Estratégia dos EUA em reforma da OMS irrita europeus

Governo Trump quer Brasil como aliado em processo; objetivo é blindar a entidade da influência chinesa no futuro, mas europeus veem uso eleitoral

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O governo dos Estados Unidos deu início a uma proposta para reformar a OMS (Organização Mundial de Saúde) para blindar a influência chinesa dentro da entidade no futuro.

Em sua coluna no portal UOL, o jornalista Jamil Chade explica que o governo Trump já encaminhou seu projeto para o governo brasileiro, estabelecendo princípios para a recriação das estruturas da agência.

Contudo, o projeto abriu uma crise com os europeus: os governos da França e da Alemanha abandonaram uma negociação no começo de agosto por conta da insistência norte-americana em estabelecer os princípios da nova entidade e a agenda de reformas.

O plano dos Estados Unidos é aprovar o plano no G7 (grupo das sete maiores economias do mundo) que é presidido por Donald Trump neste semestre. O passo seguinte seria levar a questão para o G-20, e o Brasil seria peça fundamental em tal etapa.

Na visão dos europeus, os EUA adotam uma postura dupla: enquanto anunciam a saída da organização e o fim do repasse de recursos, eles querem comandar a reforma da instituição.

E os europeus podem comprometer os planos de Trump: a Alemanha, que lidera a União Europeia, quer evitar apoiar o projeto americano, considerado crítico em excesso e que poderia ser usado como plataforma eleitoral para a reeleição do presidente norte-americano.

Os outros países do G7 acreditam que a OMS precisa passar por uma reforma, mas no sentido de fortalecer a agencia ao invés de esvaziar os trabalhos mantidos.

 

Leia Também
Republicanos correm para reverter desvantagem de Trump
Casa Branca tenta distanciar Trump da campanha de Bannon e sua prisão
Trump, Biden e uma eleição decisiva na terra da democracia, por Rafael R. Ioris

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Ou seja, o pais que quer “reformar” o órgão responsável por processos que visam orientar a saude mundial em momentos de crise na saude tem, junto com o paiseco servil chamado para a tentativa de “reforma”, a responsabilidade por mais de 1/3 de casos de contagio e de mortes na pandemia do coronavirus..
    Imagino se ja assim fosse, o gal pazuelo e bozo, com um retrato do trump ao fundo, dando entrevistas e orientando o mundo a usar cloroquina ou “anita”, e a se aglomerarem pois, afinal, trata-se de uma gripezinha.
    Trump canalha…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome