“Campanha ‘o petróleo é nosso’ nunca foi tão necessária como agora”

Entrevista para o Brasil Debate

Em entrevista para o Brasil Debate, José Maria Rangel, presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), filiada à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e representante de mais de 150 mil trabalhadores de empresas do setor petrolífero no Brasil, chama a atenção para a importância estratégica da Petrobras para o País. 

Segundo Rangel, além do que a Petrobras significa em termos de geração de empregos, desenvolvimento da indústria naval, de equipamentos, de divisas e recursos para setores como saúde e educação, há o fato de, no mundo, por mais que se busque formas de energia limpa, ainda “quem tem reservas de petróleo tem poder”.

O sindicalista trata dos efeitos de uma possível privatização da Petrobras e se mostra preocupado com o que pode acontecer com a empresa se algum dos dois candidatos de oposição mais bem posicionados nas pesquisas vencer a eleição para a Presidência. Ele lembra que de 1990 a 2002, época dos governos Collor de Mello, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, a Petrobras  “estava sendo preparada para ser entregue, como foi a Vale, e os investimentos eram tímidos, as condições de trabalho precárias”.

“Em 2002, o lucro da Petrobras foi de R$ 8,1 bilhões, em 2013 R$ 23,5 bilhões. O valor de mercado era em 2002 de R$ 54 bilhões e hoje é de R$ 289 bilhões. As reservas provadas em 2002 eram 11 bilhões de barris, hoje com o pré-sal são 22 bilhões de barris. Isso é fruto de investimento, presença forte do governo e valorização da empresa e dos empregados”, afirma.

Leia a entrevista concedida a Ana Luíza Matos de Oliveira:

Brasil Debate – Qual é a importância estratégica de uma empresa como a Petrobras continuar sendo uma estatal? Uma campanha do tipo “o petróleo é nosso” ainda faz sentido nos dias de hoje?

José Maria Rangel – Por mais que o mundo todo busque formas de energia limpa, o petróleo ainda será por muito tempo a principal matriz energética do mundo e, neste cenário, quem tem reservas tem poder. Além do mais, em um governo com sensibilidade social, os recursos oriundos do petróleo são utilizados para a melhoria de vida de seu povo. Mas, após a criação da Petrobras, uma campanha do tipo “O petróleo é nosso” nunca foi tão necessária como agora.

Leia também:  O caso René Dotti e o contrato milionário com a Petrobras

Na sua opinião, em que mudaria a atuação da Petrobras se a mesma passasse para a iniciativa privada?

A Petrobras é uma das poucas empresas de petróleo do mundo com um plano de investimento de cerca de U$ 240 bilhões. Estamos falando de geração de empregos, desenvolvimento da nossa indústria naval e de equipamentos, divisas para o País, recursos para saúde e educação e por aí vai. Dá para imaginar que uma empresa privada atue desta forma?

Como você avalia a evolução da Petrobras em termos de infraestrutura, investimento e condições de trabalho nos anos 1990 e 2000?

De 90 a 2002 a nossa empresa estava sendo preparada para ser entregue, como foi a Vale, e os investimentos eram tímidos, condições de trabalho precárias. Basta ver que em 2001 tivemos um dos maiores acidentes da indústria de petróleo mundial que foi o afundamento da P-36, que ceifou a vida de 11 trabalhadores. Tivemos ainda vazamentos no Rio Paranaguá e Baía de Guanabara. Era um tempo de sucateamento. Só para termos uma ideia, em 2002 (FHC) a Petrobras investiu R$ 18,8 bilhões. Em 2013, foram investidos R$ 104 bilhões. Em 2002, o lucro da Petrobras foi de R$ 8,1 bilhões, em 2013 R$ 23,5 bilhões. O valor de mercado era em 2002 de R$ 54 bilhões e hoje é de R$ 289 bilhões. As reservas provadas em 2002 eram 11 bilhões de barris, hoje com o pré-sal são 22 bilhões de barris. Isso é fruto de investimento, presença forte do governo e valorização da empresa e dos empregados.

Por parte dos trabalhadores da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que você representa, quais são as principais reivindicações hoje?

Direito à vida! Infelizmente, este é um tema em que os passos que estão sendo dados ainda são tímidos. Temos em média uma fatalidade por mês, adoecimentos e mutilações. Mas estamos trabalhando duro para reverter este quadro.

Sobre as perspectivas da Petrobras, fala-se de uma possível falência da mesma. Essa perspectiva, na sua opinião, tem embasamento real?

Leia também:  Alan Arthou: Valorizar a Engenharia para fazer renascer a indústria nacional

Quem fala isso não conhece a história da Petrobras e o quanto ela tem de importância para o atual governo. Vou dar um exemplo: Durante a grande crise de 2008, quando ninguém tinha dinheiro para emprestar e quem tinha cobrava juros estratosféricos, o governo Lula, através dos bancos públicos (BB, CEF e BNDES) criou uma linha de crédito especial para financiar a Petrobras e não paralisar a empresa e seus projetos. Dá para acreditar que com Lula e Dilma a Petrobras vá quebrar?

A FUP tem algum posicionamento oficial sobre a compra da Refinaria de Pasadena? Foi realmente um mau negócio?

Toda a avaliação sobre a compra de Pasadena deve ser feita com um olhar no momento da compra, pois olhar hoje penso eu não ser correto. Já fui do Conselho de Administração da Petrobras (2013) e se tivesse que opinar na época seria contra por princípio, pois defendo investimentos no nosso País. Quanto às suspeitas de superfaturamento, defendemos a apuração rigorosa dos órgãos competentes e se alguém cometeu algum erro por má-fé que pague.

Na sua opinião, a Petrobras está preparada para enfrentar riscos e acidentes ambientais que poderiam decorrer da extração do pré-sal? Você considera que essa extração seja segura?

Os riscos de acidentes ambientais e com trabalhadores são temas que sempre tiram o nosso sono, fazemos uma luta diária para que as operações em todos os níveis sejam seguras para os empregados e o meio ambiente. O fato concreto é que a Petrobras já produz com pré-sal em 8 anos (550 mil barris) o que no Golfo do México se produziu em 19 anos.

Muito se pressionou para que parte dos royalties do pré-sal fosse revertida para o financiamento de gastos sociais no País, como saúde e educação. Na sua visão, como mais esse recurso pode auxiliar na melhoria dos índices sociais do País?

Essa é a nossa aposta e vamos lutar o quanto for preciso para isso. Bons exemplos já existem como o da Noruega (que possui o melhor IDH do mundo), em que recursos do petróleo são revertidos para a população, inclusive tendo um fundo soberano que vai financiar o social das gerações que estão por vir, visto que o petróleo é finito.

As propostas dos candidatos à presidência Marina Silva (PSB), Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) para a Petrobras são muito diversas? Como as mesmas podem afetar a empresa?

Leia também:  Os agentes do FBI que ajudaram a Lava Jato contra Petrobras e Odebrecht

Os programas de Marina e Aécio são idênticos, defendem um Estado mínimo e neste cenário uma Petrobras que seja apenas um escritório. O PSDB nós já vimos o que fez com a Petrobras: sucateou para entregar, para passar uma imagem para a população de ineficiência. A Marina despreza o pré-sal, chegando a afirmar que iria tirar o Brasil da era do petróleo, uma riqueza que vai servir para melhorar a vida da nossa população. Com os nomes que a estão assessorando, não tenho dúvidas de que também vai sucatear a empresa. A Petrobras e o pré-sal hoje representam cerca de 13% do nosso PIB. Só nos próximos 30 anos, com os campos licitados, serão mais de R$ 2 trilhões em royalties e recursos do fundo social.

Traduza isso em benefícios para a população.

Só para termos uma ideia, com este recurso poderiam ser compradas 160 milhões de ambulâncias do SAMU, construir 258 milhões de casas populares e criar 41 milhões de postos de saúde.

E a nossa indústria naval, como anda?

Em 2003, a indústria naval contava com apenas 2 estaleiros e empregava 7.465 trabalhadores. Em pouco mais de dez anos, o Brasil ganhou oito novos estaleiros e emprega cerca de 80.000 trabalhadores diretos e cerca de 320.000 empregos indiretos, tendo 700 empresas de navipeças. A Petrobrás e o pré-sal são responsáveis por 90% das encomendas da indústria naval brasileira.

Para finalizar, por que a Petrobras é sempre alvo de disputas nas eleições?

Sendo a maior empresa do País, aquela que gera riquezas, desenvolvimento, conhecimento e soberania, os adversários do governo sempre tentam colocar em xeque a gestão pública da Petrobras com denúncias de todos os tipos. O que querem é paralisar a Petrobras e entregar a empresa para o capital internacional. A Petrobras é o Brasil que dá certo e isso incomoda os entreguistas de sempre.

– See more at: http://brasildebate.com.br/uma-campanha-o-petroleo-e-nosso-nunca-foi-tao-necessaria-como-agora/#sthash.r9THIW7W.dpuf

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

23 comentários

  1. Privatizando a Petrobras, vai

    Privatizando a Petrobras, vai acontecer o de sempre, uns 3 ou 4 novos milionários, para exibirem suas ferraris por aí, o povo se ferrando como sempre( será bem feito, já que querem mudança) nada de novo neste Brasil.

  2. O petróleo é nosso!

    “A Petrobras é o Brasil que dá certo!” Vamos proteger nossa riqueza e o futuro dos nossos filhos! Eu apoio Lula/Dilma.

    #apetrobrasenossa

    #opetroleoenosso

  3. Um perigo!

    Infelizmente a grande maioria do povo brasileiro não tem noção das verdadeiras intenções dos dois candidatos apoiados pela mídia e Oposição! 

  4. Papo de entreguista como

    Papo de entreguista como cortina de fumaça, para vender a PETROBRAS precisa aprovação do Congresso, nenhum governo propos isso ao Congresso mesmo porque nunca seria aprovado. No clima politico de hoje não haveria compradores, o risco é muito alto.

    O papo nacionista serve para muita coisa, hpje o papo importante é a boa governança.

    • Você é inteligente Aráujo,

      Você é inteligente Aráujo, até ao ponto de saber que o que disse é de uma asneira sem limites.

      FHC quebrou o monopólio estatal do petróleo, doou a Vale, doou a CSN, doou nosso Parque Petroqúímico, por pouco não mudou o nome da estatal para Petrobrax (lembra), isso tudo sem nenhuma consulta prévia ao Congresso e muito menos ao povo… lembro de que levei uma porradas de cassetete no lombo durante uma greve nossa que lutava exatamente contra a quebra do monopólio, ou vai dizer também que FHC nos recebeu no Planalto pra discutir essa questão?

      E outra, Marina nesse quesito, entrega desmedida e desvergonhada das riquezas nacionais, é muito pior que ele,  pois é dissimulada, se vale do cinismo como arma de campanha, uma hiena maléfica posando de santinha, de coitadinha.

      Se depender de nós, petroleiros, ela não passará e eles não passarão!!!

      • As privatizações realizadas

        As privatizações realizadas foram todas aprovadas pelo Congresso através da Lei que criou o PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO, no Governo Itamar, a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa foram EXPRESSAMENTE  excluidos desse Plano. Nunca se cogitou de privatizar a Petrobras.

        Tampouco ocorreram DOAÇÕES, as estatais foram muito bem vendidas, A PREÇOS ALTISSIMOS, participei de quatro leilões de eletricas, todas hoje VALEM MUITO MENOS que os preços pagos pelos investidores, a mairoia vale menos de UM DECIMO do preço pago naquela época.

        A VALE é um caso à parte, porque ELA É CONTROLADA PELO GOVERNO FEDERAL através do BNDES e fundos de pensão, que controlam a LITEL, que é a hilding que controla a Vale.

        Alem disso o governo tem “golden shares” que lhe garantem o controle absoluto da Vale.

        O Murilo Ferreira, presidente da Vale FOI INDICADO PELO GOVERNO FEDERAL.

        Mesmo assim a Vale perdeu muito de seu valor, hoje o valor de mercado é UM TERÇO do que era em 2003.

        • Como mentir sem ficar vermelho: … pela Internet

          Ora, dizer que o governo federal controla alguma coisa através de fundos de pensão é de uma cara de pau pinocchiana.

          Fundos de pensão são instituições acessórias das próprias empresas para prover aposentadorias aos seus funcionários.

          A menos de ligações políticas (que foram muito usadas por FHC contra as próprias empresas), não há interferência formal do governo federal nestes fundos.

          Quanto à Vale, só o valor dos estoques, sem falar dos graneleiros inteligentes (projetados e feitos no Brasil), das estradas de ferro e seus trens, terras, prédios, metais preiosos e estratégicos, know-how, etc.já chegaríamos na casa das centenas de bilhões, SÓ PELA PARTE DO GOVERNO. Fora a receita e o lucro que o governo deixou de ganhar nestes 16 anos, pelo AUMENTO DOS VOLUMES e MULTIPLICAÇÂO DOS PREÇOS no mundo, que dá outros múltiplos do preço INFAME que a Vale foi vendida, em meio a guerra de liminares e processos que correm até hoje.

          Quanto a Petrobrás, é também pinocchiana a afirmação grotesca de que nunca se cogitou vendê-la. Não venderam porque NÃO DEU TEMPO. Mas se voltarem, acabam o serviço, claramente iniciado com a quebra de monopólio, a oferta de ações, a venda e diminuição parcial de ações do governo, a campanha de depreciação, a colocação de executivos que defendem a venda (ora executivos são pagos para melhorar a empresa e não para empacotá-la para venda), a terceirização, o desmembramento (comendo pelas beiradas) e até um gasto multimilionário para uma esdrúxula (se não soubéssemos as razões) mudança de nome “Petrobrax”.

          Brincadeira tamanho cinismo, sr.colonista!]

          Assim vai nascer até samambaia no nariz!

      • Meu caro
        Não tenho comentado

        Meu caro

        Não tenho comentado mais no blog. Mas me vi tentado a te responder. Trabalhei na Vale por muitos anos e vou te falar…. Foi a melhor coisa do mundo FHC ter entregado a Vale como diz voce. Se tivesse sido doada, já estaria de ótimo tamanho. Depois de privatizada a empresa cresceu, emprega quatro vezes mais que antes e é lucrativa. Só para sua informação… Quando a Vale era pública, era obrigada a vender minério para os guseiros que não pagavam a empresa (amigos do governo). Hoje só se receber antecipado. Mas isto é fichinha dos desmandos do governo nas empresas ditas públicas e que servem aos interresses de poucos.

         

        SDS

        • Trabalhou na Vale? E não sabe que ela SEMPRE foi lucrativa?

          Era funcionário fantasma?

          Ou assessor de privatarização?

          Ora, amigo, a Vale sempre foi blue-chip na Bolsa. Ela cresceu eminentemente porque o preço e o mercado cresceram. O preço multiplicou e a China entrou na “parada” comprando para valer!

          E foi vendoada exatamente no momento dessa inflexão … não é “curioso”? O Brasil perdeu, além do patrimônio e (tangível e intangível) toda essa farra de ganhos para bolsos privados como os do Bradesco (…par) ou da “grande e meritocrática” viúva do Amador Aguiar, némêz? E vc gosta!

          Quanto a problemas de gestão, existem em qualquer empresa pública ou privada(ex: Siemens, Enron, GM, Lehman Brothers, HSBC, MCI-Sprint Worldcom, Arthur Andersen, GE, Banco Nacional… quer mais ou tá bom?

          O que vc se refere como se fosse o “maior desastre brasileiro” é (1) um preço político de tostões (que existe em todo mundo), frente aos muitos bilhões que foram roubados em uma só “maozada”, só com o valor de estoques e patrimônio que não foram considerados na vendoação.

          É como lamentar perder 10 milhões em pequenos trambiques de 40 anos e defender  perda de 100 bilhões em uma só assinatura (sob liminar judicial) e depois deixar de ganhar (lucrar) uma média de 5 a 10 bilhões por ano. Coisa pouca…

          O que importa é que “ferramos com aqueles guzeiros safados”, némêz?

          Acho muito inteligentes as pessoas que acham que por ex. é melhor a empresa da sua família de 50 que dá lucro x a todos, ser doada (como vc defende) para dar 10x de lucro apenas para o bolso do novo comprador (donatário).

          Muuuito “inteligente”, vc não acha?

          Ou nem consegue achar?

           

          PS: Eu também trabalhei NA e PARA a Vale.

          • Se fosse pública estaria nas

            Se fosse pública estaria nas mãos do Lobao e Sarney.

             

            Aliás o governo é atualmente o maior acionista da empresa e recebe uma enormidade em impostos.

          • Responder com inferências e inverdades não “vale”

            Sua primeira frase é uma inferência tola (e pouco relevante, ainda que fosse verdadeira).

            A segunda é uma bobagem, já que (de novo): 

            1) O governo (União) tem uma participação residual de 12 golden shares, com direito a vetos específicos (só). Há outros ~5% ordinários (controle), através do BNDESpar. ~55% da Valepar, liderada pelo Bradespar, ~30% de estrangeiros em bolsas e ~10% distribuidos. Portanto, a União (nós, vc incluso) deixou de controlar diretamente e receber sua gorda parte dos resultados.

            2) Vc ouve mas não escuta: os impostos hoje recebidos são basicamente os mesmos auferidos como estatal (e só foram pagos no ano passado, desde a privatização).

            3) Se vc chama os impostos de “enormidade”, deve poder imaginar o quanto de mais “enormidadeS” receberia de LUCROS, que agora vão para bolsos privados.

            Não vou ficar repetindo as mesmas informações para vc se fazer de surdo. Vá se informar e depois poderemos debater.

  5. Os inimigos da Petrobrás

    O jornalão o globo, acompanhado de todo o pig sempre foi inimigo da Petrobrás, sempre  será. É orgulho do brasileiro, então não serve. E o pig vai sempre tentar destruir a Petrobrás. Desde que ela nasceu lá no governo Getúlio Vargas ela tem sida atacada pelos robert fields da vida. Deve haver milhares de editoriais do globo atacando a Petrobrás, questionando sua própria existencia. é só pesquisar. Chama a atenção hoje mesmo o prazer do pig em forjar escândalos como o atual, passando em cima do fato de que o governo Lula/Dilma multiplicou por dez o lucro, quintuplicou o valor da empresa, dupllicou as reservas e acelera para ser uma exportadora de expressão. Uma empresa altamente vitoriosa é chamda de fracasso pelo pig. Só o pig bandido, e a omissão da justiça nester país, é capaz de tanta vilania. 

    A Petrobrás é feita do esforço e competencia dos seus funcionários, do apoio do povo e, principalmente, da resistência aos seus inimigos do pig, o globo à frente. 

  6. Os problemas da PETROBRAS não

    Os problemas da PETROBRAS não tem nada a ver com “petroleo é nosso”, essa FUP é uma central corporativista de esquerda, nunca deu contribuição a qualquer debate sério, há graves problemas de gestão na Petrobras, esse é o problema que querem colocar debaixo do tapete.

    • Olha sou representante de

      Olha sou representante de equipamentos de Monitoramento de Frotas,fazendo contato com distribuidoras de Gas,me deparei com alguns diretores que ,me informaram que já estava sendo implantado ,software de criação da Petrobras,que alem do gerenciamento que eu estava propondo incluia um controle total das operações,e foram enfaticos “dona Graça Foster,está revolucionando,estamos reduzindo em muito desperdicios e prejuizos”

  7. boa entrewvista.
    é nessas

    boa entrewvista.

    é nessas horas que a gente vê como rolam os interesses e a quem beneficiam.

    mas esse  processo de demonização

    da petrobrás para entregá-la

    aos interesses financeiros internacionais

     advém do tempo do getúlio,

    da época da criação da  própria criação….

    é a luta dos interesses nacionais

    contra os interesses do capitalismo internacional.

    a direita como sempre diz que isso cheira a mofo.

    claro,  quer manter e ampliar

    seus privilégio em detrimento d pobreza da maioria.

    não há neutralidade.

    cada um luta por eus interesses.

    é d históri da humanidade, é a dialética.

    o resto é hiprocrisia, ilusão, simulacro, enganação,

    mentiras.

     

  8. Sindicalista…sei…
    Sempre a mesma palhaçada. Obvio que sindicalista defende estatização até pra banca de venda de jogo do bicho, porque somente em estatais, viceja de forma farta a turminha dos beneficios que transformam estatais em aquarios fabulosos longe do mar revolto da economia.

    Eu sei porque fui empregado de estatais.

    A turminha corre pra gritar sobre o malvado governo fhc que privatizou a csn mas não diz de onde sairia o investimento que o ente privado fez para manter a empresa competitiva e saudável. Também faz questão de não explicar, porque a explicação não interessa, que no caso da vale vendeu-se parte da união mas o estado manteve boa parte da empresa em suas mãos através do bndes que é acionista e fundos de pensão estatais igualmente acionistas e o governo possui a clausula da golden share que interfere na admnistração da empresa e até hoje, nem lula nem dilma fizeram uso dela.

    Ai vem outro e fala que o governo privatizou sem consultar congresso e povo. Ora, se a privatização fazia parte do plano de governo e o candidato de então ganhou a eleição, qual a surpresa? e tem outra, haviam leis aprovadas no congresso para a privatização e no caso das telecomunicações foi aprovado o marco legal de então, para somente então o setor ser privatizado. Isso é questão de história e de fatos, mas a turminha apela somente para os gostos e fábulas ideológicas.

    Quanto a petrobrás, a turminha se esquece porque é do interesse esquecer, que a empresa tem ações negociadas em bolsas no estrangeiro captando dinheiro la fora. Qualquer brasileiro através de seu fgts pode ser acionista da empresa. Ela embora seja estatal, tem 39,63% das ações ordinárias (que dão direito a voto) e 73,13% das ações preferenciais (que não dão direito a voto) nas mãos de outros. O resto está nas mãos da união e do bndes. Não precisa acreditar em mim, basta acessar http://www.econoinfo.com.br/governanca/estrutura-acionaria?ce=PETR.

    É claro, uma espécie muito diferenciada de privatização ocorre na petrobrás como a compra por milhões de refinárias e a cobrança de propinas de fornecedores que encarecem obras e projetos beneficiando politicos, partidos e algumas pessoas físicas aqui e acolá; mas obviamente o patriótico sindicalista nada tem a falar, porque isso não afeta as ações nas mãos do governo, nem diminui os beneficios de funcionários, mas afeta o valor dos investimentos de milhares de brasileiros e outros, mas ai…e dai não é mesmo? O negócio é lembrar de que um malvadão a cerca de 16 anos atras sugeriu trocar o nome e o logo da empresa…

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome