Mandetta admite erro, e Bolsonaro encontra brecha para demití-lo

Em conversa com interlocutores, ministro da Saúde diz que perdeu apoio junto à cúpula militar do Palácio do Planalto após entrevista ao Fantástico

Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde. Foto: MCTIC (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, declarou a interlocutores que cometeu um erro ao dar entrevista ao Fantástico no último domingo (12) com diversas críticas indiretas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e reconheceu que seu cargo está novamente ameaçado.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o ministro foi avisado que sua saída do governo federal voltou a ser uma possibilidade nos próximos dias. Ao mesmo tempo, interlocutores no Palácio do Planalto dizem que Bolsonaro percebeu uma menor movimentação em defesa de Mandetta.

Além da perda de sustentação entre os militares, Bolsonaro levou em conta que até mesmo alguns líderes do Congresso criticaram o tom adotado na entrevista do ministro. Outra brecha encontrada pelo presidente foi a falta de mobilizações nas redes sociais em defesa do ministro da Saúde.

Contudo, ainda não é possível dizer se Bolsonaro vai bancar o desgaste de demitir Mandetta. Assessores já aconselharam o presidente a seguir com o ministro durante o período de pandemia, como forma de evitar desgaste em caso de colapso do sistema de saúde.

Leia Também
Coronavírus: Brasil tem 1.532 mortes e 25.262 casos confirmados

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Estados Unidos versus China e o Brasil: um ensaio, por Samuel Pinheiro Guimarães

7 comentários

  1. Enquanto o Brasil “navega” em uma avassaladora tempestade, com a pandemia do Covid-19 já se transformando em severa epidemia por inação do governo, a mídia hegemônica, com o apoio da mídia dita mais esclarecida (GGN inclusive) perde tempo com a novela Bolsonaro/Mandetta, farinhas do mesmo saco. Novela que tem tudo para ser mera manobra diversionista para os incautos não perceberem a trágica realidade.

  2. “Povo de memória curta esse é” sue Exército. Adaptado de um dito por Millôr Fernandes.

    Nassif: repito (que repito, que repito) — só existe um responsável pelo pandemônio social, político, econômico e moral, do qual Pindorama foi tomado de assalto, há mais de um século. Os VerdeSauvas, que, de Capitão pra cima , não passam de ConspiradoresConstitucionais (de carteirinha). A começar pelo AltoComando. E se você discorda, conte uma, umazinha sequer…

  3. Tem que tirar o governo inteiro. A incompetência de bozo e séquito vêm levando o pais a bancarrota e o brasileiro à morte.
    Fora!

  4. O Bolsa de Bosta está lado a lado com o inimigo e, pior, sem poder se livrar dele.

    O Bolsonaro vai adoecer cada vez mais, enquanto seu insubstituível médico reforça a doença do paciente, em vez de combatê-la.

  5. Quando a coisa é muito repetida e sem novidade, no meu entender deixa de ser noticia. Sendo assi. Essa história de Mandetta deixou de ser relevante mesmo porque este bolg já mostrou que ele não acrescenta quase nada ao Coiso. Sua biografia mostra quem ele é ,1 filhote de Coisinho.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome