Pesquisa revela dado inédito sobre aborto: maioria acha que tomou decisão certa

Do The Guardian

Maioria das mulheres não se arrepende de ter feito um aborto, mostra estudo

A esmagadora maioria das mulheres que fazem aborto não se arrepende da decisão de se submeter ao procedimento, de acordo com um novo estudo publicado na revista acadêmica Social Science & Medicine, no domingo.

Os pesquisadores ouviram 667 mulheres em 21 estados nos EUA várias vezes durante um período de cinco anos, acompanhando as emoções de cada mulher em torno de sua decisão de fazer um aborto. Cerca de 95% delas indicaram acreditar que fazer um aborto foi a decisão certa, ao longo do estudo.

O estudo perguntou aos participantes se eles tinham alguma emoção de tristeza, culpa, alívio, arrependimento, raiva ou felicidade por causa de sua decisão. O alívio foi a emoção mais comum ao longo dos cinco anos do estudo.

“Durante anos houve uma crença promulgada ou uma alegação de que realmente precisamos proteger as mulheres do dano emocional que muitas delas sofrerão ao fazer um aborto”, disse Corinne Rocca, principal autora do estudo e professora, da Universidade da Califórnia, em San Francisco. “Nunca houve evidência para dizer que isso era realmente verdade.”

Rocca observou que a alegação de que passar por um aborto é uma decisão tributária foi usada por defensores anti-aborto para justificar a restrição de acesso ao procedimento.

Vários estados exigem aconselhamento obrigatório sobre o aborto e períodos de espera que incluam informações sobre a resposta emocional negativa ao aborto. Há uma pressão constante de grupos anti-aborto e políticos socialmente conservadores para aprovar duras leis sobre o aborto nos EUA – buscando, eventualmente, derrubar a decisão histórica Roe vs Wade, que legalizava o aborto.

Leia também:  Em Londres, tese de pesquisadora brasileira é considerada a melhor de 2019

O novo estudo observa que emoções misturadas, por exemplo, culpa misturada com alívio, são comuns para as mulheres logo após o aborto, mas “tanto as emoções positivas quanto as negativas declinaram nos primeiros dois anos e se estabilizaram depois, e a decisão acertada permaneceu alta e constante ”.

Os autores do estudo escrevem que pesquisas futuras devem se concentrar em fatores específicos que fazem com que as mulheres experimentem emoções negativas ou se arrependam do aborto. Os autores também observam que, embora desnecessário de acordo com as descobertas do estudo, o aconselhamento ao aborto, se oferecido, deve se concentrar em ajudar a lidar com o estigma de ter um aborto.

A nova pesquisa segue outro estudo, também liderado por Rocca, publicado na revista acadêmica PLOS One em 2015, que pesquisou 667 mulheres em um período de três anos e obteve resultados semelhantes: 95% das mulheres disseram que fazer um aborto era adequado para elas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome