O raciocínio plano de Magnolli, o Bolsonaro com notas de rodapé, por Luis Nassif

O raciocínio de Magnolli é plano: é pau pau, pedra pedra. Para cada fenômeno há uma única causa. Se colocar duas, atrapalha o raciocínio e a pregação. É a mesma lógica de Bolsonaro e da ultradireita terraplanista, com notas de rodapé.

Sabido é quem tem  bom estoque de informações. Esperto é quem sabe relacionar bem as informações. Em Minas Gerais, se diria que Demétrio Magnolli é sabido, mas não é esperto. 

O raciocínio de Magnolli é plano: é pau pau, pedra pedra. Para cada fenômeno há uma única causa. Se colocar duas, atrapalha o raciocínio e a pregação. É a mesma lógica de Bolsonaro e da ultradireita terraplanista, com notas de rodapé.

Hoje ele publicou um artigo na Folha reproduzindo a lógica de Bolsonaro em relação ao isolamento social. 

Invoca o santo nome da sociologia em defesa de sua tese. Logo a sociologia, que exige análises de tendências, que tenta buscar explicações para realidades complexas, sem se curvar ao tatibitate dos idiotas da objetividade, que só conseguem enxergar a superfície e o momento zero e não conseguem avançar em mais de uma causa para um mesmo problema .

Magnolli e as cotas raciais

Exemplo maior foi sua posição em relação às cotas raciais, como ghost writer do senador Demóstenes Torres.

Sua lógica era plana: criando cotas raciais, se tirariam as oportunidades dos melhores, reduzindo o nível do ensino.

A santa sociologia, invocado por Magnolli, iria além. 

Negros e brancos saem de pontos de partida distintos, devido à todo histórico de segregação. As cotas permitem compensar um pouco essa diferença inicial na porta de entrada. Depois, incluídos no sistema, após um período inicial de adaptação haverá condições de uma competição isonômica entre todos. A Unicamp demonstrou cabalmente que, após ingressarem na Universidade graças aos pontos adicionais proporcionados pela política de cotas, os negros tiveram desempenho superior à média.

Mais ainda. A sociologia discutiria os impactos da inclusão no próprio processo de racismo, os efeitos sobre outros negros, que passam a acreditar na possibilidade de acesso à universidade e a outros ambientes de brancos; nos colegas brancos, que passam a naturalizar a inclusão; na melhoria do ambiente geral, com o exercício da sociabilidade e a superação dos preconceitos.

Mas Magnolli é pau-pau pedra-pedra: no momento 0, as cotas colocaram no cargo uma pessoa menos capacitada. E não se fala mais nisso.

É o pensamento padrão da ultradireita que emergiu nos últimos anos, uma parte sob o manto da religião, outra – como Magnolli – no manuseio plano de conceitos, sem nuances, sem relativizações, sem generosidade.

A crítica ao isolamento

Vamos aos argumentos de Magnolli contra o isolamento e os epidemiologistas, invocando a vã sociologia.

A sua lógica é bolsonariana.

  • Nenhum dos países que fez isolamento logrou reduzir a mortalidade do COVID. Falso.
  • As maiores aglomerações são em baladas, mas os governos estaduais querem investir contra os comerciantes.
  • A ditadura dos epidemiologistas quer o impossível: lockdown até liquidar o último virus.
  • A sociologia diz que é impossível manter tanta gente isolada por tanto tempo.

A lógica do isolamento é objetiva. O maior fator de óbito é a a falta de vagas em UTIs. O isolamento visa atrasar pontualmente a curva da doença quando a ocupação das UTIs for muito alta. Simples assim. É uma estratégia provisória, não uma luta final contra o vírus, como afirma Magnolli.

Toda a lógica de Magnolli limita-se a um enunciado: apesar da política de isolamento praticada por alguns prefeitos e governadores, a incidência de Covid-19 é alta. Logo, o isolamento falhou.

Não ousa discutir uma hipótese óbvia, que deve soar muito abstrata para seu cartesianismo de foco único: de quanto seria a pandemia sem os milhões de brasileiros que se precaveram com o isolamento graças aos alertas dos epidemiologistas.? Tenho inúmeros exemplos, na própria família, de isolamento severo que impediu a contaminação de todos, de tias idosas a sobrinhos e netos pequenos.

Mas  Magnolli recorre a correlações tolas para combater o isolamento. Há milhões de pessoas que frequentam os transportes públicos, que são obrigados a ir para as ruas para sobreviver. Logo, o isolamento é impossível.

Uma mente um pouco menos tacanha discutiria maneiras de amenizar essa exposição – como, por exemplo, a manutenção da renda básica para os economicamente vulneráveis. Mas Magnolli vai em outra direção: se o isolamento não pode proteger essas pessoas, que se acabe com o isolamento para todas.

Equivale a um salva vidas na praia argumentando que, como não pode salvar todos os que se afogam, não salvará nenhum.

Outro raciocínio plano é a comparação entre as milhares de pessoas que se acotovelam nos réveillons, nas praias, e nas baladas com os comerciantes. Se os governos não conseguem segurar as aglomerações espontâneas, não deveriam impedir as aglomerações no comércio. É um raciocínio fantástico! É o mesmo que dizer: como não é possível vacinar todos, que não se vacine ninguém. 

Argumenta ele que, apesar do isolamento, os índices de mortalidade dos países europeus foram altos. Ora, analise a curva de mortalidade e verá uma queda gradativa do índice de mortalidade em todos os países desde o início da doença – quando os hospitais ficaram lotados. Só agora voltam a lotar com a segunda onda. O que levou à queda da primeira onda? Um trabalho rigoroso de isolamento, como o aplicado pela Itália.

Para confirmar a síndrome de escorpião, Magnolli precisa investir contra quem pensa diferente, as  “hordas de “influenciadores digitais” fantasiados de santos, lamentam terem sido ignorados e retomam o antigo discurso”.

É o mesmo Magnolli, que em pleno macarthismo, usou um espaço na Folha para tratar como “quadrilha” repórteres do próprio jornal que ousaram criticar o discurso no Supremo do senador Demóstenes Torres contra as cotas raciais, cujo ghost writer era o próprio Magnolli.

23 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Frederico Firmo

- 2021-01-06 00:02:22

O golpe teve a capacidade de trazer tudo de ruim para a luz do dia. Magnolli com se parentesco com Drácula também saiu de onde estava mas vai se fragmentando pouco a pouco. De analista internacional , autor de livretos do tipo, estou a venda estou na vitrine,deve ter falado sobre as cotas já pensando em Kamel, aquele que não acredita que haja racismo no Brasil A vitrine funcionou e ele passou a comentarista, O seu ego não permitiu que se mantivesse em low profile e agora já devidamente ambientado pretende sempre ironizar ou fazer julgamentos sobre as sumidades que o ladeiam naquele programa. sem pauta. Não deve durar muito, e provavelmente irá novamente para a sombra de Willina Waacck. Vai ser mais um dos surfistas neste mar de lama, vai tomar uma vaca.

Dermeval Santos Lopes Junior

- 2021-01-05 15:18:45

ERRATA.Onde se lê "lhe juraram de morte",LEIA-SE Que o jurou de morte. Estamos conversado.

Dermeval Santos Lopes Junior

- 2021-01-05 08:44:21

Respeito veladamente as decisões da Editoria do Blog,vamos combinar.Agora quando se é proibido de fazer uma piada de médio salão aqui no Blog,a situação fica complicada. Zé Simão diz o Brasil é o País da piada pronta,ademais o Messias que nos governa,todo santo dia,faz piada de altíssimo calão contra nós outros,e nunca apareceu nenhum valentão ou valentona para peita-lo,e soprar no ouvido dele:Essa não,você passou dos limites. De uma coisa meu dileto e querido Luís Nassif,tenha a mais absoluta certeza,se derem início a campanha para angariar fundos para você enfrentar o Judiciário Corrupto que lhe juraram de morte,eu abrirei a campanha de alma lavada.Agora,censura eu não admitia nem de Papai.Até breve.

democraciaemvertigem

- 2021-01-03 22:08:57

https://translate.google.com/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://michael-hudson.com/2020/08/how-an-act-of-god-pandemic-is-destroying-the-west/&prev=search&pto=aue Não vou tentar defender aqui o sr. Magnoli. Mas não julgo para não ser julgado. Nassif, compreendo, não tem suco de laranja nas veias e face a atmosfera de ressaca natalina de nossa intelectualidade escreveu resposta completa mais uma vez. No artigo acima, talvez tenhamos uma resposta completa. E não vem da modernidade. No artigo da FSP que acabei de ler, o sr. Magnoli não entende a razao do sucesso asiatico no combate ao Coronavirus e especula. Não é errado especular, admitindo que não pode saber tudo como sociólogo, geógrafo, jornalista(?) e historiador que é. É polímata mas não sabe diferenciar um vírus de uma bactéria. O Levítico 25, ensina o agricultor hebreu a respeitar a terra. Há um sábado anual. E de 40 em 40 anos um jubileu geral sem produção. O economista Hudson elogia sem precisar especular nada, que os asiaticos compreendem que a economia parou. No ocidente, não. Os aluguéis, os contratos, as parcelas e não a 1a onda ou 2a isoladamente precisam ser encaradas. Vida ou morte. Mesmo o PT. Mesmo o PSOL. Mesmo o anarquista bakuninista de Bagé entenderam que o princípio bíblico precisa ser estudado e nestes tempos modernos aceito, não por temor ao sagrado somente, mas para não desordenar a scociedade. Vale lembrar que um dos motivos (pouco estudados) do declinio do Império Romano foi a peste antonina Enfim... me perdoem por dar um desconto no neocon. É que sempre que posso, ainda que discorde, leio ele.

Paulo Dantas

- 2021-01-03 15:03:17

Legal o desprezo que ele tem pelos colegas que ousam discordar dele na GloboNews.

Marcelo

- 2021-01-03 11:11:49

Todos da Globo sabem que isolamento social só deve ocorrer em praias e festas e está liberado em ônibus lotados, trens e metrôs.

Daniel

- 2021-01-03 09:49:14

Ambos estão errados. E mais errado está o GOVERNO FEDERAL e os GovernDores que foram coniventes desde o início. O que deveria se fazer? Controles em entrepostos, testagem em massa, centralização dos resultados e isolamento dos infectados, apps, etc. Nada disso foi feito. Não se copiou, após 9 meses, o que os paises com sucesso realizaram. Somos o pais que mais tempo manteve escolas fechadas no mundo. Isso é bizarro. Enquanto isso fica nesse papo sem vergonha de fique em casa. O cacete, ninguém tem essa obrigação, o Governo é que deveria e deve fazer a parte dele, e se não o faz deve ser cobrado incessantemente por isso, não é a população que deve ser cobrada. É ridículo, o camarotti cobrando as pessoas e o magnoli as defendendo. E o essencial, que é a cobrança do Governo ?? Quem faz ? O pior é que a oposição, a midia, as pessoas ditas esclarecidas entram nesse jogo. É bizarro. Pelo visto ta todo mundo louco.

Bruno Cabral

- 2021-01-03 04:46:08

Esqueceu de dizer que parcela da população não adere ao isolamento porque vê ricos como Neymar e poderosos como Bolsonaro boicotando as medidas de proteção. "Se eles podem eu posso" é o pensamento

John Done

- 2021-01-03 02:56:51

Demétrio "Magnólia" entende alguma coisa de sociologia ? É um pseudo sociólogo querendo dar pitaco em epidemiologia, quando não em educação e saúde sanitária por escrever livros didáticos.

Anderson Zanetti

- 2021-01-03 01:45:17

O Magnolli é cínico mesmo, como diz alguém aqui no chat, e falou um monte de besteira sobre cotas. Fora isso, ele também paga de social-democrata quando, na verdade, a maioria de seus argumentos salvaguarda-se (de forma camuflada) em teses neoliberais autoritárias. Porém, não entendo que ele escreveu contra o isolamento nesse último texto da Folha. Parece-me que ele tenta contestar a ideia de isolamento como verdade absoluta, algo "ditado " pelo positivismo dos epidemiologistas. É razoável o texto dele, e por isso nem eu nem o Nassif precisaríamos requentar seu histórico elitista para refutar suas ideias. O que é razoável é razoável. Acho que em um lampejo de cientista das humanidades o cara tentou mostrar a miopia dos papagaios da imprensa que reproduzem sem parar o que dizem os epidemiologistas.

Anderson Zanetti

- 2021-01-03 01:43:59

O Magnolli é cínico mesmo, como diz alguém aqui no chat, e falou um monte de besteira sobre cotas. Fora isso, ele também paga de social-democrata quando, na verdade, a maioria de seus argumentos salvaguarda-se (de forma camuflada) em teses neoliberais autoritárias. Porém, não entendo que ele escreveu contra o isolamento nesse último texto da Folha. Parece-me que ele tenta contestar a ideia de isolamento como verdade absoluta, algo "ditado " pelo positivismo dos epidemiologistas. É razoável o texto dele, e por isso nem eu nem o Nassif precisaríamos requentar seu histórico elitista para refutar suas ideias. O que é razoável é razoável. Acho que em um lampejo de cientista das humanidades o cara tentou mostrar a miopia dos papagaios da imprensa que reproduzem sem parar o que dizem os epidemiologistas.

ALBERTINO LIMA RIBEIRO

- 2021-01-03 00:48:44

Esse Magnolli é a representação da estupidez com verniz de intelectualidade.

Eduardo Oliveira

- 2021-01-02 23:38:49

Magnoli, assim como Pondé, é exemplo de desonestidade intelectual. Vergonhoso alguém se prestar a esse papel. Cuidemos do caráter de nossos jovens para que eles n se tornem Magnolis quando adultos.

Fernando Vieira

- 2021-01-02 21:39:13

GloboNews está variando para o lado bolsonarista. O primeiro foi o ex admirado Fernando Gabeiranaro, agora aparece o Demétrio Magnolinaro. Isso parece tática do consórcio midiático que atua pelo interesse do dinheiro. Para eles gente não tem valor, só dinheiro tem valor!!!

Lucinei

- 2021-01-02 21:17:38

Magnolli é pau-pau pedra-pedra" Que mané pau e pedra, nada... A "lógica" desse pessoal é simploria, disfarçada ou não: a "esquerrrda" falou uma coisa, eles precisam correr pra achar ou mprovisar um solgan contra. Ponto. A bússola é rudimentar, se uns são contra, eles sao a favor; se são a favor, eles são contra, ponto. Poucos entendem como isso faz sentido pra classe media e pro povão. Para quem nãou entende coisa nenhuma de como funcionam os sistemas sociais, qualquer orientação é melhor do que nenhuma, a redução da complexidade é um alivio.

Alvaro Tadeu Silva

- 2021-01-02 20:54:06

Suponho que o Nassif o tenha conhecido no movimento estudantil da USP dos anos 70. Magnolli era um idiota, só falava besteiras, ninguém o respeitava. Eu o conhecia de vista das assembleias estudantis. Eu era calouro, mas sabia que ele só dizia besteiras. Agora, Magnolli é apenas um oportunista que usa o diploma da USP para se dar bem. Ah, posava de trotsquista, mas não deve ter lido nem ele, nem Marx nem Lenin. Tristeza do Jeca!

ROGERIO D. MAESTRI

- 2021-01-02 19:33:53

A análise de Magnoli carece de qualquer base científica, para se testar uma hipótese baseada em dados empíricos necessita o estabelecimento de comparações com bases de dados homogêneos e separação de variáveis, explico melhor, para comparar os efeitos de uma sistemática entre dois ou mais pontos é necessário primeiro ter grupos homogêneos em que somente uma das variáveis consiga ser separada, por exemplo se tivermos dois países com dimensões semelhantes com características populacionais comparáveis e para o caso da epidemia diferentes sistemas de isolamento social é possível comparar um com o outro. Caso tomarmos os países nórdicos Noruega, Finlândia e Suécia temos quatro países com populações análogas em termos raciais e culturais, clima e economia semelhantes e políticas de isolamento social completamente diversa, poderemos compará-los por exemplo por mortos por milhares de habitantes. Colocando em comparação esses quatro países son o ponto de vista de taxa de mortalidade por milhares de habitantes temos respectivamente 80; 101 e 339. Pelos números fica claro que a taxa de mortos na Suécia é três vezes maior do que os países com as mesmas características sendo a única diferença as condições impostas para o distanciamento social, sendo na Suécia extremamente mais frouxo que nos dois outros países, logo conclui-se que esse funciona.

Ivan Pedro

- 2021-01-02 19:30:45

No caso de Magnoli, o mau caratismo é proporcional à feiúra dele.

Gustavo

- 2021-01-02 19:28:34

Ele não pode se dizer geógrafo, pois esse é um termo de quem tem graduação em Geografia, mas ele não tem. Aliás, em 2010, mais ou menos, fiz uma série de postagens no Twitter falando sobre ele e abordei essa questão. Na época, ele havia aparecido no Jornal da Cultura e, bem na sequência à polêmica da entrevista do Bolsonaro ao CQC, quando argumentou que Preta Gil era uma perigo à sociedade, pois estaba deliberadamente atacando o direito à livre expressão. Lembram da polêmica? Ele, à época, havia afirmado que filho seu não namoraria uma negra, pois tinha tido boa educação, algo assim. Cereja do bolo: quando apontei que era questão de jogar fora os livros que tenho dele, li dele próprio que, uma vez que eu já tinha pago, não faria diferença pra ele.

Roberto Zwetsch

- 2021-01-02 18:24:22

Nassif, bela resposta ao Magnoli, um dos mais cínicos jornalistas que conheço, fora os argumentos que você traz. Este tipo de jornalismo merecia ser banido da TV, mas anda em alta, lamentavelmente. Artigo pra valer é o que escreveu J. L. Fiori, nesses dias; "Sob os escombros". Abraço. Roberto Z.

Dermeval Santos Lopes Junior

- 2021-01-02 14:53:44

Luis adentrou o ano com a corda toda. Agora foi Demétrio Magnoli,o cara de cavalo,ao dizer que o CC é esperto mas não é sabido.O cara licuri pernambucano,peitou ele na tora. Magnoli é um fascista e reacionário das antigas,como bem disse Nassif,adepto da fábula do Escorpião.Por esperteza coloca o pé na canoa de Jair,por sabido a outra numa canoa qualquer( Dorea,Huck,Mandetta,etc.). Uma tarefa um tanto complicada.Se uma das canoas passar a frente da outra,ele corre sério risco de romper as pregas do caneco.

Arivaldo Caldas

- 2021-01-02 14:15:33

Pq não mencionar a China que, através de um Lockdown rigoroso, conseguiu controlar o corona? E, segundo relatos de brasileiros que lá vivem, com adesão maciça da população, devido sobretudo a uma visão de mundo que priorisa o coletivo e à liderança exercida pelo presidente do país?

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2021-01-02 13:55:26

O cara é geógrafo, escreve livros de história militar e dá opiniões na #RedeGlobo como se fosse especialista em doenças infectocontagiosas e saúde pública. "O homem que falava javanês 2.0", com direito uma carranca digna de figurante de filme de terror dos anos 1950.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador