A falta de delegados em São Paulo

    Por que será? Na Folha de hoje.

Procura-se delegado em um terço das cidades paulistas

Em 206 municípios, policial comparece apenas duas vezes por semana

Dados são da Associação dos Delegados de Polícia de SP; Estado tem 3.413 vagas, 223 continuam sem ser preenchidas

DE RIBEIRÃO PRETO
DE SÃO PAULO

Um terço das cidades paulistas não tem delegados titulares. Isso significa que 206 (31,9%), dos 645 municípios do Estado, só recebem a visita de delegados no máximo duas vezes por semana.

Na capital, as 93 delegacias possuem delegados titulares, mas em 16 delas não há delegados assistentes.

O levantamento foi realizado pela Associação dos Delegados de Polícia do Estado de SP, que diz que essa realidade “impossibilita uma correta investigação criminal”.

Quase todas as cidades sem delegados titulares no Estado têm menos de 100 mil habitantes -a exceção é Indaiatuba (98 km de São Paulo), com 201 mil moradores.

A consequência é que, em muitos municípios, parte dos delegados acumula a função em duas ou mais cidades. A Folha encontrou um policial que acumula seis cargos em três cidades.

A Polícia Civil e a Secretaria da Segurança Pública admitem o problema, mas dizem que isso ocorre, em geral, em cidades com baixos índices de criminalidade.

No entanto, ao confrontar os dados da associação com as estatísticas da violência em 2010, nota-se que 131 desses 206 municípios tiveram aumento em ao menos um tipo de crime (homicídio, roubo e furto) em relação a 2009 -49 delas viram o número de homicídios crescer.

“[A existência de cidades sem delegados] É a falência da segurança pública do país”, afirma o ex-secretário nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri.

ACÚMULO

O diretor da Associação dos Delegados Haroldo Chaud foi responsável, em 2010, por quatro unidades em três cidades. “É o bico oficial. Não é ilegal, mas é certo que compromete o trabalho de investigação”, diz.

“Trabalho em três delegacias diferentes e assumo que não investigo os crimes como deveria. Fazemos um trabalho de “maquiagem” para que a população tenha uma sensação de segurança, mas na realidade não garantimos isso”, afirmou à Folha um delegado, sob a condição de não ter seu nome revelado.

No Estado, há 3.413 vagas para delegados. Porém, diz o sindicato, só 3.190 estão ocupadas. A secretaria afirma que os últimos concursos deverão suprir essa demanda.

Na capital, além da ausência de 16 delegados assistentes, há 25 delegacias das zonas norte e leste que fecham suas portas durante a noite e aos finais de semana.

Ou seja, quem procura esses DPs durante esses períodos não recebe atendimento e é redirecionado para uma outra unidade da região.

O objetivo do projeto, conforme a secretaria, é ampliar as equipes durante o dia e fortalecer a investigação.

Esse esquema de plantão nos DPs surgiu em 2009, em caráter experimental, e não tem data para terminar.

(HÉLIA ARAUJO e AFONSO BENITES)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome