Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados. Podem ser colocados aqui os vídeos e as notícias em geral. Deixe sua dica nos comentários.

O espaço para os temas livres e variados. Podem ser colocados aqui os vídeos e as notícias em geral. Deixe sua dica nos comentários.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  GGN Brasil: em São Paulo dados são menos dramáticos do que pareciam

4 comentários

  1. Como a Lava Jato foi usada pra destruir o Brasil e a democracia

    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/consorcio-da-lava-jato-foi-trampolim-para-extrema-direita-diz-professor-nos-eua/

    Consórcio da Lava Jato foi trampolim para extrema direita, diz professor nos EUA.

    Com o discurso de combater a corrupção, a autoproclamada operação “lava jato”, consórcio formado a partir da 13ª Vara Federal de Curitiba, enfraqueceu a democracia e o Estado de direito e reproduziu estratégias adotadas por populistas e líderes iliberais, que buscam minar as instituições em benefício próprio. Esse discurso, potencializado pela imprensa, ganhou as ruas e acabou por favorecer a eleição do presidente Jair Bolsonaro.

    A análise é de Fabio de Sa e Silva, professor de estudos brasileiros na University of Oklahoma, nos Estados Unidos, a partir de pesquisa que codificou 194 entrevistas concedidas por membros da “lava jato” e pelo ex-juiz Sergio Moro de janeiro de 2014 a dezembro de 2018, somando mais de mil páginas de conteúdo. O estudo foi publicado foi publicado no último dia 10/10) no Journal of Law and Society.

    Em entrevista à DW Brasil, Sa e Silva afirma que as entrevistas indicam que os operadores tinham uma “gramática política” estruturada, que incluía pressionar pela mudança de normas em benefício da própria força-tarefa, classificar os que resistiam a alterações como inimigos do povo e contornar a lei quando necessário para alcançar objetivos políticos.

    Para ele, a retórica dos integrantes indica que eles “estão muito mais próximos da ideia de identificação e perseguição do inimigo do que propriamente da contenção de arbitrariedade no exercício do poder, que é a chave do liberalismo”.

    O professor da University of Oklahoma identifica na força-tarefa um discurso iliberal, conceito aplicado a líderes que enfraquecem as instituições e regras que garantem a limitação do exercício de seu poder, e aponta ser “difícil negar que a luta anticorrupção serviu como plataforma para a extrema direita no Brasil”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome