Lula preso em cela comum em Tremembé contraria manifestação da Lava Jato

Em manifestação à juíza Carolina Lebbos, o Ministério Público Federal defendeu que Lula permanecesse preso em sala especial, embora não cedida pelas Forças Armadas, como requereu a defesa

Jornal GGN – A transferência de Lula de uma sala da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba para uma cela de presídio comum, no interior de São Paulo, contraria manifestação feita pela força-tarefa do Ministério Público Federal que atua na Lava Jato.

Diante da juíza de execuções penais Carolina Lebbos, que cuidava da prisão de Lula em Curitiba, os procuradores liderados por Deltan Dallagnol argumentaram que o ex-presidente não deveria ter direito a uma sala de Estado Maior, como requereu a defesa, mas certamente não deveria cumprir pena como um “preso comum”.

“(…) não há no ordenamento positivo qualquer garantia ou direito a Sala de Estado-Maior para ex-presidentes da República”, anotou o MPF, para quem estender essa prerrogativa a Lula seria “quebra do princípio da igualdade” entre os detentos.

Porém, na visão dos procuradores, era “justificada, proporcional e razoável” que a Lula fosse determinado o “encarceramento em sala especial a fim de garantir a integridade física e moral do detento” em função do antigo cargo de presidente da República.

“(…) as condições de encarceramento devem ser diversas das do preso comum, de modo a se preservar não somente o custodiado, mas também informações de Estado de que teve ciência em razão do cargo que exerceu”, defendeu o MPF.

A defesa de Lula requereu a Lebbos que o ex-presidente cumprisse pena em uma sala de Estado Maior em São Paulo, que deveria ser escolhida pelas Forças Armadas, e não pela Polícia Federal.

O MPF, contudo, preferia que Lula continuasse preso na Superintendência da PF em Curitiba, e usou os outros dois processos que existem contra o ex-presidente da 13ª Vara Federal como justificativa.

Leia também:  Máquina que operou no WhatsApp a favor Bolsonaro pode cair no inquérito do STF

Lebbos decidiu transferir Lula para São Paulo, mas negou Sala de Estado Maior. Atribuiu ao juiz do Estado de destino a escolha do presídio – que acabou sendo Tremembé 2 – e lembrou que as outras duas ações penais contra Lula em Curitiba já tiveram a fase de instrução encerrada.

Lebbos transfere Lula

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Bolsonaro ora implantar de vez seu plano de plenos poderes precisa de um incêndio do reichstag. A morte de Lula num presídio poderia se prestar a isso. A revolta que isso causaria mesmo que de pouca participação popular seria a deixa pra mandar o exército e a força paramilitar que apoioa Bolsonaro pra esmagar os de sempre. Disso prime estádio de sítio é um passo.

    • Bolsonaro não conta com apoio das Forças Armadas. Mas sim com o apoio de toda população honesta do Brasil. E que Deus dê longos anos de vida a Lula para que ela possa cumprir uma boa parte de sua pena pelos crimes cometidos contra o povo brasileiro.

  2. LULA receberia hoje apoio de TRINTA juízes qdo serio declarado PRESO POLÍTICO.

    A juíza LESBOS esta denunciada no CNJ por ter aprovado o fundo de 2,5 BI da FARSA a JATO, dado pelos EUA ao menino Delanhinho.

    Os Lavajateiros foram pegos em flagrante delito e seus símbolos estão sendo expostos pelo INTERCEPT.

    ISSO é vingança, retalhação

    E mais, essa turma não teria este ATREVIMENTO se não contasse com apoio explícito das FORÇAS ARAMADAS e do BOZO

    é o golpe em andamento

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome