto: médicas feministas detalham os problemas na Portaria 2282

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora