Decisões de Temer e Bolsonaro colocam em risco Transposição do São Francisco

Projeto bilionário corre risco de virar 'elefante branco'; Para especialista que estuda transposição há 14 anos, problemas são decorrentes de atropelos políticos

Trecho da transposição do São Francisco. Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Há cerca de cinco meses o bombeamento de água da Transposição do Rio São Francisco para o Eixo Leste, e que atende 44 municípios da Paraíba, foi interrompido pelo governo Federal por uma recomendação da Agência Nacional de Águas (ANA), em razão de riscos de rompimento no reservatório Cacimba Nova, em Custódia, Pernambuco.

Em julho, o Ministério Público Federal em Monteiro, na Paraíba, emitiu um laudo técnico apontando em alguns trechos da obra fissuras no concreto, trincas e rachaduras que chegam a mais de 1,5 centímetros de espessura. O órgão destaca que os problemas estão associados à concepção e execução da obra.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, em reportagem publicada nesta segunda-feira (2), o professor da UFPB (Universidade Federal da Paraíba) Francisco Sarmento, que coordenou por 14 anos os estudos e planejamentos hidrográficos da transposição, disse que o problema são os atropelos políticos. Em outras palavras, a obra foi inaugurada sem que estivesse completamente construída.

“Esse eixo [Leste] foi projetado para operar com 24 bombas. Temos a metade. A vazão prevista nunca foi alcançada. Neste momento, nenhuma bomba está em operação”, contou.

Ele apontou ainda que o sistema operacional do projeto, importante para transmitir dados em tempo real dos níveis dos reservatórios, foi posto em operação sem licitação. “É uma temeridade o que foi feito. No dia da inauguração, ficaram operando pelo celular”, criticou.

A obra da Transposição do Rio São Francisco é dividida em dois eixos: o Norte e o Leste. No primeiro ainda resta a conclusão 3% das obras há cerca de dois anos. Já o segundo, Eixo Leste, foi inaugurado em março de 2017, em uma cerimônia oficial em Monteiro, no Cariri paraibano, realizada pelo então presidente Michel Temer (MDB).

Leia também:  Moro se descola de Bolsonaro durante crise do coronavírus

O professor Francisco Sarmento lembrou à Folha que duas barragens do Eixo Leste chegaram a romper. Uma delas, três dias antes da inauguração do sistema. Ele apontou também que as obras de comporta funda, para que o fluxo que vem do canal passe sem que a barragem encha, nunca foram entregues. “Tiveram que fazer uma gambiarra, um canal para desviar da barragem”, completou.

As obras da Transposição do Rio São Francisco foram tiradas do papel ainda no governo Lula, em 2005. O orçamento inicial do megaprojeto foi de R$ 4,5 bilhões na época, hoje o equivalente a R$ 9,6 bilhões, corrigindo os valores pela inflação. Atualmente, e faltando apenas 3% para finalizar o Eixo Norte, o custo total da obra é calculado em R$ 12 bilhões.

A proposta da transposição é atender a 12 milhões de pessoas e impulsionar um novo modelo econômico às regiões nordestinas.

Em entrevista à TV GGN, o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, rebateu às críticas de que o orçamento da Transposição, considerada uma das obras mais caras do país, é elevado.

“Se você pegar os R$ 12 bilhões do custo e dividir pela população que a transposição atende que é de 12 milhões, vai chegar a 1 mil reais por pessoa. Se colocar esse valor aplicado em dez anos, arredondando para fechar a conta, o custo é 100 reais por cada pessoa beneficiada. Ou seja, muito menos que um bolsa família mensal. Essa é a obra que alguns tentam colocar como elefante branco”.

A reportagem da Folha abre margem à críticas aos governos petistas pelos resultado das obras, especialmente porque, logo em seguida à inauguração “às pressas pelo ex-presidente Michel Temer”, em março de 2017, os petistas Lula e Dilma Rousseff também realizaram um ato de inauguração simbólico e popular da Transposição.

Leia também:  Carta aberta de brasileiros no exterior a Bolsonaro: #OBrasilDeveParar

Em resposta ao jornal, a assessoria do ex-presidente Lula lembrou que a inauguração foi um ato oficial do governo Temer e, ainda, que Lula e Dilma deixaram a Presidência em 2010 e 2016, respectivamente.

Quanto à ida de Lula e Dilma a Monteiro, pouco depois da inauguração do Eixo Leste do São Francisco pelo então governo Temer, a assessoria disse que Lula, em especial, atendeu a um desejo da população local, grata por retirar do papel uma obra cogitada desde o império, concluindo que os problemas que surgiram na obra não estão sob a responsabilidade de Lula e Dilma.

Leia também: Bolsonaro suspende bombeamento da Transposição do Rio São Francisco à Paraíba

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Consertem rápido as fissuras malditos e mandem água para esse povo sofrido do nordeste! O que os políticos da área estão fazendo? Isso é urgente, urgentíssimo! Mostrem serviço! São regiamente pagos, pra trabalharem pelo povo!

    9
    1
  2. Mas a Folha de São Paulo não esquece de culpar Lula, irresponsavelmente. O canal do Eixo-Lese foi inaugurado por Temer, em março de 2017. Lula já não era Presidente desde janeiro de 2011. Mas leva a “culpa” na manchete do UOL, pela provável pressa de Temer, alimentando a sanha dos que chegam até a criticar a iniciativa da Transposição, só por ter sido de Lula.

  3. Problemas como esse empobrecem o País e negam seriedade aos governos do passado e retiram deles as boas práticas levadas a cabo em deteminado período da história. A população, infeliz, permanece assistindo esse show de barbárie e de falta de vergonha.

    2
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome