General deve assumir Secretaria-Geral da Presidência no lugar de Gustavo Bebianno

Crise envolvendo ex-presidente nacional do PSL pode também levar a um racha dentro do PSL. Filhos do presidente devem migrar para UDN

Fonte: Arquivo Pessoal/Instagram

Jornal GGN – O general Floriano Peixoto deve assumir a Secretaria-Geral da Presidência no lugar de Gustavo Bebianno, segundo informações dos jornais O Globo, Folha e Estado de S.Paulo. Atualmente, a pasta conta com 2 oficiais, mostrando a força do Exército no novo governo. Leia também: Crise Bebianno expõe forças que comandam Bolsonaro, por Janio de Freitas

A crise envolvendo o ex-presidente nacional do PSL e um dos homens fortes da campanha Jair Bolsonaro, pode também levar a um racha dentro do PSL. Segundo informações do Estado de S.Paulo, os filhos de Bolsonaro estudam migrar para a União Democrática Nacional (UDN), sigla que está em fase final de criação. 

Ainda, segundo o jornal, o dirigente da UDN, Marcus Alves de Souza, afirmou que a proposta da nova legenda é se tornar o maior partido de direita do Brasil. A movimentação deve reduzir o poder de barganha conquistado pelo PSL na Câmara dos Deputados, uma vez que a saída dos Bolsonaros pode atrair a debandada de outros. O partido conseguiu ampliar de 52 para 54 o número de deputados federais, se igualando ao número de parlamentares do PT que era, até então, o maior partido em número de congressistas.

A crise no governo e no PSL começou após reportagens da Folha de S.Paulo revelando um esquema de candidaturas “laranjas” nas eleições. O PSL teria colocado candidatos de fachada, ou seja, pessoas sem a intenção de concorrer de fato, com o objetivo de desviar dinheiro do fundo eleitoral.

O jornal deu destaque a dois casos. O primeiro foi o repasse de R$ 400 mil do PSL para a candidata em Pernambuco Maria de Lourdes Paixão. A transferência de valores aconteceu quatro dias antes das eleições, e Lourdes recebeu apenas 274 votos. O segundo caso foi o repasse de R$ 250 mil em verbas públicas para uma ex-assessora de Bebianno. O valor foi repassado para uma gráfica registrada em endereço de fachada.

Leia também:  Que anti vai dar as cartas em 2022? Por Alon Feuerwerker

Nos dois casos, Bebianno era presidente do PSL e responsável por autorizar os repasses para os candidatos. Em nota, o ministro disse que não escolheu as candidaturas que disputaram as eleições nos estados e, para o jornal “O Globo”, disse que não havia crise com o governo, por conta do tema e que teria conversado por telefone com Jair Bolsonaro, então internado em um hospital em São Paulo.

Em seguida, Carlos Bolsonaro, filho do presidente e vereador, declarou nas redes sociais que Bebianno mentiu sobre ter falado com Jair Bolsonaro. O próprio presidente compartilhou a publicação do filho.

O colunista de Globo, Lauro Jardim, revelou neste domingo que o ministro culpou o próprio presidente da República por sua saída e que o problema não é Carlos Bolsonaro. “O problema não é o pimpolho, é o Jair”, disse. Jardim comentou, ainda, que Bebianno se disse perplexo com a decisão de seu afastamento e declarou que não ficará “batendo boca com ninguém”, voltando a negar sua participação no esquema de candidaturas laranjas.

Mas, segundo Lauro Jardim, quem teria montando a guerra contra Gustavo Bebiano foi Carlos. O vereador chegou a colocar o primo “Leo Índio” como espião no Palácio do Planalto. Para Carlos, Bebianno é responsável pelo vazamento de informações sobre a família para a imprensa, gerando as reportagens sobre Fabrício Queiroz e Flávio Bolsonaro.

Neste sábado (16), a Folha divulgou uma matéria onde o ministro Bebianno confirmou que o presidente pretende demiti-lo na próxima segunda-feira (18), por meio de uma publicação no Diário Oficial da União.

Leia também:  Celso de Mello diz que PGR não "serve a grupos ideológicos"

“A tendência é essa, exoneração (…) Eu quero ver o papel com a exoneração, a hora em que sair o papel com a exoneração é porque eu fui exonerado”, disse Bebianno.

Na madrugada de sábado, o ministro publicou na sua conta no Instagram uma mensagem atribuída por ele ao escritório brasileiro Edgard Abbehusen. Um dos trechos diz: “Uma pessoa leal sempre será leal. Já o desleal, coitado, viverá sempre esperando o mundo desabar na sua cabeça”. Em outro trecho, a mensagem destaca que “a lealdade é um gesto bonito das boas amizades”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. O desclassificado e desequilibrado Boçalnato fez ruir a barragem de rejeitos autoritários contidos na lama verde oliva que avança perigosamente e ameaça soterrar de forma definitiva a nossa DEMOCRACIA.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome