Marco Aurélio diz que Eduardo Bolsonaro como embaixador é “nepotismo”

Ministro do STF afirma que será "tiro no pé" se presidente confirmar indicação do próprio filho para a embaixada do Brasil nos EUA

Eduardo Bolsonaro. Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, afirmou ao Brodcast do Estadão que a indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada do Brasil nos EUA é “nepotismo”.

“Não tenha a menor dúvida. Sob a minha ótica, não pode, é péssimo. Não acredito que o presidente Bolsonaro faça isso. Será um ato falho, um tiro no pé”, disse o magistrado.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Marco Aurélio ainda afirmou que “Jair Bolsonaro deve contas aos eleitores e aos brasileiros em geral. O exemplo vem de cima. Ele chegou para nos governar e governar bem, não para proporcionar o Estado aos familiares.”

Em 2017, o ministro do STF concedeu uma liminar suspendendo a nomeação de Marcelo Hodge Crivella para o cargo de secretário-chefe da Casa Civil da gestão do pai, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB). Marco Aurélio entendeu, na oportunidade, que se tratava de nepotismo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Moro reinterpreta lei para justificar conversas sobre as delações negociadas na Lava Jato

18 comentários

  1. esses cabras têm fixação no número 13

    SÚMULA VINCULANTE 13 (Veja o Debate de Aprovação)

    A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal.

  2. Não descarto a possibilidade de sugestões a partir de DTrump ou SBannon, para que a indicação fosse levada em consideração, algo que, para o meu sempre glorioso presidente, equivaleria a uma ordem.
    Se pode ser interpretada legalmente como nepotismo, esta maluquice deveria virar caso de polícia, mas como quem manda investigar é o supermoro, a tal investigação é tão provável de ocorrer quanto a do sargento garcia conseguir pegar o zorro. Taí o exemplo do Queiroz – o supermoro teve a coragem de alegar que ainda não foi atrás do sujeito porque a PF está com poucos funcionários – é impressionante a soberba do analfabeto funcional.

    2
    1
  3. Com certeza, mais que nepotismo, isto é coisa de máfia, com o capo protegendo o ‘piccolo capo’. Agora, Marco Aurélio reclamando disso é piada de CTF (sem cedilha). Afinal de contas, o marajá Marco Aureliio está ali, mamando há quase 20 anos, nomeado pelo primo Collor de Mello. Eita Brazilzão.

  4. Vendo agora o jornal da tarde, entendi que o bozo3 tem, como bons embaixadores, as credenciais apropriadas para assumir um cargo dessa envergadura.
    O bozo3 apresentou-as alegremente:
    1-Ele já fritou hamburgers em nova york
    2-Ele já caçou no frio do Colorado
    3-Ele já fez intercâmbio para aperfeiçoar o seu “ingrês”
    4-Ele é filho do presidente

  5. Sao várias as qualidades: Ingles básico, experiência em fritar hambúrguer, usuário de bonezinho dos eua, e, segundo o gal. Heleno, um traumatizado com atentados (fakes ou não).
    Prestem atenção: enquanto os eua não sugarem o que querem do Brasil, teremos que aturar este monte de imbecis.

  6. Por trás dessa “indicação” estão os processos de lavagem de dinheiro com o Queiroz e os milicianos e os assassinatos a mando da Marielle e do Anderson….
    Trata-se do papai protegendo o filhinho bandido…

    1
    1
  7. não há uma notícia que venha de boçalnaro que não seja um diversionismo. afinal dizia Sun Tzu, use o engodo.
    enquanto planta flakes news, o congresso segue a ladrar…
    é o tipo de notícia que a globo gosta: concentra a estupefação do “jornalismo” e condiciona os trabalhos do congressistas

  8. Para mim fica claro que toda vez que JB encontra DT, volta o assunto da Venezuela e de Cuba na mídia.

    Foi assim em Buenos Aires, Washington e Osaka. Percebe-se o monologo de DT em cima de JB e o Bozo não se contém e tem de resmungar o assunto da Venezuela e Cuba nas entrevistas que seguem ao encontro.

    Portanto é um jab de direita no queixo da Venezuela ter o 03 pra cacarejar DT na orelha de JB, sem passar pelo Itamaraty e milicos.

    “Call your Dad!” dirá DT do salão oval.

  9. Com todas essas características “curriculares” do 03, fiquei empolgado com uma possível indicação para uma embaixada… Falo italiano, já fui para Itália, e sei fazer um Spaghetti alla Carbonara. Será que o Bozo me indicaria para a Embaixada do Brasil na Itália?

  10. Com todas essas características “curriculares” do 03, fiquei empolgado com uma possível indicação para uma embaixada… Falo italiano, já fui para Itália, e sei fazer um Bucatini all’Amatriciana. Será que o Bozo me indicaria para a Embaixada do Brasil na Itália?

  11. Infeliz o comentário do ministro Marco Aurelio de Mello, pois este sim foi nomeado por seu primo, Fernando Collor de Mello. Ou já esqueceram disso?!
    Ademais, não é nepotismo algum. Vejamos o que dia a CGU:
    “A eventual indicação de um filho do Presidente da República para atuar como embaixador do Brasil não caracteriza nepotismo, pois tanto o decreto nº 7.203, de 4 de junho de 2010, quanto a súmula vinculante nº 13 do STF (Supremo Tribunal Federal), que tratam do assunto, indicam vedações de nepotismo para ocupação de cargos por familiares do Presidente apenas quando se tratam de cargos estritamente administrativos (em comissão, função gratificada, cargos de direção e assessoramento) e não de cargos políticos”, afirmou a CGU, em resposta a questionamento feito pela Folha.
    Em verdade Trata-se apenas do esperneio da oposição simplesmente pela oposição, que nomeava qualquer um bandido para saquear os cofres publicos, sem o menor pudor ou arrependimento. Fala sério!

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome