As águas do Brasil: o que vem por aí, por Franklin Frederick

Imagem Brasil de Fato

As águas do Brasil: o que vem por aí

por Franklin Frederick

Em julho de 2017 um documento de cooperação – Memorandum of Understanding (MOU) – foi assinado entre a Secretaria de Recursos Hídricos e Saneamento do Estado de São Paulo e o Water Resources Group–WRG

Eu já escrevi outros textos sobre o papel do WRG (principalmente Nestlé e o fim da Era Brabeck e Fórum Econômico Mundial: Temer entrega o jogo… e a água), a iniciativa da Nestlé, Coca-cola e Pepsi para privatizar a água. Tendo em vista esta parceria com o Governo do Estado de São Paulo é importante voltar a este tema para compreender o significado e os objetivos do WRG no Brasil. Um dos documentos fundamentais do WRG é o ‘Background, Impact and the Way Forward’ que revela bastante sobre as origens desta iniciativa.

Na página 6 deste documento, no ‘Prefácio’ escrito pelo então ‘Chairman’ do WRG, Peter Brabeck (Ex- CEO da Nestlé) lemos: “Como ‘Chairman’ do Water Resources Group pelos últimos dois anos, eu gostaria de agradecer aos nossos parceiros e patrocinadores até agora, incluindo o World Economic Fórum (…) o Banco Mundial, especialmente através do International Finance Corporation (IFC), à Agência de Cooperação para o Desenvolvimento da Suíça (…) PepsiCo, SAB Miller, Coca-cola(…). E estamos felizes de saber que o IFC, em nome do Banco Mundial, aceitou abrigar esta nova entidade do WRG.”

E na ‘Mensagem de Introdução’ – página 8 – esta escrito: ”(…) agradecimentos especiais são devidos ao Lars Thunell, Vice-Presidente Executivo e CEO do International Finance Corporation e ao seu excepcional time de especialistas em água.”

Philipp Le Huérou – atual CEO do IFC – faz parte do ‘Governing Council’ do WRG.

Em agosto de 2013 o Banco Mundial junto com o IFC lançou um estudo em que defendiam o investimento do setor privado na área de saneamento e distribuição de água dos países em desenvolvimento para aumentar o acesso dos mais pobres a estes serviços. O estudo afirma que isto ‘não apenas vai melhorar as condições de vida (da população mais pobre), mas representa também um enorme MERCADO POTENCIAL esperando para ser tomado’. (grifo meu – ver aqui)

O interesse principal, claro, está na tomada destes ‘novos mercados’ para o setor privado – na maioria dos casos à custa da privatização do setor público de água e saneamento. Organizar e efetuar estas privatizações é a tarefa do IFC. De fato, o próprio site do IFC nos informa, por exemplo, o seguinte: (https://ifcextapps.ifc.org/ifcext/pressroom/ifcpressroom.nsf/0/03E3C97C6D6A50708525696C0051FD25?OpenDocument)

‘Washington D.C. 2 de Agosto – O IFC, continuando o seu apoio ao amplo programa de privatizações da Argentina, aprovou três novos investimentos em infra-estrutura nos setores de água, energia e portuário”.

No mesmo site encontra-se este outro exemplo:

(https://ifcextapps.ifc.org/ifcext/pressroom/ifcpressroom.nsf/0/567B8DF94A4A90B08525696F0071B5E5?OpenDocument)

Leia também:  Retrocessos na gestão das águas no Brasil, por Vicente Andreu

‘Washington D.C.  17 de abril –O IFC anunciou que foi assinado um acordo entre o Governo do Gabão e o IFC para a privatização dos serviços de água e eletricidade no Gabão.’

Há outros exemplos de processos de privatização de água e outros serviços públicos realizados pelo IFC, como na cidade de Manila nas Filipinas. Como no acima citado estudo do Banco Mundial – saneamento e abastecimento de água nos países em desenvolvimento sendo um ‘mercado potencial’ pronto para ser tomado pelas grandes empresas privadas–o IFC juntou-se à Nestlé, à Coca-cola, e à Pepsi para criar e desenvolver o WRG com o claro objetivo de assegurar um ‘mercado potencial’ para a indústria da água engarrafada.

Na página do site do WRG mencionada acima onde se encontra a informação sobre a parceria com o Estado de SP, estão também os nomes dos representantes do WRG para a América Latina – César Fonseca – e para São Paulo – Stela Goldenstein.  Clicando em cima de cada um aparece o respectivo e-mail, porém não com um endereço do WRG, mas sim do IFC!

É óbvio que o WRG / IFC está em SP para ajudar a conduzir – e disfarçar – o processo de privatização da SABESP pelo Governo Alkmin. Como se trata do WRG, o processo de privatização deve assegurar a parte do mercado que cabe à indústria da água engarrafada, no caso do Brasil principalmente a Nestlé e a Coca-cola. A privatização da SABESP deve levar à deterioração da qualidade da água, na prática obrigando o consumo da água engarrafada. Isso sem mencionar o fato de que São Paulo sofreu recentemente uma profunda crise hídrica e que outras crises semelhantes, com o agravamento das mudanças climáticas, são esperadas. A indústria da água engarrafada será chamada então a dar a sua ‘contribuição’ para a ‘solução’ destas crises. Um arranjo perfeito.

É uma ironia que, após a entrada do WRG no Brasil em 2017, a Nestlé tenha anunciado em 2018 a venda de suas marcas de água engarrafada para o grupo Edson Queiroz. Paul Bulcke – CEO da Nestlé – é o atual ‘Chairman’ do WRG, através do qual a Nestlé continua a assegurar a sua presença e os seus interesses no Brasil. O que a venda das marcas de água da Nestlé revela é que a campanha internacional contra a privatização da água tem atingido duramente a empresa, levando-a a adotar tais medidas. Revela também que as águas do Brasil, mais do que nunca, continuam sendo um ‘alvo’ para a Nestlé e a Coca-cola, mas que, para evitar ainda mais danos à imagem destas empresas causados por uma campanha internacional, convém que seja uma empresa brasileira – o Grupo Edson Queiroz – e uma entidade mais ‘disfarçada’ – o WRG – a levar adiante os processos de privatização. Sobre a negociação da Nestlé com o Grupo Edson Queiroz sabe-se apenas o que foi divulgado pela imprensa, ou seja, não muito. Falou-se da venda das marcas de água, mas nada foi dito sobre a propriedade das fontes de água – ou o direito à exploração das águas – que pertencem à Nestlé e de onde é retirada a água a ser engarrafada pelas diversas marcas. Estas fontes e o direito à sua exploração continuam propriedades da Nestlé ou não? Também não está claro se, na verdade, esta venda represente uma participação da Nestlé dentro do grupo Edson Queiroz. De qualquer forma, cabe lembrar que o último Fórum Mundial da Água realizado em Brasília em março deste ano contou com um amplo patrocínio das grandes empresas da água engarrafada – Nestlé, Coca-cola e AmBev – o que jamais havia acontecido em nenhuma edição prévia deste Fórum. Este patrocínio torna explícito o interesse destas empresas no Brasil e, em tal contexto, não faz muito sentido que, logo após o Fórum, a Nestlé anuncie a sua ‘saída’ do enorme e lucrativo mercado de água do Brasil… Tudo indica tratar-se apenas de uma manobra para evitar críticas internacionais, prosseguindo com as mesmas políticas de privatização por outros meios.

O Grupo Edson Queiroz é uma das maiores empresas brasileiras e o maior grupo nacional no setor da água engarrafada. Renata Queiroz, filha do fundador do grupo e uma de suas herdeiras, é casada com o Senador Tasso Jereissati do PSDB, que por sua vez é proprietário, através da Calila Participações do Grupo Jereissati, de uma das 20 maiores fábricas de Coca-cola no mundo e segunda maior do Brasil. O Grupo Edson Queiroz, comprador das marcas de água engarrafada da Nestlé, tem então, através do Senador Tasso Jereissati, relações bem próximas também com a Coca-cola Brasil… Coincidências.

 Não por acaso, é do mesmo Senador Tasso Jereissati o Projeto de Lei 495/2017 que procura criar um ‘mercado de águas’ no Brasil, através do qual aqueles que detêm a outorga de recursos hídricos possam negociar entre si as partes da vazão a que tem direito.

Tudo indica que, na seqüência do golpe que iniciou o processo de entrega dos recursos naturais brasileiros e a privatização de nossas riquezas, a água esteja no centro de muitas negociações entre grupos privados nacionais e estrangeiros. A AmBev, outra grande empresa privada interessada  nas águas do Brasil , é de propriedade do empresário Suíço- Brasileiro Jorge Lemann, um dos financiadores dos grupos – MBL entre outros – que apoiaram o impeachment da Presidente Dilma Rouseff e que seguem apoiando a agenda de privatizações do Governo Temer. A AmBev, através da empresa SAB Miller, é também membro do WRG.

WRG, IFC, Nestlé, Coca-cola, AmBev, Grupo Edson Queiroz, Grupo Jereissati…

Como se vê, os interesses pela privatização da água no Brasil – seja pela privatização dos serviços públicos, seja pelo acesso direto às fontes de água – estão muito bem articulados no plano nacional e internacional, dispõe de imensos recursos financeiros e consequentemente de um enorme poder político. A presença do WRG no Brasil certamente não vai se limitar a São Paulo, isto é só o começo. O que vem por aí não vai ser fácil… Temos que construir articulações nacionais e internacionais equivalentes, continuar a denunciar as empresas e as instituições por trás dos processos de privatização, ficar atentos e seguir lutando pelas nossas riquezas e pelo nosso bem comum. Afinal, defender nossas águas é defender também o nosso futuro como nação.

Franklin Frederick

 

2 comentários

  1. entreguismo deslavado!

    Extremamente clara a ligação entre essas entidades e personagens imbuídos do intuito venal de declarar guerra à minoria esmagadora de seres humanos que estarão inaptos a pagar preço para sua sobrevida,sem ÁGUA…

    ha alguns anos fui procurada insistentemente,para que aceitasse uma empresa nacional,na exploração das águas do circuito das águas do Sul de Minas,após duas horas de diálogo direcionado a descobrir a verdade,fui fulminada com o ódio deste lobby de uma multinacional que se travestia de carneiro,manso,leal e não realidade um lobo venal,representante de uma dessas ditas acima… Participaram desta tentativa ignóbil, o próprio CEO,artistas famosos,emissoras de TV,com pendências,disputas mercadológicas por mercado de chocolate….. Jogo baixo ,terrível! Concordo com a estratégia é explanação de Franklin! Muita lucidez,no descorrer da relação  do submundo de tamanho crime ambiental e social….

  2. O que está vindo por aqui…
    Nassif, nesta quarta-feira o Conselho Estadual de Meio Ambiente paulista (Consema) autorizou a concessão da sede do Parque Estadual da Cantareira à iniciativa privada. Aparentemente, privatizar 1% dos oito mil hectares do parque não significa muito e vai aliviar no custeio dos R$ 2,5 milhões anuais que o Governo estadual gasta para manter a área, mas na verdade significa o fim da resistência que o Instituto Florestal oferecia ao neoliberalismo verde que há mais de vinte anos governa o estado. Instalado na área a ser privatizada, o IF é o último remanescente da Comissão Geográfica e Geológica que há 144 anos começou a disciplinar a expansão do estado, sob a direção de Alberto Loefgren, que em 1886 passou a ocupar na serra dos cântaros ou das águas o espaço ora cedido à iniciativa privada, dando origem à malha de 86 unidades de conservação que cobre 3,4% do território paulista, protegendo a maior parte das nascentes hídricas que abastecem a população desde que Loefgren, ainda no século XIX, demonstrou a correlação entre vegetação, águas e mudanças climáticas; sem saber que as áreas protegidas ao redor da serra dariam lugar ao Sistema Cantareira, que abastece a maior parte dos 26 milhões de usuários dos serviços da Sabesp. Em processo de privatização desde o início do governo tucano, há 24 anos, a Sabesp tem 49,7% de ações negociadas nas bolsas de valores de Nova Iorque e São Paulo, cujo valor aumenta à medida em que seu principal produto escasseia. Foi assim em 94, quando a capital sofreu o maior colapso hídrico de sua história, e está sendo assim agora, quando o nível dos seis reservatórios – com 45% e não os 75% de volume que deveria ter para superar a estiagem que o advento do Inverno dá início, nesta quinta-feira – prenunciando nova crise hídrica, em que pese o fato de estar recebendo mais 11,4 metros cúbicos por segundo, via interligação Jaguari-Atibainha e desvio do rio São Lourenço para a capital; além de toda água que desvia do Sul de Minas e do interior paulista. Como sempre, principalmente em anos eleitorais, ninguém debate a questão mais intrigante: desde a última crise, a população diminuiu em mais de 15% o consumo porém a crise não passa, assim como ninguém dá muita atenção aos alertas do Instituto de Geociências da USP, dando conta que 50% da água do subsolo paulistano é oriunda dos vazamentos da água encanada da Sabesp, por falta de manutenção da rede pública devido aos cortes que a empresa efetua na folha de pagamento para aumentar o valor de suas ações na bolsa novaiorquina, enquanto não chega a hora de sua privatização por inteiro…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome