E o Brasil, merece ser estuprado?, por Izaías Almada

E o Brasil, merece ser estuprado?

por Izaías Almada

Começo por prestar minha solidariedade e meu carinho à deputada Maria do Rosário, ainda que com algum atraso. Não importa, seu agressor continua solto. Pior: candidato a presidente do país.

Por outro lado, tamanho é o arsenal de artifícios e de técnicas manipuladoras da opinião pública brasileira, usado pelo neoliberalismo e seus defensores radicais, que muitos dos jornalistas de hoje, incluindo liberais e variados esquerdistas já não sabem como avaliar determinadas notícias ou fatos políticos:

Manuela visita general Vilas Boas. Por qual razão, perguntaram muitos. E não deveria visitar? Ainda há uma parte da esquerda que tem traumas quando se cogita em dialogar com militares, um erro que tem custado caro a ela e ao país.

Paraná pesquisas indica que Alckmin herda mais votos de Lula do que Haddad em SP. Onde? Quando? Como? A última pesquisa indica que Alckmin em São Paulo perde para Bolsonaro, o que – convenhamos – não é de se admirar em se tratando de São Paulo.

Lula quer botar o povo na cadeia (?!).

Lula só será solto se eu (Ciro Gomes) for eleito… Oportunismo dos mais canhestros.

As incríveis manobras do “petismo jurídico”. E outras mais recentes…

E por aí afora, sobretudo agora com o aproximar das eleições.

De repente, o homem e o partido que tiraram milhões da miséria são transformados em vilões, os maus da história. Como se já não bastasse toda a farsa do Mensalão, definitivamente já bem explicada pela Operação Lava a Jato, onde o lado mais ingênuo do país descobre que, de combate a corrupção, essa teatral operação teve e ainda tem pouco eficácia. Perguntem ao Tacla Duran.

O alvo era prender Lula e tentar aniquilar o PT.

Queiramos ou não, o Brasil finalmente descobriu a luta de classes para valer. Um pouco tarde historicamente é verdade, pois isso não é novidade há séculos. E descobriu no momento em que o sistema econômico vigente, onde o capital improdutivo é o que mais distribui lucros, tal qual fazem os vampiros das histórias de terror, chupa o nosso sangue com maior volúpia e prazer.

Já não é segredo para ninguém que a selvagem exploração do trabalho pelo capital, o monopólio da informação e a corrupção praticada em larga escala e em todos os níveis público/privados são três dos mais fortes pilares de manutenção de um sistema econômico viciado e já com inegáveis demonstrações de fadiga de material.

A manipulação da opinião pública de que falo acima na abertura do artigo, mesmo que descarada, é tão ardilosa e inteligente que levou a esquerda brasileira ou boa parte dela pelo menos a uma desunião que poderá sacramentar entre nós a manutenção do infortúnio neoliberal para os próximos vinte anos como, aliás, indicou o próprio governo golpista dos bandidos que assaltaram o poder em 2016.

A solução é levar Lula novamente à presidência da república, custe o que custar. Só o fato de existir um candidato como Bolsonaro mostra quanto o Brasil adoeceu. Já pensaram num debate televisivo entre Ciro Gomes e Bolsonaro, por exemplo? O país não merece isso. Ou merece? Talvez muitos de nós não tenhamos percebido tal merecimento. Será o estupro da nação inevitável?

Estava eu a escrever o artigo quando sou surpreendido com a decisão do PT (seria de Lula também?) em detonar a candidatura de Marília Arraes em Pernambuco configurando-se, infelizmente, a minha tese: a esquerda, em meio a tanta manipulação e cascas de bananas jogadas em seu caminho, pode estar se perdendo de vez, ajudando a aumentar o número de votos nulos e brancos.

Há que lutar contra o monopólio mediático, sim, contra a má formação política de milhares de militantes dos partidos considerados de esquerda, contra a alienação de boa parte da classe média, contra a fúria entreguista do patrimônio nacional, contra o discurso “vira lata”, contra a violência policial e, sobretudo, contra a indiferença e o silêncio das Forças Armadas, tão ciosas na repressão à esquerda, quando necessário, e tão inoperante diante da ascensão do fascismo brasileiro. Tarefa hercúlea, mas necessária.

Já quase não é possível se pensar e mesmo conseguir qualquer tipo de contestação ao ‘status quo’. E gostaria, com sinceridade, de estar enganado quanto a isso. Ser desmentido pela realidade. O Brasil, às vésperas das eleições presidenciais, está como cego em tiroteio.

Um país sem governo e prestes a não eleger alguém que valha a pena, pois a cada dia que passa, a confusão vai aumentando, o descrédito de eleitor aumentando e a ilusão dos votos nulos e brancos crescendo, repito. Opção, aliás, que poderá até eleger um destemperado como o senhor Jair Bolsonaro.

Já tantas vezes estuprado, o Brasil não merece tal desgraça outra vez.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. PARA ESQUERDA FASCISTA ALÇADA EM 1930 PARECE QUE SIM

    Já viu ou esteve em pancadões nas periferias das cidades? Em especial na Grande São Paulo? Não adianta ligar para a Policia. Ela não irá atender. Não existe qualquer desculpa oficial. às vezes nem atenderão ao telefonema. As Elites Políticas Esquerdopatas dizem que é a diversão da periferia. Que é o povo se manifestando. Existe o impedimento político sobre intervir  em  tais agrupamentos. Até as pedras sabem disto. Comandados por Facções Criminosas, que geralmente se vêem próximas à Políticos Esquerdopatas, existe Tráfico de Drogas, Consumo de àlcool entre Menores, prostituição, violência, assaltos, uso da armas de fogo,…’e estupros.’  E a Polícia nada fará, porque é instruída a nada fazer. E não venham com um milhão de desculpas. É só ir aos Pancadões ou conhecer a periferia. Então, caro Articulista, o caminho do inferno realmente é calçado…. E o calçamento foi obra desta Elite Esquerdopata que sim, acredita que o Brasil deva ser estuprado desde 1930. Ditador Asssassino de Quartéis Militares, em bocas tão farsantes, até virou “Pai dos Pobres”. Eleições Obrigatórios são um dos golpismos fascistas mantidos até hoje por sua irmã siamesa, a Esquerdopatia Tupiniquim. .        

    • O problema é que quem

      O problema é que quem financia os esquerdopatas são a boa e véia elite liberal-plutocrática. O barbudo do século XIX e o Celso Furtado não tem nada a ver com essa hemorragia bostáltica

      Educação publica de qualidade, saude publica de qualidade, direitos humanos independente de raça, sexo, ou classe social, direitos trabalhistas, penitenciarias fora do controle do crime organizado, separação de pequenos criminosos de perigosos criminosos na penitenciaria, não à pablovitarização da sociedade, é a pauta que une esquerda e direita.

      As ongs internacioanais, a midia, e a academia sequestrada redesenharam a agenda do debate publico para impedir que 90% da população se unisse em torno do que têm em comum e desse um chega pra lá democratico e pacífico nessa elite.

    • Aqui não passa

      Muito de seus ataques infantis e de ma fé em direção da “esquerdopatia” me faz rir, mas essa afirmação disperacada, que é na realidade uso politico de que faccções criminosas são proximas de politicos de esquerda é o maior engodo que inventam tipos como Bolsonaro ou João Doria para ganhar votos de incautos. Toda pessoa medianamente bem informada sabe que, em SP por exemplo, essas faccções são proximas do PSDB e gira em seu entorno. Pergunte ao Alexandre de Moraes.  

      • FANATISMO IDEOLÓGICO

        PT E PSDB são Irmãs Siamesas geradas dentro da mesma Faculdade de Filosofia da USP. Metade dos Terroristas Marxistas dos anos de 1960 migraram para PT, outra metade para PSDB. Sindicalistas, Professores Universitários, Ativistas, Integrantes da UNE. Ou seja a Elite Intelectual, Política  de Esquerda que formou este corpo. Infantil é não ter argumento ou argumentar fantasiosamente. Aloisio Nunes foi Guerrilheiro Marxista, como Mirian Leitão Serra dividia a UNE com Dirceu e Zulaiê Cobra Ribeiro… Agora não são mais Esquerda?! Cada argumento tosco !!!!     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome