SERRA E URIBE: IRMÃOS DE CLASSE

SERRA: UM URIBE PIORADO

A dramática diferença entre José Serra e Álvaro Uribe está no poder destrutivo que o tucano teria em mãos caso chegasse à Presidência da República da maior economia da América Latina. Emparedado por governos progressistas, como os da Venezuela e Equador, com um PIB importante mas cerca de 1/5 do brasileiro e sem rivalizar com a liderança de Lula na região, Álvaro Uribe teve que se contentar em representar o Departamento de Estado norte-americano na fronteira com a Venezuela, adotando um belicismo permanente na tentativa de provocar Chávez e isolar seu governo. Limitou-se a isso a bisonha expressão regional do uribismo colombiano. Se chegasse à presidência do Brasil, o uribismo tucano teria efeitos mais graves. Com o peso da economia brasileira nas mãos, Serra manejaria um poder de fogo que seu inspirador jamais sonhou. Os sinais emitidos nestas eleições dão uma pálida idéia da ameaça que um Alvaro Uribe nativo representaria para os governos e agendas progressistas da América Latina, a saber: a) Serra quer reverter a entrada da Venezuela no MERCOSUL para destruir Chávez; b) Serra acusa Cuba de desrespeitar os direitos humanos para enfraquecer o socialismo cubano, mas silencia diante de Guantánamo e do asfixiante embargo comercial dos EUA contra a ilha; c) Serra acusa Morales de cúmplice do narcotráfico dispensando tratamento humilhante ao líder boliviano, o mesmo tratamento racista adotado pela oligarquia branca de Santa Cruz de la Sierra que não esconde planos golpistas contra o governo ; d) Serra ameaça anular acordos do governo Lula com Lugo, sob alegação de que o Brasil faz ‘filantropia’ ao pagar um preço mais justo pela eletricidade de Itaipu pertencente ao povo paraguaio; e) Serra quer desconstruir o MERCOSUL –e por tabela o governo progressista de Cristina Kirchner na Argentina– sob alegação de que o Brasil precisa de liberdade para firmar acordos comerciais mais favoráveis ‘aos negócios’. Fatos: o comércio Brasil-Argentina dobrou em cinco anos e apesar da crise mundial atingiu US$ 24 bilhões em 2009 (US$ 31 bi em 2008).

(Carta Maior; 29

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome