Deltan mostra que Lava Jato é movimento político, diz Rodrigo Maia

Em live do grupo Prerrogativas, presidente da Câmara dos Deputados critica operação e diz que Bolsonaro é subproduto de investigações

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Foto Reprodução.

Jornal GGN – O presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a operação Lava Jato neste final de semana, e afirmou que a recente entrevista do procurador Deltan Dallagnol evidenciou que a Lava-Jato é um movimento político.

A afirmação foi feita durante live promovida pelo grupo de juristas Prerrogativas, que também contou com a presença do deputado federal Orlando Silva (PC do B-SP). “Ontem, o procurador Deltan deixou muito claro que [a Lava Jato] é um movimento político, pois ele disse que as ações contra a Lava Jato são para prejudicar a candidatura de Moro em 2022. Está muito claro qual o jogo que está sendo jogado. Depois o Moro foi no Estadão agredir o PGR”, disse Maia.

O ponto citado por Maia se refere a uma entrevista que Dallagnol concedeu à emissora CNN na última sexta-feira (03/07). Na ocasião, o procurador declarou: “Com o desembarque do ex-ministro Sergio Moro da parte da Justiça, passou a interessar ao governo e aos seus aliados a desconstrução do ex-ministro Sergio Moro e da Lava Jato, de que ele é símbolo, pelo receio de que ele venha eventualmente a concorrer em 2022”.

O presidente da Câmara disse ainda que a eleição de Jair Bolsonaro em 2018 é um “subproduto do lavajatismo”, uma vez que o campo estruturado pelos defensores do combate à corrupção “acabou obrigado a agregar nele”, muito mais pelo crescimento da candidatura de Fernando Haddad. (via informações do portal UOL)

Confira abaixo a íntegra da transmissão do grupo Prerrogativas:

Leia também:  Profissionais de saúde negros são quase duas vezes mais propensos a contrair Covid-19

 

Leia Também
Empresa que pagou propinas a Serra já era conhecida pela Lava Jato de Curitiba
Corrupção: cuidado para não errar o alvo, por Ricardo Cappelli
Denúncia contra Serra não prescreve porque crime se estende até 2014, diz Lava Jato
Do Banestado à Lava Jato: um dossiê sobre o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

    • Ele não é burro. Claro que sempre soube disso, mas ia falar antes pra quê? Pra levar porrada junto com os petistas e ainda ser desprezados por eles? A covardia anda de mãos dadas com a classe política. E com o judiciário não é diferente

  1. Se não abrirem os arquivos dos filhos e filhas de januário, todos os próximos candidatos à Presidência serão perseguidos, vítimas de um denuncismo desenfreado nunca visto

    neste então a mídia protetora estará fazendo o que sempre fez para os filhos e filhas de januário, soltando mais denúncias ardilosas do que matéria investigativa

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome