Com pacote fiscal, há chance de Dilma voltar ao jogo

O governo finalmente apresentou uma proposta de ajuste. Levará alguns dias para se analisar todos seus desdobramentos. Serão encontrados furos, opções melhores, saídas mais adequadas.

Mas, nas condições em que foi montado, o pacote tem méritos.

Rompe com a inércia e trata a crise como tem que ser tratada, com medidas pontuais, sem enveredar por quebras de direitos assegurados na Constituição de 1988 ou por medidas que possam se tornar permanentes, como a elevação de tributos.

Corta na carne e busca apoio no Congresso para que as emendas parlamentares atendam às políticas prioritárias na saúde e educação.

Retira subsídios de outros tempos, selecionando os setores beneficiados pela desvalorização cambial. E propõe um imposto provisório, com prazo de duração definido em lei.

O pacote tem custos mas poderá significar uma pausa nessa guerra interminável que paralisa a economia. Empresários, base aliada, movimentos sociais e parlamentares de boa vontade terão desde agora uma pauta para discussão.

Como se trata de um braço de guerra em torno de expectativas, haverá uma guerra de argumentos visando desqualifica-lo. E a desqualificação consistirá em comparar as circunstâncias do pacote com aquele que poderia ter sido montado em condições ideais de visibilidade e temperatura.

Dirão que Dilma deixou de consultar Lula, movimentos sociais, presidentes da Câmara e Senado. Dirão que o país não suporta mais aumento de carga. Apontarão injustiças nos cortes, compararão setores que perdem com setores que serão poupados.

Antes mesmo de conhecer o pacote, as duas figuras públicas mais polêmicas da República – Eduardo Cunha e Gilmar Mendes – trataram de desqualifica-lo. E os políticos que incorporaram a cara do novo PSDB – Carlos Sampaio, Aécio Neves e outros – anunciaram que queimarão as pontes do pacote fiscal.

Leia também:  ASSISTA: A loucura do desmonte social, por Luis Nassif

É possível que estejam dando um tiro no pé.

O PMDB de Michel Temer e Renan Calheiros não pretende pular fora do barco de Dilma. Precisa apenas de um sinal de vida – que foi dado pelo pacote. O meio empresarial está exausto de pagar a conta dessa guerra política interminável.

Se a reforma ministerial foi relativamente bem-sucedida, é possível que finalmente se tenha um pouco de paz para desenhar o futuro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

79 comentários

  1. Tomara Nassif!

    Precisamos de um pouco de paz para a caminhada, anda muito complicada a convivência social. 

    Tomara que estejamos no caminho certo com este pacote fiscal, para voltar a crescer e sair dessa situação e com a esperança nos corações em dia, pois, a intolerância social nunca esteve em um grau tão elevado. E precisamos virar a página. 

    Resta-nos saber se há ainda um mínimo bom-senso nessa parcela radicalizada ao extremo e sem controle da oposição e na velha mídia. 

    As pessoas não se relacionam mais se defendem um lado diferente: situação e oposição.  

    • O mínimo bom senso….

      Essa é a questão, Alexandre! Onde impera o espírito de guerra e ódio, não há possibilidade alguma de bom senso, infelizmente.  Não vivemos em uma sociedade democrática, civilizada, onde se busca a construção de um país melhor, mais justo, onde a cidadania, tão trôpega, seja aperfeiçoada, amadurecida.

      Estamos em uma guerra civil declarada, onde só não há batalhas físicas, mortes, porque todo o resto está aí. A oposição, apoiada pelo rebanho social formado pela mídia e por ela mesma, já não se contenta apenas em “ser oposição democrática”, como é do jogo político, essa fase acabou, e não tem volta, salvo por uma ordem direta dos grupos midiáticos, o que não virá.

      Existem fronteiras mentais, emocionais e de comportamento, que quando são ultrapassadas, tornam-se quase que caminhos sem volta, e no Brasil nossa elite e parte da classe média juntamente com mídia e oposição já ultrapassaram esse limite, eles não toleram mais a presença do PT em seu meio, pior, governando o país, a gente sente no ar, a mistura de ódio, nojo, agressividade, preconceitos, fanatismo, deixou de ser política há tempos, a política é apenas o meio existente para o campo de batalhas.

      Já não se trata mais de qualquer análise de qualquer ideia que o governo tenha, isso acabou faz tempo. Se vem do governo, deve ser destruído por ter vindo do governo, esse é o sentimento, o povo não conta, o país não conta.  Por puro instinto de sobrevivência, empresários e mídia recuam um pouco na sanha golpista, mas até neles isso é como um movimento esquizofrênico, do não-querer querendo, é como se Dilma representasse em si o mal, a incompetência, o vazio de poder.   E poucos percebem que os erros de Dilma têm a ver também, com esse massacre, esse emparedamento sem tréguas, que FHC, por exemplo, não teria suportado, mas lhe foi dada uma trégua para um mínimo de governabilidade, mesmo quando todos sabiam que já não havia governo algum ali, nos últimos anos de seu governo.

      Abraço!!!!

      • Abraço, Edu!

        E todo este ódio Edu fabricado pelos meios de comunicação hegemônicos de uma maneira ilógica.

        O PIB do País aumentou 5 vezes com o PT no Governo Federal, os ricos nunca ganharam tanto dinheiro com a ampliação  gigantesca do mercado consumidor, de contas bancárias e com os mais revoltados com o PT, a classe média tradicional. trabalhando todos esses anos em empregos seguros e tendo a renda aumentada, na média, em 40% em 12 anos. 

        Imagina uma classe social aumentar sua renda em 40% em 12 anos e ser contrária, ter ódio ao Governo que lhe propicia essa condição?

        Os meios de comunicação são uma máquina de fabricar loucos e “midiotas”, infelizmente. 

        A Burguesia vai sentir saudades do PT um dia, se ele sair do Poder. Nunca fomos tão capitalistas no Brasil como nos governos Lula e Dilma.

        Abraços,

        Edu.

  2. Nassif..
    Do ponto de vista
    Nassif..

    Do ponto de vista político, o principal mérito do pacote é ocupar a pauta que estava centrada na tentativa do golpe. O governo se fez protagonista pela primeira vez em muito tempo. Além disso, é evidente que há uns bodes na sala.. Ele sabe que algumas propostas vão cair, mas ocupam o debate.

    Do ponto de vista econômico joga pra zerar o deficit. Sabe que superavit é coisa pra pensar em 2017.

    Agora, se Dilma tivesse timing político, esperava alguns dias, implantava o cronograma de recursos pra emendas conjuntamente com a Câmara – a casa mais perigosa – e implementava logo a reforma ministerial.

    Três pautas em três semanas podem esvaziar um pouco o furor golpista.

    Dois detalhes; a inflação do segundo semestre já voltou à média dos outros anos. E a subida do desemprego está em ritmo menor. Dois fatores de alto impacto psicológico e material na população de baixa e média rendas.

  3. A pior alternativa é não ter

    A pior alternativa é não ter alternativa. Um governo se habilita a morrer mais pelo imobilismo que pela tomada de medidas mesmo que questionáveis e, como é o caso, de viés antipático pela criação/aumento de impostos e cortes orçamentários.

    O problema é que esse é só o primeiro e mais  “fácil” passo no processo. O teste mesmo provirá de duas instâncias : Congresso Nacional e ruas. A questão é quem terá mais força de pressão junto ao primeiro: o governo, o estamento empresarial que certamente ansiava por alguma iniciativa do governo ou uma opinião pública atiçada por uma parte da mídia.

    De qualquer forma uma coisa já é certa: não será nada fácil a caminhada até a consecução dos objetivos do governo. 

    • É caro JB, se continuasse sem

      É caro JB, se continuasse sem fazer nada iria cair de maduro. Eu acho que essa questão das ruas deve se dar do seguinte modo.

      A oposição golpista vai insisitir no impeachment e juntamente com o Cunha montará o cronograma, daí agendam uma nova manifestação no domingo com transmissão direta pela Globo. O outro lado, CUT, MST, MTST e etc vai colocar a pauta dos trabalhadores tentando empurrar a brasa do ajuste para a sardinha dos ricos. O quanto fechará no repúdio ao golpe como na do dia 20 é uma incognita.

      O quanto cada um botará na rua, se a esquerda vai virar o joog, ou pelo menos empatar, também não sei. Mas ela não está morta não, nem um pouco. E será uma sinalização de que se os golpistas derrubarem a Dilma, o novo governo não terá nem um minuto de sossego, pois é de se imaginar que apertariam mais ainda o cinto da “peãozada”. Aí a coisa é imprevisível, descamba para a violência.

      Talvez por isso o empresariado pode, sabendo não contar com as Força Armadas para garantir a estabilidade, forçar que o Congresso com o apoio do pig, tente chegar a um mínimo de concesso através do pacote que garante a trégua.

      Temer, Renan, Lula, Alkmin estão dispostos a isso. Vai depender do timing político da Dilma, como disse o Weden. O pacote, mal ou bem, está aí, ótimo. Agora falta a política. Que a presidenta convença-se disso de uma vez e não volta para seu casulo 

  4. Extinção abono de permanência

    Um tiro no pé no funcionamento do serviço público é a extinção do “abono de permanência”.

    Os servidores antigos, ao se aposentarem, têm direito à integralidade e paridade na aposentadoria. Para tanto, contribuiram por sua vida funcional – ou desde quando a contribuição existe – com 11% sobre a remuneração bruta.

    Há poucos anos, para incentivá-los a permanecerem em atividade, criaram o abono, isto é, cumpridos os requisitos para se aposentar, mas mantendo-se em atividade, recebe um abono correspondente à contribuição previdenciária.

    Ao se aposentar, volta a pagar a contribuição previdenciária (criada sob polêmica  há anos, mas mantida).

    Assim, tinha um servidor com larga experiência que continuava em atividade por 11% da remuneração. Com a extinção, terá mais um inativo com 100% da remuneração. E os ativos perdem alguém com experiência, alguém que fará falta, alguém que terá que ser substituído por outro da ativa, isto é, algum trabalho deixará de ser feito também, já que os ingressos também estão suspensos.

    Se for um auditor-fiscal da Receita Federal, meu caso, se o colega que se aposenta faz trabalhos internos, como decisões, análises etc., será deslocado um colega que hoje está na externa efetuando fiscalizações. Um a menos fiscalizando. Menos risco para o sonegador.

    Se for um analista-tributário, uma de suas atividades é o atendimento ao público. Vai reduzir a quantidade de disponíveis para tal atendimento, aumentar a insatisfação do cidadão, aumentar o stress dos demais servidores que continuam no atendimento. Stress significa problemas de saúde, que podem resultar em licenças médicas ou,no extremo, até em aposentadorias por invalidez.

    E assim o problema se replicará em outras atividades da Receita Federal, bem como nos demais órgãos do serviço público.

    • Colega, foi o tempo em que

      Colega, foi o tempo em que funcionalismo era base do PT.

      Defender serviço público aqui no blog agora é pedir para ser achincalhado pelos militantes, pelos comissionados e pela pelegada em geral. É ser chamado de marajá. Eles acham que a Classe C será eternamente grata e os manterá para sempre do poder, por isso podem tratar os servidores a pontapés.

      O projeto de Dilma de sucateamento do serviço público é claríssimo, há categorias com perdas salariais de 30 a 40% desde o último acordo firmado sob o governo Lula (esse sim respeitava os servidores).

      Agora mais essa, quase 1/3 do “ajuste” recairá sobre os salários de servidores.

      Enquanto isso, Dilma sancionou aumento de 15% ao MP e Juízes, que já estão ganhando desde janeiro o salário novo. Logicamente, ficaram fora do corte. E ganham 30 mil mais os “auxílios”.

      Foi o tempo que esse partido era dos Trabalhadores.

      Agora governa para o andar de cima e distribui migalhas para o de baixo.

      • é verdade…

        É verdade meu caro.

        Mas pense pelo lado bom.

        Se vc não estiver satisfeito, é só pedir para sair, e abrir negócio próprio.

      • é verdade…

        É verdade meu caro.

        Mas pense pelo lado bom.

        Se vc não estiver satisfeito, é só pedir para sair, e abrir negócio próprio.

        • Olha só, é exatamente o que

          Olha só, é exatamente o que dizem os tucanos..!

          Que coincidencia, né?

          Aí você vai fazer um B.O. na Civil de SP, espera quatro horas pra falar com um escrivão mal humorado e não consegue nem registrar o documento.

          Bacana o modelo que vocês petistas estão implementando desde o início do governo Dilma.

    • Marcondes trata-se claramente

      Marcondes trata-se claramente de uma medida para desmonte do Estado, a mesma dos governos do PSDB e que os governos do PT, em especial o segundo governo Dilma, continuam. Sem o abono não há incentivos para permanecer nos serviço público e portanto uma grande parte pedirá aposentadoria – grande parte das atividades do serviço público são estafantes e rotineiras, raros são os serviços como o dos professores que muitas vezes preferem permanecer até a expulsória  – como os concursos estão adiados, o resultado será menos servidores públicos. Deste modo aumenta a carga de trabalho de quem tem que permanecer no serviço público, o que signiica uma diminuição do salário pois se trabalha mais pela mesma coisa em termos nominais e por menos em termos reais. É a politica de destruição dos serviços públicos que o governo do PT esta fazendo da mesma forma que o do PSDB – ambos trabalham para o mesmo senhor ‘o mercado’.

  5. Basicamente o brilhante-ultra

    Basicamente o brilhante-ultra ajuste:

    a- torpedeia os servidores públicos concursados, que gastam dinheiro para serem selecionados em uma prova que mede conhecimento, e com a objetividade mínima para não vincular a coloração partidária;

    b- mantém onde estão os comissionados e suas dúzias de ministérios, que ganham mais, movem a máquina da corrupção e do fisiologismo partidário, e são escolhidos por critérios de pura e simples politicagem;

    c- aumenta impostos;

    d- deixa sossegada a banca nacional e internacional, especializada em ter lucro mesmo em tempos de crise.

    Confesso,  ter votado no Aécio teria sido mais coerente. Miseravelmente não temos uma única instituição de esquerda para pressionar pelo outro lado. Chego a torcer por um panfleto da UNE.

  6. Não sei se está incluido no

    Não sei se está incluido no pacote a cobrança mais eficaz dos devedores poderosos, porque os pobres não tem como correr.

    Como símbolo desse “novo governo”, poderiam cobraro Darf da Globo na justiça.

    Serviria de exemplo pelo momento em que o país passa.

    E mais, sinalizaria que os esforços e sacrificio devem ser de todo o extrato social.

     

  7. O pacote fiscal do governo é

    O pacote fiscal do governo é importante para mostrar que há governo.

    Do ponto de vista dos trabalhadores é catastrófico.

    Mas como Gilmar Mendes como Ministro nomeado não se sabe por quem disse que impostos não poderão ser aprovados, até fica difícil criticar o ajuste fiscal da Dilma.

    O que o pacote pretende é esconder que a  maior parte da arrecadação de impostos é usada para o pagamento dos juros escorchantes do governo com o Bradesco, com o Itaú, com o BB, etc. Por isso, trimestre após trimestre os bancos brasileiros apresentam lucros que são absolutamente incompatíveis com o quadro econômico global.

    No mais o governo assumiu a ortodoxia fiscal. Se esperavam queda de 2% do PIB, isso pode crescer para baixo ainda mais.

    Tudo isso para garantir pagamentos de juros da dívida pública aos bancos.

    Tudo isso para reverter anos de desconcentração de renda, inclusive com expressivas melhorias no índice de Gini do Brasil.

    Para um país que dispõe de reservas internacionais de US$ 370 bilhões de dólares, submeter-se a um pacote fiscal que implicará redução dos salarios (coisa mais ambicionada pelos grupos em disputa pelo poder) por cortes de R$ 70 bilhões que correspondem a uma fração do PIB é uma vergonha absoluta!

    Os perdulários, os detentores de fortunas no exterior, os desgraçados e muito ricos deste país devem estar rindo de montão. 

    Comemorar ajuste fiscal como forma de deter uma crise causada por um Gilmar que ninguém enquadra e que viola todos os dias a lei maior ou por um playboy associado a uma mídia carcomida pela sua própria corrupção, convenhamos, é pacto de país bananeiro!

     

     

     

     

     

  8. ainda bem que quem sempre dá passos pra trás…

    e principalmente logo após qualquer iniciativa de Dilma,

    ainda bem que se afastam cada vez mais dos que dão passos para frente, para o futuro, rumo à uma solução

  9. Exato, joga o centro de

    Exato, joga o centro de tensões ao congresso. Ainda assim, segue a FSP com apelos ao golpe, (guerra civil).

     

    Abs

  10. Um caminho foi escolhido. Se

    Um caminho foi escolhido. Se dará certo, só deus sabe. Agora o que é desanimador é que essa mudança de rumo do governo de 180 graus – há duas semanas manda um orçamento com deficit de 30 bi – só foi desencadeada pelo rebaixmaneto da S & P. Ou seja, o governo teve que ouvir de uma agência do exterior o relato da zona político-econômico criada em boa parte pelo próprio governo para se dar conta de que não poderia continuar assim. 

  11. O que segura Dilma é o fato

    O que segura Dilma é o fato de que ninguém vai querer assumir o governo com a situação economica deste jeito.

    Temer como presidente assumiria o fardo e queimaria o PMDB? O Aécio, hipotéticamente falando, assumiria e queimaria suas chances para entregar a presidencia ao Alkmin nas próximas eleições? Tomariam para si a responsabilidade de acabar com programas sociais?

    O interesse parece ser nitidamente manter esse baixo nível de politica até as eleições do ano que vem, forçando Dilma a tomar as atitudes que eles não gostariam de tomar na presidência. Eles precisam que os programas sociais acabem para poderem ter plataforma. 

    O tiro no pé é que a oposição está criando situação que favorece plataformas de esquerda ao empurrar Dilma para a direita. 

     

  12. Mas será ?

    Nassif, 

    A grande questão é: será que a Dilma não se encarregará, ela mesma, de destruir este outro trunfo por ela mesma criado ? Ela tem demonstrado uma enorme capacidade de destruir as próprias oportunidades. 

  13. Alíquota efetiva
    Ontem abastecendo o carro, onde o governo permite que o preço da gasolina seja definido até os milesimos de real, me fiz uma pergunta de tolo. Qual a alíquota efetiva desta CPMF?

    Como só temos até o centavo, qual seria o arredondamento?

    Se é inteirando para o próximo centavo transações de R$1,00 terão 1 centavo de CPMF, ou seja, 1%. Transações de R$ 6,00 , teriam 2 centavos de CPMF, ou seja alíquota efetiva de 0,33%….

    Com isso, as alíquotas efetivas de 0,2% aconteceriam nas transações de maior valor e o valor arrecadado será superior a 0,2% do volume de transações financeiras (que é maior que a renda dos cidadãos e das empresas, ou seja, se não esqueci de algum fator, é maior que o PIB) .

    Se for inteirado para o menor centavo, transações até R$49,99 estariam isentas. Se for arredondamento matemático, transações de até R$24,99 seriam isentas (aí não iria incidir na entrada do cinema do Levy)

    Ou seja, sendo o valor do imposto inteirado para o maior centavo maos próximo, pobre além de pagar maior alíquota de CPMF, ainda pagaria mais caro pelos produtos, para os quais no processo de produção e distribuição a CPMF incide várias vezes….

    Mas o Levy falou que ninguém ia se importar em pagar CPMF no bilhete do cinema…..

  14. Sempre mais do mesmo, entra

    Sempre mais do mesmo, entra século e sai século: Senhores x escravos, nobreza x plebe, burguesia x proletariado, ladrões x produtores . Nós aqui embaixo pagamos a conta, enquanto eles não fazem o menor esfoço para ajudar a construir um país mais justo e solidário. Muito pelo contrário, só sugam e sugam. Imaginemos a seguinte situação: um pacto federativo amplo, envolvendo os três poderes, no qual o primeiro passo seria cortar, digamos, pela metade os subsídios de todos os agentes políticos: ministros do supremo e demais juízes, congressistas, procuradores e toda a turma do executivo; além de acabar com diversos privilégios, como auxílio moradia, viagem em classe executiva, bolsa paletó e outras aberrações. Poderia não ter lá um grande impacto nas contas. mas teria um enorme e benéfico impacto político, social e ético inédito que poderia inaugurar uma nova era nesse sofrido país.  Mas o que vemos é o teto virando piso; malandros arrotando ares de justos e justiceiros, ganhando seus cinquenta, setenta, cem mil por mês ou maís, além de toda sorte de privilégios infames. Outros dando jeitinho de contratar suas próprias empresas, registradas em nome de laranjas, para prestarem serviços para os mesmos órgãos públicos onde fingem que dão expediente, outros praticando todo tipo de tráfico de influência para favorecer os seus parceiros e receber proprinas milionárias… Vamos acordar. Não tem essa de pt x psdb, executivo x judiciário, brasil x agências de risco internacional. No fim, são apenas abutres aproveitadores contra o povo, que trabalha e carrega esse país nas costas. Precisamos ficar cansados, de saco cheio, permanentemente indignados, especialmente pela situação dos menos afortunados, dos mais pobres, até o ponto de fazermos algo de proporções épicas. Todos nós.

     

      • É um prazer saber que toda

        É um prazer saber que toda vez que eu sacar dinheiro do banco ou comprar um ingresso para o cinema estarei contribuindo para o governo da nossa presidente, admirada por milhões de brasileiros.

  15. Uma boa análise sobre a situação do Brasil

    Nos países desenvolvidos, a medida mais imediata contra a crise de 2008 foram políticas monetárias altamente expansionistas para desvalorizar o câmbio e o custo do investimento. O Ministro Guido Mantega, desde o início acusou essas políticas de serem formas de Beggar thy neighbour, empobrecer seu vizinho ou exportar desemprego. Por ser verdade, ele foi muito criticado pela nossa imprensa por essas revelações incômodas às potências ocidentais.

    http://www.esmaelmorais.com.br/2015/09/artigo-especial-de-roberto-requiao-crise-economica-impasse-e-colapso-da-nova-republica/#comment-313671

  16. Então o que sobrou do Partido

    Então o que sobrou do Partido dos Trabalhadores foi esse governo desgraçado, excomungado e ruinoso de Dilma Roussef? O que sobrou daquele partido, generoso em seus primórdios, foi esse pacote de maldades endereçado unicamente aos trabalhadores, em especial os servidores públicos? Sinceramente, melhor seria que esse partido, que se diz dos trabalhadores, não tivesse sido criado! Melhor seria que esse partido, que traiu desavergonhadamente o seu estatuto, tivesse sido morto em seu nascedouro!

    • não

      não …o que sobrou deste governo foi a ascensão da classe probre do Brasil, reconhecida lá fora e aqui não e o aumento da cegueira coletiva de alguns grupos. Amaior jornada anti corrupção que este país já viu, o inverso do que se praticava com o engavetamento geral dos escândalos e por fim, a conclusão de que se percebe claramente hoje quem lê e ouve apenas Globo e Veja

      • Mais coerência

        Sabe é engraçado, vocês vivem metendo o pau na Operação Lavajato, odeiam o Juiz Sergio Moro, detonam a Policia Federal. Depois enchem o peito pra falar de “maior jornada anti corrupção” como se o mérito disso tudo fosse do Governo? Cadê esse orgulho todo se ao invés de elogiar vocês querem é ver o Mnistro da Justiça longe? A verdade é que se dependesse só do Governo a Lavajato já teria virado fumaça, e era tudo que o PT queria, e também sua militância que tem que rebolar pra buscar argumentação do além pra defender essa turma.

  17. Depois de ter afirmado há

    Depois de ter afirmado há duas semanas que não tinha mais onde cortar … É assim que ela própria esmaga a sua credibilidade. Primeiro tem que mentir e depois volta atrás. Parece que não consegue refletir, avaliar, é tudo na base do amadorismo e do improviso.

  18. Discordo. Esse pacote é

    Discordo. Esse pacote é basicamente jogar a conta no lombo dos servidores públicos. Ao tirar o abono de permanência, vai provocar aposentadorias em massa e piora na qualidade do serviço público. Não vejo mérito nisso.

    • A idéia talvez seja essa

      A idéia talvez seja essa mesma, fazer essa galera se aposentar. Já estão em fim de carreira, ganhando muito e ainda sendo abonados?

      E, convenhamos, como qualquer um que tenha a infelicidade de ter que se dirigir a uma repartição pública bem sabe, a qualidade do serviço público já não é lá essas coisas. Ou seja, é um extra que o Estado paga por nada.

      • “A idéia talvez seja essa

        “A idéia talvez seja essa mesma, fazer essa galera se aposentar”

        Isso!

        Aí a “galera” aposenta e de duas uma: ou o governo contrata mais gente, o que custa dinheiro; ou não contrata ninguém, e o serviço vai se sucateando.

    • Abono de permanencia ?
      Que

      Abono de permanencia ?

      Que coisa mais absurda.

      Isso nunca deveria ter existido.

      Estão cortando é muito tarde.

       

  19. A POLÍTICA NO BRASIL PARECE O

    A POLÍTICA NO BRASIL PARECE O FUTEBOL,UM

    CORINTHIANSXPALMEIRAS,FLA X FLU ,TORCIDAS

    ORGANIZADAS UMAS CONTRAS AS OUTRAS E QUEM

    PERDE É O TORCEDOR DE FAMÍLIA Q QUER ESPETÁCULO

    ESTE BLOG VICIA,E ACABO OPINANDO AQUI,JÁ QUE O ESPAÇO

    É DEMOCRÁTICO,APROVEITO! VAAAALEU!!!!!

     

  20. Reajuste, pacote fiscal

    Nassif: Por que Dilma tem medo de uma reforma tributaria progressiva? O Imposto como todos sabemos é o alicerce da cidadania, é a contraparte que os indivíduos consentem em dar ao Estado. Trata-se de uma adesão ao Contrato Social fundante da organização dos indivíduos em uma coletividade nacional. Se a Dilma faz uma consulta coletiva a maioria sera pelaTaxação sobre as grandes fortunas?A CPMF nao resolve tudo… O mal dos políticos é sempre deixar para amanha o que eles podem fazer hoje! 

    • Quer dizer que o imposto é o

      Quer dizer que o imposto é o fundante da organização social?

      E se não vier os investimentos externos que exigem a contraparte dos impostos para o governo pagar os juros, não haveria o alicerce da cidadania; ou melhor nem precisariamos de pagar imposto.

      A apreensão do valor do crescimento econômico pelo governo fundaria a natureza imediata do progresso. 

  21. Dilma é

    um lame duck!

    O pacotão só aumenta a sua rejeição. Esqueceu de quem a elegeu e preferiu abraçar quem a fustiga.

    O sabor é de ressaca, final de festa, muito próximo dos últimos anos de FHC.

    Já que nem o PT (destroçado pela  470) nem o PSDB (anacefalia total, dos seus líderes(?), não se salva um) esta aberta para 2018 as portas para que um oportunista lastreado pela mídia (como Collor) alçar vôo.

    Pobre pais!

  22. o. Não haveria necessidade de

    o. Não haveria necessidade de “cortar na própria carne” se fizesse o dever de casa. Governo tem a máquina arrecadadora na mão, porém subutilizada, a RFB. Em todos esses anos, o governo não foi capaz de ter uma RFB forte. Com a sonegação anual na casa dos 500bi, prá que cortar na carne??? Bastaria aumentar a eficiência na arrecadação e os 35bi de déficit não existiria. Há que se criar parâmetros e programas de fiscalização eficazes, quem combatessem, de fato, a mesma. O que existe hoje é um sistema em que a mão de obra é subaproveitada. Faz de conta que a RFB arrecada e fiscaliza e faz de conta que acreditamos e que temos carga tributária alta. Transparência zero!

    Outra coisa, todo mundo quer ser bem atendido e quer eficiência da Adm. Pública, mas grita quando se fala em aumento de salário de servidores. Usam, para estes, o mesmo olhar caolho da grande mídia. Só enxerga o lado próprio. Esquecem que do lado de lá, há um ser humano que estudou, prestou concurso, que há anos acumula perdas inflacionárias e que tem que pagar suas contas como todo mundo. E mais, é comum querer sangrar servidores, especialmente aqueles que trabalham na área de atendimento. Não levam em conta que estes vem, ao longo dos anos, acumulando tarefas que deveria ser desenvolvidas por 2 ou 3 e ele faz sozinho.  Isso ocorre com muito mais frequência do que vocês imaginam!!! Fácil condenar olhando apenas para o próprio umbigo. Infelizmente o grande público descarrega nos servidores todo o ódio quem tem contra políticos (misturam alhos com bugalhos). Esquecem que há sim, muita gente boa, competente, dando o seu melhor e se desgastando pra suprir as “faltas” do (des)governo. Não é caso isolado, não!!! Até fácil constatar, não só nos grandes centros, mas nas Agências do interior onde tem 3 ou 4 servidores para atender demanda de população que varia de 5 a 20 ou mais municípios. Enfim, vida boa é a …. SEMPRE!!!!

    • Que coisa mais

      Que coisa mais ridícula.

      Tadinhos dos servidores públicos, ganham tão pouco não é mesmo ?

      Estão todos perigando perder o emprego com a crise não é mesmo ?

      Que coisa.

       

        • Que conversa fiada do século

          Que conversa fiada do século passado hein…

          Todos que trabalham são trabalhadores.

          Os da iniciativa privada que ganham muito menos e não tem estabilidade também não são trabalhadores ?

          Os pequenos empresários que estão muitos ferrados não são trabalhadores ?

          Pelego é quem quer defender quem tem privilégio em detrimento de todo o restante do País.

          • Servidor público é

            Servidor público é “privilegiado”?

            Discurso tá bem afinado com o chamado PIG quando interessa, né?

            Sabe quanto o governo está pagando para os banqueiros esse ano de 2015?

            UM TRILHÃO, TREZENTOS E CINQUENTA E SEIS BILHÕES DE REAIS.

            Sabe quanto o “ajuste” vai tirar de salário dos servidores?

            7 bilhões.

            Adivinhe onde foi que seu governo optou por cortar.

            E quem defende isso, que nome tem?

             

          • Em geral é privilegiado sim,


            Em geral é privilegiado sim, salvo algumas carreiras discriminadas e massacradas, como algumas de professor (frise-se: algumas), além de policial, por exemplo. Agora esses mamadores da receita, do judiciário federal, do mpf, da polícia federal tucana etc.são vergonhosamente privilegiados se comparados com os demais e com o trabalhador da iniciativa privada. São igual a leitão nas tetas da porca, só querem mamar deitados. E em geral são de uma incompetência que beira a patologia.

            Se o governo tivesse coragem e apoio geral do povo, o certo seria cortar dos dois: remuneração dos marajás e juros dos bancos. A constituição não permite? Rasga e faz outra. Comecem reduzindo os subsídios dos sultões do judiciário e do mpf, que vivem advogando em causa própria e encontrando brechas na lei para transformarem o teto no piso.

      • Talvez agora os Auditores e

        Talvez agora os Auditores e analistas da Receita Federal se arrependam da greve branca que fizeram para reduzir a arrecadação do governo neste ano. Não é correto deixar de realizar o trabalho para o qual são pagos porque não receberam o aumento salarial que gostariam.

      • Talvez agora os funcionários
        Talvez agora os funcionários da Receita Federal se arrependam da greve branca que fizeram, no esforço de reduzir a arrecadação deste ano para o governo. Deixar de fazer o trabalho para o qual são pagos não é a forma correta de lutar por aumento salarial.

      • Eu tenho pena é dos

        Eu tenho pena é dos banqueiros para os quais vai, pelo pagamento de juros da dívida, o gasto que iria para o funcionalismo público.

        Tadinhos ganham tão pouco no Brasil, devem estar passando fome.

        Eles merecem essa política de redistribuição de renda do partido ‘dos trabalhadores'(Sic!).

    • É que o Charlie deve

      É que o Charlie deve ser servidor público. Essa casta de gente chorona, egoista e obtusa, com raras e honrosas excessões.O serviço público brasileiro é uma imensa massaroca de coxinhas.

      • É mesmo?
        Repito então a

        É mesmo?

        Repito então a pergunta:

        Sabe quanto o governo está pagando para os banqueiros esse ano de 2015?

        UM TRILHÃO, TREZENTOS E CINQUENTA E SEIS BILHÕES DE REAIS.

        Sabe quanto o “ajuste” vai tirar de salário dos servidores?

        7 bilhões.

        Adivinhe onde foi que seu governo optou por cortar.

        E quem defende isso, que nome tem?

      • Minha sugestão para você se

        Minha sugestão para você se livrar dos ‘coxinhas’ do serviço público: se você for atropelado na rua, se recuse a ser antendido pelos ‘coxinhas’ do SAMU ou atendido por médicos ‘coxinhas’ em uma emergência de hospital público; prefirar morrer no meio da rua sem assistência não faça como o Kim Kataguri do MBL que tem a mesma opinião que você sobre o funcionalismo público (nossa, quanto diferença entre ‘coxinhas’ e governistas fanáticos!). Se você for assaltado não vá até os ‘coxinhas’ da delegacia, fique com seu prejuizo. Quando você se aposentar renuncie sua aposentadoria para não falar com os ‘coxinhas’ do INSS. Ser precisar viajar para fora do Brasil, não tire passaporte tente ir clandestino para não entrar em contato com os ‘coxinhas’ da PF.

         

        • É isso. Pau no servidor,

          É isso. Pau no servidor, dane-se o serviço público, “tem que desmontar tudo mesmo já que não presta” etc.

          Sabe o porquê de ser esse o nível de boa parte dos comentaristas pró-governo?

          Porque, salvo raríssimas e honrosas exceções, quem tem senso crítico e é de esquerda mesmo já debandou desse desgoverno há muito tempo. Não dá pra ficar defendendo indefinidamente esse lixo de governo só por receio dos tucanos voltarem (quando na verdade a própria Dilma implementou medidas típicas de tucano)

          Sobraram, repito, salvo exceções, os militontos fanáticos repetidores de chavões, os comissionados que se pelam de medo de perder a boquinha e os pelegos de sempre. 

        • Qual o problema? A carapuça

          Qual o problema? A carapuça lhe serviu? De fato eu já aplico várias dessas sugestões que você dá. Quanto às outras, tento procurar as honrosas exceções a que eu me referi, na medida do possível. Por fim, moro no Brasil e procuro o serviço público sempre que eu precisar, mesmo quando sou atendido por um idiota pacóvio e irresponsável. E sempre que posso, reclamo e denuncio. Quanto a renunciar a minha aposentadoria, isso não resolveria e nem provaria nada, mas te garanto que já renunciei a muitos privilégios que a tornarão bem modesta, por serem eles um escárnio contra o cidadão que não os tem. Você faz (ou faria) o mesmo?

          • FHC chamava de vagabundo fanáticos do PT chamam de imbecil!

            Privilégio é o carro oficial com gasolina paga; privilégio é apartamento funcional; privilégio é voo no avião da FAB, privilégio é voar no avião de grande empresário, eu não tenho nada disso. Eu não sou favor da distribuição de miséria, do nivelamento por baixo, quando o seu Trabuco que nada em dinheiro vive de converscote com a presidenta no palácio do planalto. Seu discurso é o mesmo de FHC; a farsa do bipartidarismo do ‘extremo centro’ acabou. Tira a máscara e vai comer uma coxinha no bar!

          • O serviço público continua

            O serviço público continua sendo sucateado e ilegalmente terceirizado em todo o país. Desde o governo Collor. O serviço público precisa de profunda revalorização e os chefetes de cargos comissionados deveriam ser proibidos de existir quando em detrimento dos cargos de carreira. Eles, que proliferaram como cogumelos depois de Collor e ainda mandam em tudo, deverão desaparecer das repartições que usam e abusam em favor de seus interesses políticos e de enriquecimento material às custas do serviço que mal prestam. O servidor, este precisa ser reconhecido e honrado com todas as honras que merece. O que precisamos é de uma enorme reforma administriva para modernizar nossa burocracia, não é de esculhambarmos os pobres servidores públicos que se matam de trabalhar para glória dos chefetes que não fizeram concurso público, e para fazer anonimamente o país funcionar e ser um pouco mais justo a cada dia.

  23. Os dois cidadãos que vemos na

    Os dois cidadãos que vemos na foto acima correspondem às penetrações imprecisas que faltam com a verdade desse intermínável ajuste fiscal.

    Eles estão concentrados em deteriorar a estrutura que mantém o governo com a guarda das Jazidas de petróleo, com o controle das empresas e dos bancos públicos nessa incerta fase do desenvolvimento de uma consciência que não se reconhece; porque o mercado financeiro possui em si próprio a medida que incorpora todas as riquezas e também a insuficiência que o governo aparentemente se encontra – em contiguidade entre si.

    A inteira liberdade no país deve manter-se dependente de sua diferenciação para produzir, seguida de uma mediação. É neste processo que surgem os bancos de investimento para as determinações dos governos. Ou seja, há uma divisão do sujeito nos elementos constitutivos deles, que resulta do modo de disputa da apropriação.

    Houve em primeiro lugar a demanda da liberdade das pessoas que se ramificou na diferenciação da unidade inspiradora que lhes convém, mas como os bancos se inserem no real? privatizando é a forma verdadeira da separação entre uma e outra. De que adianta 1, 5 trilhoes de dinheiro digital criados pelos bancos se o dinheio não contém o que lhes parece ser exterior?

    O sistema digital em sua inquietude e insatisfação pela apropriação concreta não se evolui e se expande na matéia política, mas estando ainda indefinida as determinações do governo, os bancos podem asseverar ou não a liberdade na forma de matéria natural: o valor abstrativo.

  24. é sempre assim….

    se a situação está dificil, reclamam se você não fizer algo para melhorar…

    e se fizer algo, reclamam mais ainda….

    então a Dilma tem que fazer mesmo o que achar que deve ser feito e bola pra frente.

     

    • Só que o bônus, é?
      Tem que

      Só que o bônus, é?

      Tem que pagar o ÔNUS também!!!! Mostrar que tudo que se falou contra é obrigado a fazer e ficar quietinho recebendo as críticas…

  25. Talvez agora os funcionários

    Talvez agora os funcionários da Receita Federal se arrependam da greve branca que fizeram, no esforço de reduzir a arrecadação deste ano para o governo. Deixar de fazer o trabalho para o qual são pagos não é a forma correta de lutar por aumento salarial.

    Aliás, falando em fazer as coisas da forma correta, que tal agora o Legislativo e o Judiciário fazerem seus programas de corte de gastos, começando por reduzir as mordomias.

  26. Sejam sinceros

    Vcs acreditam mesmo em tudo? Que os impostos são obrigações sociais? Que os impostos tem retorno? Quanta asneira leio aqui, impressionante. Pessoas aqui defendendo aumento de impostos, no País com a maior carga tributária da galaxia. Tirar do servidor público, do trabalhar, é tranquilo? E as aposentadorias do senado, governo, câmara e judiciário estas ninguém mexeu e nem vão. pq não cortou auxilio moradia, transporte de graça e bolsas gratuítas. Quanta lambança. E tem pessoas aqui que defendem este governo…que defendem estes políticos…pobre nação brasileira que possui um povo tão burro, mas tão burro que não consegue aceitar sua ignorância. Saudações

      • Não é a maior da galaxia,

        Não é a maior da galaxia, países como o Canadá e a Suécia tem cargas tributárias um pouco maiores que a nossa, agora, quer comparar o nível de serviço prestado à população desses países com o do Brasil? Acha mesmo que pagamos pouco imposto para o que recebemos do Estado? Brasileiro é muito permissivo mesmo, aceita pagar imposto de país de primeiro mundo e ser tratado como de terceiro. Até quando?

        • Canadá e Suécia não têm a

          Canadá e Suécia não têm a divida social histórica que estamos tentando há doze anos abater. Isso exige uma enormidade de recursos, mas exige antes enfrentar a elite exclusivista. Mas a elite exige bons serviços, só para ela. E o povão, que segundo ela a elite se trata de uma gentinha que é ruim por natureza,  deveria, sendo ela, reconhecer seu lugar e não exigir nada.

  27. ditadura dos mercados e o multiplicador da desgraça.

     Pelos comentários de vários defensores do governo aqui podemos perceber hoje pouca diferença os afasta do governo do PSDB e dos ‘coxinhas’ do MBL: quando se trata de escolher entre o serviço público e as vontades do mercado não titubeiam ficam com o segundo. Dilma vai voltar ao jogo porque está fazendo o jogo do mercado. No mundo hoje quem governa de facto, quem detêm o poder é o ‘mercado’. Vivemos uma ditadura global do partido único, o partido do mercado. Na Europa parece que começaram a perceber isso, por aqui o mercado é mais sagrado que Jesus Cristo.

    E mais o pacote, se implementado vai acionar o multiplicador da desgraça: menos gastos em saude e cortes no minha casa minha vida, significa menos demanda do governo, menos demanda, menos investimento, menos investimento, menos emprego (que já vai ladeira abaixo), menos emprego, menos demanda…Suspenção de concursos públicos significa menos emprego  que dificilmente será compensado por empregos no setor privado, já que estes estão em queda: menos emprego, menos demanda, menos investimentos…Contração do salário real do funcionalismo público, menos demanda, menos investimento, menos emprego….Não há como compensar essa diminuição da demanda com demanda do setor privado com a economia em recessão, indo ladeira abaixo, e nem do setor externo, até porque a participação desse no PIB é muito pouco significativa.

    Mas se é assim porque fazer isso? obvio o ‘trabuco’ nos trabalhadores é para deslocar os recursos para a ‘ciranda financeira’ (só para lembrar um nome maldito, não é a mesma coisa).

  28. Gilmar Mendes

    Me surpreendo, embora não houvesse motivo, com a informação presente no texto de que GM antes mesmo de conhecer o teor do ajuste já o desqualifica. Não entendo o que um ministro do STF tem que se pronunciar publicamente sobre a esfera do Executivo e Legislativo. Aliás, não entendo como ainda suportamos GM no STF.

  29. Em que jogo Dilma esta?

    Não Senhor! Este pacote vai contra todos aqueles que suportaram e foram eleitores fieis.

    Este jogo econômico é uma farsa e você sabe que Dilma esta fazendo cena para o mercado e a direita, eles querem acabar com os avanços e politicas sociais, sabes bem que cortou minha casa, que está penalizando os funcionários públicos do executivo e NAO do congresso e nem do Judiciário, como vimos o Cunha e sua gang davam quase 100% de aumento. Não Senhor. Esta cortando nos programas de inovação, dos estudantes, dos aposentados, educação, saúde e assim como se tem jogo com as cartas que sempre foram marcadas pela casa grande. Tanto assim, que o mercado ontem aqui em pôster colocou que a economia esta se mexendo, um safado e mentiroso! A economia é emprego, oportunidades para esta multidão dos estudantes se formando, é poder de compra, inflação, melhor transportes, educação publica e enfim a rua e não o mercado ou rentistas, os tais 1%.

    Não senhor, não ha mais chance Dilma abaixou demais, não defendeu ninguém dos seus e nem a Petrobras. Ela esta acabando de destruir pedra sobre pedra do se construiu nestes 12 anos. Acabou! Que jogo ha com o Congresso, os políticos, o judiciário, a oposição, o mercado e o Pig neste saco de gatos que eles lutam acoplados contra a população, procurando vantagens e mamar nas tetas do governo e os pobres, são contra as politicas de igualdades e liberdade, educação e saúde, oportunidades e inclusão!

    Um ministro servidor público de seu país na suprema corte da justiça que deveria estar na defesa dos cidadãos, faz uma reportagem na imprensa contra o povo e o governo legitimo e democrático, Senhor quer o que?

    Que situação o problema politico econômico o Brasil tinha e tem para estarem fazendo o que estão fazendo com a economia e os brasileiros? Que jogo doutor, que jogo?  Aqueles que pagam são os da senzala? Para estes canalhas dos rentistas, hipócritas dos políticos e da justiça dos ricos e interesses. Que jogo se os perdedores sempre são os mesmo? Os eleitores não deram chance senhor, dela jogar não, elegemos a Dilma A PRESIDENTE DO BRASIL e dos brasileiros, não senhor, não há jogo de poder ou politico nestes termos, há de saber para quem Dilma governa ou governam por ela!

    !

    • Meu caro, se o marechal

      Meu caro, se o marechal Kutuzov tivesse permanecido em Moscou, Napoleão teria aprisionado o exército russo e hoje a história seria outra. Não podemos julgar, e tão severamente, o governo dos trabalhistas por um lance eventual de um jogo muito maior.

  30. Brasileiro não gosta de pagar imposto

    Brasileiro não gosta de pagar impostos, mas se diz capitalista. Diz que é contra o comunismo, mas não quer pagar imposto, vai entender, acho que aqueles que são contra qualquer pacote fiscal, nem sabe o que é o capitalismo neoliberal.

  31. Acho que o negócio é pensar

    Acho que o negócio é pensar no que queremos no meio do nome do GiOmar, o Mendes, senador do PSDB no STF, depois do seu libelo acusatório contra o PT no plenário do STF. 

    GiOmar….rsrsrs

     

    • Gozado, meu caro Osvaldo, é

      Gozado, meu caro Osvaldo, é que ando me aborrecendo com pouca coisa e normalmente não assistiria o arrazoado absurdo do Gilmar. Mas a coisa foi tão estúpida, tão cheia de emissão de opinão tresloucada e desacompanhada de números, tão suportada por tomar nossa mídia inconfiável como propagadora honrada da pura verdade, tão baseada em achismos e ponderações conflitantes, tão quase ridiculamente carregada de ódio pessoal determinado por fanatismo de militante político temerário e arrebatadoramente simplório, que me deixei ir até o fim, para saber a que extremos pode chegar um político coronelista se guindado ao poder de ministro da Suprema Corte. 

  32. Petroleo

    NASSIF

    O regime de partilha introduziu recursos para a educação. A Petrobras já está produzindo no pre-sal mais de 600 mil barris/dia. Vocês poderiam fazer uma matéria informando quanto é atualmente o valor do royaltie decorrente desta produção e se este dinheiro já está sendo usado?

  33. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome