Novo diretor da PF faz o que Moro antecipou: troca superintendente do Rio

Bolsonaro queria que o Rio ficasse a cargo de Alexandre Saraiva, hoje superintendente no Amazonas

Rolando Alexandre

Jornal GGN – Nomeado nesta segunda (4), o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Souza, adotou como uma de suas primeiras medidas a troca da superintendência da PF no Rio de Janeiro, local onde a família Bolsonaro tem interesse, graças às investigações conduzidas em prejuízo de Flávio Bolsonaro e Carlos Bolsonaro.

Ao abandonar o governo, no final de abril, Sergio Moro antecipou que Bolsonaro faria “intervenções políticas” na PF, trocando prioritariamente os comandos do Rio e Pernambuco.

O então superintendente do Rio, Carlos Henrique Oliveira, “foi convidado para ser o diretor-executivo, número dois” da PF, segundo informações da Folha.

Carlos Henrique virou superintendente do Rio por decisão de Maurício Valeixo, demitido por Bolsonaro no mês passado, no mesmo dia em que Moro decidiu sair do governo. Antes de ir para o Rio, Carlos Henrique era superintendente em Pernambuco.

Bolsonaro queria desde o começo que o Rio ficasse a cargo de Alexandre Saraiva, hoje superintendente no Amazonas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora