Só se consegue minimizar riscos na espionagem cibernética

Sugestão de jns

Do Correio Braziliense via blog Soberano e Livre

Somos todos vulneráveis

 


Conexão diplomática

Silvio Queiroz

As revelações do ex-consultor de inteligência Edward Snowden sobre os programas do governo americano para espionar globalmente a telefonia e a internet não expuseram uma exceção. Ao contrário: segundo o brasileiro André Luís Woloszyn (foto), que é analista da área e tem uma passagem pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, potências europeias, a Rússia e a China, entre outros agentes estatais, fazem o mesmo, na medida do alcance de cada um. Em meio aos desdobramentos do episódio, que rendeu inclusive questionamentos ao secretário de Estado John Kerry, durante a visita que fez a Brasília nesta semana, Woloszyn está lançando Guerra nas sombras, que aborda, entre outros temas, a emergência dos atores não estatais nessa que é uma das atividades mais antigas da civilização — e provavelmente, das mais perenes. Em entrevista à coluna, o autor alerta que, no mundo da cibernética, chora menos quem pode mais em matéria de tecnologia.

O Brasil tem como se defender desse novo tipo de espionagem?
O país tem como minimizar os efeitos. Não tem como se defender, em primeiro lugar, porque nós temos hoje no mundo 12 provedores de internet, e 10 estão nos EUA. No momento em que toda comunicação que se faz tem de ir para lá, não é preciso nem de uma base aqui. Nós estamos pagando o preço pelo fato de não termos tecnologia. A única forma de se precaver é usar mensagens criptografadas, como já fazem alguns grandes órgãos de imprensa mundiais. Também vai ser preciso reduzir aquilo que se diz e que se escreve na internet. No momento, é uma das únicas maneiras de minimizar essa forma de espionagem.

Que tipo de dados está ao alcance de quem faz esse rastreamento, em termos de interesses de Estado?

Em questões estratégicas, temos os interesses nacionais de determinados países que fazem esse tipo de espionagem — não só os EUA, mas também China, Reino Unido, que coletam de dados na web. O Brasil é um país em ascensão, tem muitas coisas de interesse estratégico. Por exemplo, a compra dos caças (para reequipar a FAB), que gerou uma disputa entre empresas francesas, americanas. No passado houve a concorrência para o Sivam. Detalhes sobre o submarino nuclear brasileiro, sobre a política ambiental do governo federal, tudo isso é de interesse. Isso não é novo, vem de Sun Tzu, mas hoje passa a fazer parte da competição econômica, não só da guerra.

Com o fim da Guerra Fria, a espionagem econômica se sobrepôs aos assuntos propriamente de defesa?

A gente tinha um paradigma de atuação na Guerra Fria. Hoje, com as novas tecnologias, a coisa se tornou muito mais acelerada. Também porque as ameaças que surgiram são híbridas. São pontuais e surgem de forma imprevisível. É o caso dos ciberataques: hoje, qualquer guerra será travada no ciberespaço, como também o terrorismo e o crime, inclusive o narcotráfico. O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi um dos primeiros a alertar a respeito dessa questão da privacidade na internet. Ela foi criada para objetivos militares e depois passou a ser o que conhecemos hoje: democratizou o acesso ao conhecimento, venceu barreiras que eram intransponíveis… mas trouxe também a pirataria digital. Hoje, um hacker na África tem o mesmo potencial técnico de uma nação desenvolvida.

Qual é o impacto dos “novos atores”, como você chama no seu livro, nesse “mundo das sombras”?

É um impacto forte, em função das motivações deles. Assim como temos grupos que atuam pela liberdade de informação, temos outros com diversas ideologias e com o mesmo poder tecnológico para efetuar um ciberataque. Em uma sociedade cada vez mais dependente das novas tecnologias, em vez de o terrorista acionar uma bomba, instala um vírus nos computadores de aeroportos e é capaz de produzir o pânico.

Nesse quadro, como ficam os alinhamentos entre Estados, dentro da nova ordem mundial que estamos vendo se formar?

Temos o caso do Snowden, mas também do Bradley Manning (o soldado americano que entregou informações sigilosas ao WikiLeaks). Ele expôs documentos não só militares, mas também da diplomacia. Na minha opinião, esse tipo de informação não tem tanto impacto entre países, mas tem um impacto de mídia. Mas os agentes estatais também fazem esse tipo de interface: a França faz, o Reino Unido faz. Para a opinião pública, isso é inconcebível, mas nos bastidores das relações internacionais, onde se diz aquilo que não pode ser dito em público, isso é visto como natural. A China faz, a Rússia faz…

O episódio do Snowden mostra que persiste nos serviços uma mentalidade de Guerra Fria?

A Guerra Fria durou uns 40 anos, até os anos 1980, quando os órgãos de inteligência estavam preparados para trabalhar com a ordem mundial bipolar. Quando a União Soviética se esfacelou, os serviços de inteligência não tinham mais inimigo, de uma hora para outra. Na Segunda Guerra, eram os nazistas. Depois, o império soviético. Foi um baque, porque a mentalidade dos serviços estava voltada para a bipolaridade. Surgiram outros assuntos, que não costumavam ser avaliados pelos analistas, como meio ambiente, narcotráfico, espionagem industrial… Então surgiu um novo inimigo, o terrorismo, e os órgãos de informações passaram a trabalhar com isso. Hoje, estamos passando por outro desequilíbrio, porque não tem mais como usar o terrorismo como motivo para manter o investimento de milhões de dólares ou euros na inteligência.

Correio Braziliense
Postado por 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome