Procuradora do DF derruba lógica do domínio do fato e pede absolvição de Lula e Dilma

'A utilização distorcida da responsabilização penal sem os elementos do tipo objetivo e subjetivo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo'.

Jornal GGN – A procuradora Marcia Brandão Zollinger, do Ministério Público Federal de Brasilia, pediu a absolvição de Lula, Dilma, Palocci e Mantega no inquérito batizado de “quadrilhão do PT”. Segundo ela, ‘a utilização distorcida da responsabilização penal sem os elementos do tipo objetivo e subjetivo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo’.

Aqui, a reportagem do Estadão:

Procuradora pede absolvição de Lula, Dilma, Palocci, Guido e Vaccari no ‘Quadrilhão do PT’

Marcia Brandão Zollinger, do Ministério Público Federal em Brasília, afirma que ‘a utilização distorcida da responsabilização penal sem os elementos do tipo objetivo e subjetivo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo’

A procuradora da República no Distrito Federal Marcia Brandão Zollinger se manifestou pela absolvição sumária dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e dos ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega na ação penal movida contra petistas por suposta organização criminosa em esquemas na Petrobrás, no BNDES e em outros setores da administração pública, que ficou conhecida como ‘Quadrilhão do PT‘.

Documento

‘NOCIVO À DEMOCRACIA’   PDF

acusação é de 2017, e foi oferecida ao Supremo Tribunal Federal pelo então procurador-geral Rodrigo Janot. Quando enviada pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte, ao Distrito Federal, a peça chegou a ser endossada pela Procuradoria, e recebida pelo juiz federal Vallisney de Oliveira, que abriu ação penal.

Leia também:  Senadores querem acelerar processo para autorizar prisão em segunda instância

A nova denúncia atribui aos petistas o recebimento de R$ 1,48 bilhão em propinas. Janot também apresentou à época acusações contra o ‘quadrilhão’ do MDB, que inclui o ex-presidente Michel Temer, e o do PP. O então PGR afirmou que entre 2002 e 2016, os denunciados ‘integraram e estruturaram uma organização criminosa com atuação durante o período em que Lula e Dilma Rousseff sucessivamente titularizaram a Presidência da República, para cometimento de uma miríade de delitos’.

Para Dilma, Lula, Palocci, Vaccari e Guido, o caso foi desmembrado à 10ª Vara Criminal Federal de Brasília. A mesma acusação sobre Gleisi e Paulo Bernardo foi mantida no Supremo. Edinho Silva, também acusado, responde pela ação no Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Para a procuradora, ‘percebe-se, portanto, que não há o pretendido domínio por parte dos denunciados, especialmente pelos ex-Presidentes da República, a respeito dos atos criminosos, que obviamente merecem apuração e responsabilização e são objetos de investigações e ações penais autônomas, cometidos no interior das Diretorias da Petrobras e de outras empresas públicas’.

“Há, de fato, narrativas de práticas criminosas que estão sendo apuradas em processos autônomos, mas do conjunto das narrativas não se pode extrair, com segurança, que haveria uma estrutura organizacional estável integrada por Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Vana Rousseff, Antonio Palocci Filho, Guido Mantega e João Vaccari Neto, tampouco que a união desses atores políticos tivesse o propósito de cometimento de infrações penais visando um projeto político de poder”, escreve.

Segundo Márcia Brandão Zollinger, é ‘incontestável é a situação da necessidade da responsabilização penal no caso da prática de uma infração penal no âmbito das relações políticas’.

“Porém, a utilização distorcida da responsabilização penal, como no caso dos autos de imputação de organização criminosa sem os elementos do tipo objetivo e subjetivo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo. Assim sendo, não pode o Ministério Público insistir em uma acusação cujos elementos constitutivos do tipo penal não estão presentes”, concluiu.

Leia também:  Clipping do dia

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Absurdo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo’. Qual democracia! A democracia da pilantragem e putaria politica. Lamento.

    4
    14
  2. Absurdo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo’. Qual democracia! A democracia da pilantragem e putaria politica. Lamento.

    1
    13
  3. é tão bom ver esses dois alegres e sorrindo…………………vou guardar a foto



    porque uma parte do meu veículo é para guardar resquícios mágicos de um Brasil possível, igual para todos

    15
  4. Com a entrada em vigor da nova lei de abuso de autoridade, a impressão é que a esperta procuradora Márcia Brandão Zollinger (MPF-DF) resolveu agora tirar o seu da reta, uma vez que, antes da nova lei, a denúncia criminosa de Rodrigo Janot havia sido endossada pela procuradoria. Resta saber se o juiz Vallisney de Oliveira (ou o seu substituto) vai agora botar o dele na reta e condenar Lula e Dilma por conta própria, para, em seguida, tomar ele mesmo, o juiz, um processo penal nas costas e pagar cadeia.

    Viva Requião.

    18
    1
  5. Assim, já moribundos, recebemos o alento de uma leve brisa. Ou será o bafejo da fera dizendo: levanta pra apanhar mais.

    12
    1
  6. Esse “quadrilhão do PT” foi mais uma criação do MPF com assinatura de Janot para jogar lenha na fogueira do golpe e colocar o PT em situação cada vez mais dificil pertante a opinião publica. De grão em grão foram alimentando o antipetismo até chegarmos ao odio visceral que certas pessoas têm do PT, sem explicação logica.
    Essa procuradora fez um trabalho correto ao demonstrar que não ha sustentação legal para o processo e se mostrar acima das ideologias que têm arruinados o MP e a PF e o sistema Judiciario.

    21
  7. Corretíssima a posição da Procuradora oficiante:
    ‘A utilização distorcida da responsabilização penal sem os elementos do tipo objetivo e subjetivo, provoca efeitos nocivos à democracia, dentre elas a grave crise de credibilidade e de legitimação do poder político como um todo’.

    Moro e sua turma (“cosca”)esqueceram disso e inventaram novo tipo de responsabilidade penal

    17
  8. Meu respeito e admiração à procuradora. Cumprindo com rigor a sua função, dignifica o MPF, tão prejudicado por colegas seus que colocam suas preferências políticas e ideológicas acima da verdade factual. O Brasil agradece.

    12

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome