Hungria, Sérvia e Montenegro “não são mais democracias”, diz relatório

A adoção em março de uma lei de emergência contra COVID-19, que permite a Orban governar por decreto indefinidamente, expôs ainda mais o caráter não democrático

Da Aljazeera

Hungria, Sérvia e Montenegro não podem mais ser chamadas de democracias após um retrocesso democrático sem precedentes, afirmou um órgão de defesa da democracia.

A Freedom House, sediada nos EUA, declarou em seu relatório anual Nations in Transit, na quarta-feira (6), que a Hungria é um “regime híbrido em uma ‘zona cinzenta’ entre democracias e autocracias puras.”

Os estados dos Balcãs, Sérvia e Montenegro, também perderam seu status democrático pela primeira vez desde 2003 por causa de “anos de crescente captura estatal, abuso de poder e táticas de homens fortes empregadas” por seus respectivos presidentes Aleksandar Vucic e Milo Djukanovic, segundo o relatório.

O declínio da Hungria, membro da União Européia, que já foi “pioneiro democrático” em 2005, foi “o mais precipitado já registrado” pelo grupo, que é financiado principalmente pelo governo dos EUA.

Em 2020, a Hungria se tornou o primeiro país a cair em duas das categorias de classificação do grupo e “deixar o grupo de democracias inteiramente”, segundo o relatório.

“A Hungria hoje não pode mais ser considerada uma democracia”, afirmou Freedom House.

O governo do primeiro-ministro Viktor Orban “abandonou qualquer pretensão de respeitar as instituições democráticas”, afirmou o documento.

“Após centralizar o poder, inclinar o campo de atuação eleitoral, dominar grande parte da mídia e assediar organizações críticas da sociedade civil desde 2010, Orban mudou-se em 2019 para consolidar o controle sobre novas áreas da vida pública, incluindo educação e artes”. 

A adoção em março de uma lei de emergência COVID-19 que permite ao governo governar por decreto indefinidamente “expôs ainda mais o caráter não democrático do regime de Orban”, acrescentou.

Um porta-voz do governo húngaro descartou o ranking e descreveu o grupo como o “punho” da “rede Soros”, referindo-se ao bilionário americano George Soros – há muito acusado por Orban de se intrometer nos assuntos da Hungria.

“A Freedom House já foi conhecida como organização bipartidária de direitos humanos. Com o financiamento de Soros, eles recusaram”, disse Zoltan Kovacs em um post no Twitter.

“Qualquer um que não esteja de acordo com sua visão liberal é rebaixado”, disse ele.

A Freedom House também relatou um “colapso democrático impressionante” nos 29 países pesquisados, da Europa Central à Ásia Central, observando que agora existem “menos democracias na região hoje do que em qualquer momento desde que o relatório anual foi lançado em 1995”.

 

Sergio Moro é a pauta do novo projeto jornalístico do GGN.
Saiba mais clicando aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Dallagnol não era procurador natural da Lava Jato e o antecessor teria contrariado Moro

3 comentários

  1. E o Uruguai? Lacalle Pou se aproveita dacrise do coronavirus para impor a força um decreto que elimina o estado de bem estar social, e cerca de 60 leis progresseistas aprovada pelo antigo governo da frente ampla. O decreto é impositivo. Se não for votado em 90 dias entre em vigor automaticamente. O detalhe é que o congresso não pode se reunir por causa do decreto de isolamnto social. Como Lacalle Pou é de extremadireita, simpatico ao Bolsonarismo, ele é ignorado por essa tal organização Freedom House. Como dizia uma antiga assessora de Reagan, chamada Kirkpatric, tortura de direita não doi

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome