Italianos com mais de 80 anos “serão deixados para morrer”, diz jornal

Região da Itália mais atingida pelo coronavírus elabora novas propostas dizendo quem viverá e quem morrerá

A equipe médica sai de uma barraca em uma das estruturas de emergência criadas para facilitar os procedimentos no hospital de Brescia, norte da Itália. CRÉDITO : Luca Bruno / AP

Do The Telegraph

Italianos com mais de 80 anos “serão deixados para morrer”

As vítimas de coronavírus na Itália terão acesso negado aos cuidados intensivos se tiverem 80 anos ou mais ou com problemas de saúde caso a pressão sobre o leito aumente, propõe um documento preparado por uma unidade de gerenciamento de crises em Turim.

Alguns pacientes que não receberam tratamento intensivo serão deixados para morrer, temem os médicos.

A unidade elaborou um protocolo, visto pelo The Telegraph, que determinará quais pacientes receberão tratamento em terapia intensiva e quais não, se houver espaços insuficientes. A capacidade de terapia intensiva está acabando na Itália, à medida que o coronavírus continua a se espalhar.

O documento, produzido pelo departamento de proteção civil da região do Piemonte, um dos mais atingidos, diz: “Os critérios para acesso à terapia intensiva em casos de emergência devem incluir idade inferior a 80 anos ou uma pontuação no Índice de comorbidade de Charlson [que indica quantas outras condições médicas o paciente tem] menos de 5.”

A capacidade do paciente de se recuperar da ressuscitação também será considerada.

Um médico disse: “[Quem vive e quem morre] é decidido pela idade e pelas condições de saúde do [paciente]. É assim que ocorre em uma guerra”.

O documento diz: “O crescimento da epidemia atual torna provável que seja atingido um ponto de desequilíbrio entre as necessidades clínicas dos pacientes com COVID-19 e a disponibilidade efetiva de recursos intensivos.

Leia também:  Covid-19: Quem vai colher nos erros de Bolsonaro?, por Ricardo Cappelli

“Se for impossível fornecer a todos os pacientes serviços de terapia intensiva, será necessário aplicar critérios de acesso ao tratamento intensivo, que depende dos recursos limitados disponíveis”.

Acrescenta: “Os critérios estabelecem diretrizes se a situação se tornar de natureza excepcional, a fim de tornar as escolhas terapêuticas em cada caso dependentes da disponibilidade de recursos, forçando os hospitais a se concentrarem nos casos em que o custo / benefício relação é mais favorável para o tratamento clínico.”

Luigi Icardi, conselheiro de saúde no Piemonte, disse: “Eu nunca quis ver esse momento. Ele [o documento] será vinculativo e estabelecerá, no caso de saturação das enfermarias, um código de precedência para o acesso à terapia intensiva, com base em certos parâmetros, como a sobrevivência potencial “.

O documento já está completo e é necessária apenas a aprovação de um comitê técnico-científico antes de ser enviado aos hospitais. Os critérios devem ser aplicados em toda a Itália, disseram fontes do governo.

Mais de 1.000* pessoas na Itália já morreram com o vírus e o número está crescendo todos os dias. Mais de 15.000 estão infectados.

A Itália possui 5.090 leitos de terapia intensiva, que atualmente superam o número de pacientes que precisam deles. Também está trabalhando para criar uma nova capacidade de leitos em clínicas particulares, lares de idosos e até em tendas. No entanto, o país também precisa de médicos e enfermeiros – o governo quer contratá-los – e equipamentos.

Lombardia continua sendo a região mais crítica. No entanto, a situação também é grave no vizinho Piemonte. Aqui, em apenas um dia, foram registrados 180 novos casos, enquanto as mortes eram 27. A tendência sugere que a situação não está prestes a melhorar.

Leia também:  Estudo mostra quais cidades brasileiras "importaram" coronavírus

Roberto Testi, presidente do comitê técnico-científico de coranavírus do Piemonte, disse ao The Telegraph: “Aqui no Piemonte, pretendemos adiar o máximo possível o uso desses critérios. No momento, ainda existem locais de terapia intensiva disponíveis e estamos trabalhando para criar mais.

“Queremos chegar o mais tarde possível ao ponto em que temos que decidir quem vive e quem morre. Os critérios referem-se apenas ao acesso à terapia intensiva – aqueles que não obtêm acesso à terapia intensiva ainda receberão todo o tratamento possível. Na medicina, às vezes temos que fazer escolhas difíceis, mas é importante ter um sistema sobre como fazê-las”.

*Nota da redação: A reportagem do The Telegraph foi publicada em 14 de março. O GGN replica no dia 17 de março, quando o número de mortes na Itália por coronavírus já passou dos 2 mil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Pontinhos nos iiiii.
    Um infectologista de Milano não coloca a questão como do enunciado da manchete, diz ele que os tratamentos que ainda carecem de remedios específicos devem ser aplicados a todos considerando os sujeitos que alguma forma respondem às terapias.
    Não foi falado em idade, no entanto é algo intrínseco nos tratamentos.

  2. Aqueles que têm o sistema imunológico mais frágil e que, portanto, deveriam ser priorizados, serão abandonados à própria sorte.

    Deve ser muito triste ser descartado como papel higiênico usado depois de uma vida servindo ao país.

  3. Quem sabe se o corona vírus não foi algo criado em laboratório justamente pra matar a população idosa, já que, o que se ouve falar é que esse grupo cada vez mais cresce e governo é claro não quer ter gasto com esse público.

  4. “Todos nós desejamos ajudar uns aos outros. Os seres humanos são assim. Desejamos viver para a felicidade do próximo – não para o seu infortúnio. Por que havemos de odiar e desprezar uns aos outros? Neste mundo há espaço para todos. A terra, que é boa e rica, pode prover a todas as nossas necessidades.

    O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos. A cobiça envenenou a alma dos homens… levantou no mundo as muralhas do ódio… e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

    A aviação e o rádio aproximaram-nos muito mais. A própria natureza dessas coisas é um apelo eloqüente à bondade do homem… um apelo à fraternidade universal… à união de todos nós. Neste mesmo instante a minha voz chega a milhares de pessoas pelo mundo afora… milhões de desesperados, homens, mulheres, criancinhas… vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes. Aos que me podem ouvir eu digo: “Não desespereis! A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia… da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano. Os homens que odeiam desaparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo. E assim, enquanto morrem homens, a liberdade nunca perecerá.

    Soldados! Não vos entregueis a esses brutais… que vos desprezam… que vos escravizam… que arregimentam as vossas vidas… que ditam os vossos atos, as vossas idéias e os vossos sentimentos! Que vos fazem marchar no mesmo passo, que vos submetem a uma alimentação regrada, que vos tratam como gado humano e que vos utilizam como bucha de canhão! Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar… os que não se fazem amar e os inumanos!

    Soldados! Não batalheis pela escravidão! Lutai pela liberdade! No décimo sétimo capítulo de São Lucas está escrito que o Reino de Deus está dentro do homem – não de um só homem ou grupo de homens, ms dos homens todos! Está em vós! Vós, o povo, tendes o poder – o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade! Vós, o povo, tendes o poder de tornar esta vida livre e bela… de faze-la uma aventura maravilhosa. Portanto – em nome da democracia – usemos desse poder, unamo-nos todos nós. LUTEMOS POR UM MUNDO NOVO… UM MUNDO BOM QUE A TODOS ASSEGURE O ENSEJO DE TRABALHO, QUE DÊ FUTURO À JUVENTUDE E SEGURANÇA À VELHICE.

    É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder. Mas, só mistificam! Não cumprem o que prometem. Jamais o cumprirão! Os ditadores liberam-se, porém escravizam o povo. Lutemos agora para libertar o mundo, abater as fronteiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à prepotência. Lutemos por um mundo de razão, um mundo em que a ciência e o progresso conduzam à ventura de todos nós. Soldados, em nome da democracia, unamo-nos!

    Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo – um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!”

    Charles Chaplin – 1940

    Valeu, Tatiane! É o que tenho suspeitado do fundo dos meus pulmões.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome