Mutação: Nova York teria coronavírus mais mortal que outras regiões

A capacidade de mutação do coronavírus foi subestimada e as mutações afetam a mortalidade das cepas, segundo estudo chinês

Do South China Morning Post

A capacidade de mutação do coronavírus foi subestimada e as mutações afetam a mortalidade das cepas, segundo estudo chinês

Um novo estudo de um dos principais cientistas da China descobriu a capacidade de o coronavírus recente A mutação foi amplamente subestimada e diferentes cepas podem ser responsáveis ​​por diferentes impactos da doença em várias partes do mundo.

A professora Li Lanjuan [foto] e seus colegas da Universidade de Zhejiang encontraram em um pequeno grupo de pacientes muitas mutações não relatadas anteriormente. Essas mutações incluíam mudanças tão raras que os cientistas nunca consideraram que poderiam ocorrer.

Eles também confirmaram pela primeira vez com evidências laboratoriais que certas mutações podem criar cepas mais mortais do que outros.

“O Sars-CoV-2 adquiriu mutações capazes de alterar substancialmente sua patogenicidade”, escreveram Li e seus colaboradores em um artigo não revisado publicado no serviço de pré-impressão medRxiv.org no domingo.

O estudo de Li forneceu a primeira evidência concreta de que a mutação poderia afetar com que gravidade o vírus causou doenças ou danos em seu hospedeiro.

Li adotou uma abordagem incomum para investigar a mutação do vírus. Ela analisou as cepas virais isoladas de 11 pacientes Covid-19 escolhidos aleatoriamente em Hangzhou, na província oriental de Zhejiang, e depois testou com que eficiência eles poderiam infectar e matar células.

As mutações mais mortais nos pacientes de Zhejiang também foram encontradas na maioria dos pacientes em toda a Europa, enquanto as cepas mais leves foram as variedades predominantes encontradas em partes dos Estados Unidos, como o estado de Washington, de acordo com o artigo.

Um estudo separado descobriu que as cepas de Nova York haviam sido importadas da Europa. A taxa de mortalidade em Nova York foi semelhante à de muitos países europeus, se não pior.

Leia também:  Itália iniciará campanha de vacinação contra a Covid-19 em janeiro

Mas a mutação mais fraca não significou um risco menor para todos, de acordo com o estudo de Li. Em Zhejiang, dois pacientes entre 30 e 50 anos que contraíram a tensão mais fraca ficaram gravemente doentes. Embora ambos tenham sobrevivido no final, o paciente mais velho precisava de tratamento em uma unidade de terapia intensiva.

Esse achado poderia lançar luz sobre as diferenças na mortalidade regional. As taxas de infecção e mortalidade da pandemia variam de um país para outro, e muitas explicações foram propostas.

Os cientistas genéticos haviam notado que as linhagens dominantes em diferentes regiões geográficas eram inerentemente diferentes. Alguns pesquisadores suspeitaram que as taxas de mortalidade variadas pudessem, em parte, ser causadas por mutações, mas elas não tinham prova direta.

A questão foi ainda mais complicada porque as taxas de sobrevivência dependiam de muitos fatores, como idade, condições de saúde subjacentes ou mesmo tipo sanguíneo.
Nos hospitais, o Covid-19 foi tratado como uma doença e os pacientes receberam o mesmo tratamento, independentemente da tensão exercida. Li e seus colegas sugeriram que definir mutações em uma região pode determinar ações para combater o vírus.

“O desenvolvimento de medicamentos e vacinas, embora urgente, precisa levar em consideração o impacto dessas mutações acumuladas … para evitar possíveis armadilhas”, disseram eles.

Li era a primeira cientista a propor o bloqueio de Wuhan, de acordo com relatos da mídia estadual. O governo seguiu seu conselho e, no final de janeiro, a cidade de mais de 11 milhões de habitantes foi fechada durante a noite.

Leia também:  Brasil perde R$ 77 bilhões por ano devido a multinacionais que não pagam impostos

O tamanho da amostra neste estudo mais recente foi notavelmente pequeno. Outros estudos que rastreiam a mutação do vírus geralmente envolvem centenas, ou mesmo milhares, de cepas.

A equipe de Li detectou mais de 30 mutações. Entre eles, 19 mutações – ou cerca de 60% – eram novas.

Eles descobriram que algumas dessas mutações podem levar a alterações funcionais na proteína de pico do vírus, uma estrutura única sobre o envelope viral, permitindo que o coronavírus se ligue às células humanas. A simulação em computador previu que essas mutações aumentariam sua infectividade.

Para verificar a teoria, Li e seus colegas infectaram células com cepas portadoras de mutações diferentes. As cepas mais agressivas podem gerar 270 vezes mais carga viral do que o tipo mais fraco. Essas cepas também mataram as células mais rapidamente.
Foi um resultado inesperado de menos de uma dúzia de pacientes, “indicando que a verdadeira diversidade das cepas virais ainda é amplamente subestimada”, escreveu Li no jornal.

As mutações eram genes diferentes da primeira cepa isolada em Wuhan, onde o vírus foi detectado pela primeira vez no final de dezembro do ano passado.

O coronavírus muda a uma velocidade média de cerca de uma mutação por mês. Na segunda-feira, mais de 10.000 cepas foram seqüenciadas por cientistas de todo o mundo, contendo mais de 4.300 mutações, de acordo com o Centro Nacional de Bioinformação da China.

A maioria dessas amostras, no entanto, foi sequenciada por uma abordagem padrão que poderia gerar um resultado rapidamente. Os genes foram lidos apenas uma vez, por exemplo, e havia espaço para erros.

Leia também:  Covid-19 Brasil: Com 6 milhões de casos, especialistas alertam para o repique da 1º onda

A equipe de Li usou um método mais sofisticado, conhecido como sequenciamento ultra-profundo. Cada componente do genoma do vírus foi lido mais de 100 vezes, permitindo que os pesquisadores observassem mudanças que poderiam ter sido negligenciadas pela abordagem convencional.

Os pesquisadores também descobriram três alterações consecutivas – conhecidas como mutações tri-nucleotídicas – em um paciente de 60 anos de idade, um evento raro. Geralmente, os genes mudavam em um local de cada vez. Esse paciente passou mais de 50 dias no hospital, muito mais do que outros pacientes do Covid-19, e até suas fezes eram infecciosas com cepas virais vivas.

“Investigar o impacto funcional dessa mutação tri-nucleotídica seria altamente interessante”, disseram Li e colegas no artigo.

O professor Zhang Xuegong, chefe da divisão de bioinformática do Laboratório Nacional de Ciência da Informação e Tecnologia da Universidade de Tsinghua, disse que o seqüenciamento ultra-profundo pode ser uma estratégia eficaz para rastrear a mutação do vírus.

“Pode produzir algumas informações úteis”, disse ele.

Mas essa abordagem pode ser muito mais demorada e cara. Era improvável que fosse aplicado a todas as amostras.

“Nossa compreensão do vírus permanece bastante superficial”, disse Zhang. Perguntas como a origem do vírus, por que ele poderia matar alguns jovens saudáveis ​​e não gerar sintomas detectáveis ​​em muitos outros ainda deixaram os cientistas coçando a cabeça.
“Se houver uma descoberta que anula a percepção predominante, não se surpreenda.”

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. A letalidade do coronavirus tem relação como clima?
    Se sim, e caso uma temperatura mais elevada dificulte a transmissibilidade e letalidade, os EUA estão com sorte, pois o vírus chegou lá quando o Sol atravessou a Linha do Equador em direção ao Hemisfério Norte, elevando s dia temperatura. Mas o Sol está se distanciando do Brazil.

    Será que há relação da letalidade/transmissibilidade com as estações do ano?

  2. Eu imagino que a taxa de transmissibilidade/letalidade não seja determinada por um único fator, no caso, a temperatura.

    Não se sei se o seguinte relato acerca de Manaus é verdadeiro:

    “A cidade em si é SUJA, antiga e caótica. O verdadeiro Brasil se mostra nas cidades do N e NE. Os nossos governantes deveriam olhar e melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem por lá. Pela flora, todo brasileiro deveria conhecer, pela fauna sugiro o Pantanal e Fernando de Noronha, pois o contato com os animais é muito maior nesses lugares. Não deve deixar de ir no Teatro Amozonas. Faça o passeio de barco (encontro das águas, vitórias régias, almoço, tribo indígena, e mergulho com os botos), negocie diretamente no porto (gastei R$150,00 pelo dia inteiro de passeio incluindo almoço) nas agencias o mesmo passeio estava por R$ 290,00. A comida é muito gostasa. Coma Tambaqui (peixe) assado, um dos melhores peixes que já comi”.

    A alta letalidade pode ser decorrência da sujeira, do pouco isolamento social, da falta de testes, da falta de recursos médico-hospitalares, da falta de informações, da subnutrição, etc. Nesse caso, se Manaus fosse uma cidade situada numa zona temperada, a letalidade seria bem mais elevada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome