A PGR, pela dignidade da instituição, deve alterar a composição da Lava Jato, por Francisco Celso Calmon

A manutenção da prisão de Lula e eventual desfecho fatal de sua vida será responsabilidade direta das instituições, da grande mídia e parcelas da sociedade

Foto: Lula Marques

Por Francisco Celso Calmon 

A rosca do Moro, não sei, talvez, quem sabe

A democracia que estava sendo construída está agonizando, uma nova custará a aparecer, e nesse intervalo estamos a viver o lusco-fusco da ideologia fascista.

Como um país imenso como o Brasil ficou de quatro para a “republiqueta” de Curitiba? Quanta fragilidade de nossas instituições terem ficado subjugadas a uma mera força-tarefa, isto é, a um grupo de trabalho do MPF de Curitiba.

A mídia que fora o apoio logístico ao golpismo inaugurado em 2016, que construiu a figura do super-justiceiro Sérgio Moro, dá credibilidade às revelações do The Intercept ao examinar o material e publicá-las. Cabe-lhe, por dever ético, desfazer a imagem criada e reconhecer seu erro ou vai esperar 50 anos como o Globo fez em relação ao apoio dado ao golpe de 64?

Se o Moro ainda que fosse bem-dotado intelectual e profissionalmente, mas é medíocre, chulo, apedeuta, e a mídia o fez, as instituições se amedrontaram e acovardaram, e o mais grave: por omissão ou participação estão cúmplices do desmonte do Estado Democrático de Direito e encolhimento da economia nacional.

Moro possui armas perigosas: 1 – a mentira; 2- a corrupção, 3- o despudor; 4 – o arrepio às normas e leis, 5 – a desqualificação dos contrários, sendo que esta última arma ele já usou e usa contra advogados, jornalistas, a OAB e partidos.

Na ditadura militar as pessoas eram sequestradas e os seus familiares iam em busca delas nas unidades de repressão, como os DOIs-CODIs e DOPS, e as respostas nunca eram assertivas e verdadeiras. O deputado Alencar Furtado pronunciou um discurso, em 1977, denunciando, que lhe custou a cassação e ficou para a história: “O programa do [antigo] MDB defende a inviolabilidade dos direitos da pessoa humana para que não haja lares em prantos; filhos órfãos de pais vivos — quem sabe — mortos, talvez. Órfãos do talvez ou do quem sabe. Para que não haja esposas que enviuvem com maridos vivos, talvez; ou mortos, quem sabe? Viúvas do quem sabe ou do talvez.”

Leia também:  Sobre salsichas, processo penal e papos de botequim, por Rômulo Moreira

As armas do Moro são letais à dignidade e à vida das pessoas, bem como, a saúde das instituições, particularmente no presente quando detém a titularidade do Ministério da Justiça tendo a PF subordinada.

As últimas revelações são contundentes em demonstrar que o ex-juiz Sérgio Moro manipulou, fraudou e intoxicou o devido processo legal ao ajudar um dos lados, o MPF, para atingir o seu próprio objetivo político de excluir Lula da disputa eleitoral. Excluí-lo e silenciá-lo!

Sem o Moro o Bolsonaro não chegaria à presidência.

Não chegaria à presidência se tivesse sido respeitado o direito político de Lula, mesmo aprisionado, de dar entrevistas, gravar áudios e vídeos para a campanha do Haddad.

O que resta aos violadores do direito Moro&Dallagnol, senão responderem judicialmente pelos seus atos e politicamente serem afastados de suas funções no âmbito da Justiça?

Não é o momento para tirar férias e nem se recusar a comparecer à Comissão de Direitos Humanos da Câmara, é chegado a hora, sim, de serem afastados de suas funções, antes de prosseguirem a contaminar as instituições e enxovalhar internacionalmente o país.

Moro está sendo enroscado e a sua rosca não tem final à vista.

As revelações não devem levar a uma associação mecânica ao processo Lula, antes deve, sim, evidenciar substantivamente que Moro não reúne condições de permanecer no M. da Justiça.

Não apoiei a Lava Jato em momento algum, mas entendi o equívoco de pessoas esclarecidas a terem apoiado, porque o objetivo que alardeava de combate a corrupção somos todos a favor.  Os meios de combate-la é que nos distingue, como também nos distingue a compreensão das causas de origem e fomento.

Leia também:  O império e suas armas - Terceira parte (a guerra do Brasil), por Nilson Lage

No atual quadro das revelações da promiscuidade Moro&Dalagnol e asseclas, o que ficou insustentável é a manutenção desse grupo epiceno na lava jato. A PGR, se comprometida com as normas constitucionais, as leis e a ética, não deve mais fazer como o avestruz, pela própria dignidade da instituição e do combate a corrupção, deve, no mínimo, alterar a composição da força-tarefa autodenominada lava jato.

Quando se esquece o passado a probabilidade de errar no futuro é enorme. Esquecer que o ministro Lewandowski tem as digitais no impeachment da Dilma, que Gilmar Mendes  impediu  Lula de  assumir a Casa civil no governo Dilma, que os ministros Luiz Fux e Edson Fachin foram considerados pelo grupelho da lava jata como aliados, e não levar ao pé da letra a articulação do golpe com o Supremo e tudo, pode estar ocasionado miragens.

A manutenção da prisão de Lula e eventual desfecho fatal de sua vida será responsabilidade direta das instituições, da grande mídia e parcelas da sociedade brasileira.

Só o povo arranca o Lula do cárcere.

Quem mandou matar Marielle, cadê Queiroz, quem banca Adélio Bispo?

Francisco Celso Calmon é Advogado, Administrador, Coordenador do Fórum Memória, Verdade e Justiça do ES; autor do livro Combates pela Democracia (2012) e autor de artigos nos livros A Resistência ao Golpe de 2016 (2016) e Comentários a uma Sentença Anunciada: O Processo Lula (2017)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Acusado de ser o mentor da morte de Marielle coloca apadrinhado na chefia da TV Alerj

7 comentários

  1. Não me resta nenhuma dúvida sobre o tremendo crime lesa-pátria desta quadrilha formada nos EUA que passou ser conhecida como república de Curitiba. A destruição da nação brasileira, suas instituições, economia, costumes e princípios civilizatórios não tem nenhum precedente na nossa nação.

  2. Prezado Francisco,
    O verdadeiro “câncer” se chama grande mídia, especialmente a Globo.
    O ministro e ex juiz de pseudônimo Conge, que nunca pronunciarei seu nome, é um psicopata de altíssimo grau. Perigosíssimo. Sua esposa Rosângela também é. Isso explica essa “falta de medo”, essa arrogância toda.
    Nossa “sorte” se encontra na burrice dele. Digo, sem ironia ou exageros: o Conge comprou os diplomas dele e o concurso para juiz foi fraudado. Sem ironia.
    Pois bem, eu-cidadão-comum nunca acreditei na farsa a jato, aliás a máfia a jato (como se prova).
    Agora, junto com o câncer da grande mídia, temos os outros da pequena mídia também paga de outros monstros como o antagonista e afins.
    É monstro demais, é muito psicopata. É muita estupidez.
    E o brasileiro engoliu e engole toda essa farsa.
    Bozo, bolsominions, Carluxo, Lava jato, militares…etc.,etc.
    O projeto colonial parece que venceu. Continua sendo implementado.

    13
    2
  3. Quem tem e guarda informações comprometedoras fica com tudo ao seu alcance para intimidar qualquer um e de qualquer instituição…

    alguém no Brasil deve ter muito mais informações sobre as nossas instituições do que o Intercept

    O segredo do sucesso de informações desse tipo é poder antecipá-las, obtê-las antes que qualquer um

  4. Essa coisa escandalosa de o Moro entregar ao presidente documentos sigilosos sobre a investigação contra o partido do próprio presidente, nos remete à Alemanha do início da década de 1940: O führer ordena ao chefe da SS para que apodere-se dos documentos que o incomodam, e está tudo resolvido.
    Manda abrir investigação contra todos os partidos, enquanto que o partido que incorreu em crime foi o dele. O que os outros têm a ver com isso?
    Só falta o bigodinho. Ou, os bigodinhos.
    Moro, o chefe da SS, manda abrir investigação contra um jornalista respeitabilíssimo, apenas porque este o desagrada. Onde está a acusação ou o suposto “crime” praticado pelo jornalista?
    Se o povão não reagir rápido isso aqui vai virar algo parecido com o 3º Reich Alemão.
    Trabalhadores, pobres, negros, índios, gays, não evangélicos, ateus e imigrantes que se cuidem!

    7
    1
  5. O povo Caminha como gado para o matadouro,e muitos induzidos pelas igrejas evangélicas, que o Messias,a besta humana,foi enviado por Deus,e que a lava jato está salvando o país dessa corja, ainda acreditam que está no caminho certo.
    Quando essa gente vai cair na real,sera que estão sobre efeitos ipnoticos,ou perderam a noção da realidade.

  6. Se escaparmos da perda de nossa soberania, da entrega de nossas riquezas, e da divisão em 3 ou 4 países, tudo orquestrado pelos norte americanos, quem sabe ainda restará um país. Nunca estivemos tão perto do desastre. COMO uma Iuguslavia, picada em pedaços, o Brasil se encaminha ao seu final!!!!!

    1
    2

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome