Proteste encontra irregularidades em suplementos para atletas

A Proteste Associação de Consumidores testou 20 suplementos proteicos para atletas do tipo Whey Protein e constatou que apenas seis produtos trazem os valores corretos de proteína e carboidrato em seus rótulos. Cinco deles têm menos proteínas, treze mais carboidrato e um menos carboidrato do que os indicados nas embalagens.

As maiores variações foram encontradas no Four Whey Protein – (Suplemente – Alimentação Avançada), que contém 844% a mais de carboidrato e 34% a menos de proteína. O Triple Matrix Whey NO (Body Action) tem 320% a mais de carboidrato e 43% a menos de proteína, e o Extreme Whey Protein (Solaris Sports Nutrition) tem 288% a mais de carboidrato e 30% a menos de proteína.

A legislação permite uma variação de 20% para mais ou para menos nas quantidades dos nutrientes declarados no rótulo. Ainda assim, os 14 produtos reprovados estão fora dos parâmetros legais.

O suplemento 100% Whey Gold Standard (Optimun Nutrition) se saiu bem na análise laboratorial, mas não traz em seu rótulo a frase: “Este produto não substitui uma alimentação equilibrada e seu consumo deve ser orientado por nutricionista ou médico”, o que contrataria a determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A ausência da frase também foi encontrada nas embalagens das marcas Elite/Whey Protein Isolate (Dymatize Nutrition), Four Whey Protein (Suplemente – Alimentação Avançada), Isofort/Whey Protein Isolate (Vitafor) e 100% Whey Xtreme (X-Pharma).

As cinco marcas bem avaliadas foram: Top Whey 3W (Max Titanium), 100% Pure Whey (Probiótica), Isofusion (Gaspari Nutrition), Whey Protein Isolate (Now Sports) e 100% Whey Fuel (Twinlab).

Foram analisados os rótulos dos suplementos para checar se constavam as informações obrigatórias por lei em alimentos para atletas. E no laboratório, os teores de proteína e carboidrato, comparados com os valores indicados nas embalagens dos produtos.

Leia também:  Soberania alimentar: desmonte de políticas públicas impacta na mesa dos brasileiros

Embora não traga riscos à saúde, as alterações na composição nutricional podem fazer com que o atleta não alcance o resultado esperado, principalmente se sua dieta estiver calculada em função dos valores nutricionais fornecidos no rótulo.

Por isso, a PROTESTE enviou os resultados do teste à Anvisa e às Vigilâncias Sanitárias do Rio de Janeiro e São Paulo, pedindo a retirada dos produtos irregulares do mercado. E também enviou ofício aos Procons das duas cidades, pedindo a abertura de procedimento administrativo para adequação das rotulagens.

Veja aqui a relação dos suplementos avalidos e suas avaliações: http://www.proteste.org.br/alimentacao/nc/noticia/suplementos-proteicos-irregulares

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Suplementos alimentares

    Desde 2013 um cidadão chamado Felix Bonfim se propós a fazer por conta própria análises de suplementos alimentares nacionais, e teve resultados absurdos.

    O mesmo mantem um canal no youtube e lá tem uma série chamada “O lado negro da suplementação” onde expõe os laudos, e claro, vem enfrentando alguns problemas com isso. 

    O mercado de suplementos no Brasil é uma vergonha, lembrando que proteinas são utilizadas não só por atletas, mas por milhares de pessoas com problemas de saúde, como diabéticos por exemplo.

    Vale a pena ir mais a fundo no assunto.

     

    Abraços

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome