João Alberto Silveira Freitas, negro, é espancado até a morte em Carrefour de Porto Alegre

O assassinato se deu na véspera do Dia da Consciência Negra. As imagens da agressão foram gravadas e circulam nas redes sociais.

Jornal GGN – João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado até a morte por seguranças do Carrefour, em Porto Alegre. João, negro, foi agredido por dois homens brancos, inclusive um deles PM. O assassinato se deu na véspera do Dia da Consciência Negra. As imagens da agressão foram gravadas e circulam nas redes sociais.

O Carrefour, em resposta à agressão, anunciou o rompimento do contrato com a empresa que faz a segurança da loja e chamou de ‘ato criminoso’.

Os dois agressores foram presos em flagrante. Um deles, como é policial militar, foi levado para um presídio militar. O outro está preso em unidade da Polícia Civil. O crime está sendo investigado como homicídio qualificado.

João Alberto, segundo relatos contidos na investigação, teria se desentendido com uma funcionária do supermercado, que chamou a segurança.

O Carrefour, em nota, informou que começou apuração interna e que tomou providências para que os responsáveis sejam punidos legalmente.

A Brigada Militar, também em nota, informou que o PM que participou da agressão é ‘temporário’ e estava fora do horário de trabalho. Mas a Brigada não informou o que ele fazia no Carrefour.

João Alberto aparece, nos vídeos que circulam pelas redes sociais, sendo surrado por dois homens vestidos de preto, aparentemente uniforme dos seguranças. Os agressores deram socos no rosto de João Alberto, mesmo caído. No vídeo é possível ver sangue pelo chão, e pessoas tentando deter o curso das agressões.

João Alberto Silveira Freitas foi atendido pelo SAMU, e a equipe de urgência tentou reanima-lo depois do espancamento. Inútil. João Alberto morreu no local.

Veja a íntegra da nota do Carrefour

Leia também:  Comissão Arns: É preciso derrubar o apartheid brasileiro

O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário.

O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente. Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais.

Veja a íntegra da nota da Brigada Militar

Imediatamente após ter sido acionada para atendimento de ocorrência em supermercado da Capital, a Brigada Militar foi ao local e prendeu todos os envolvidos, inclusive o PM temporário, cuja conduta fora do horário de trabalho será avaliada com todos os rigores da lei. Cabe destacar ainda que o PM Temporário não estava em serviço policial, uma vez que suas atribuições são restritas, conforme a legislação, à execução de serviços internos, atividades administrativas e videomonitoramento, e, ainda, mediante convênio ou instrumento congênere, guarda externa de estabelecimentos penais e de prédios públicos. A Brigada Militar, como instituição dedicada à proteção e à segurança de toda a sociedade, reafirma seu compromisso com a defesa dos direitos e garantias fundamentais, e seu total repúdio a quaisquer atos de violência, discriminação e racismo, intoleráveis e incompatíveis com a doutrina, missão e valores que a Instituição pratica e exige de seus profissionais em tempo integral.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

24 comentários

  1. $elvagem
    (Os Paralamas do Sucesso)

    A polícia apresenta suas armas
    Escudos transparentes, cassetetes
    Capacetes reluzentes
    E a determinação de manter tudo
    Em seu lugar

    O governo apresenta suas armas
    Discurso reticente, novidade inconsistente
    E a liberdade cai por terra
    Aos pés de um filme de Godard

    A cidade apresenta suas armas
    Meninos nos sinais, mendigos pelos cantos
    E o espanto está nos olhos de quem vê
    O grande monstro a se criar

    Os negros apresentam suas armas
    As costas marcadas, as mãos calejadas
    E a esperteza que só tem quem tá
    Cansado de apanhar

    10
  2. Depois que passar essa onda extrema-direita/nazifacistoide da familicia, a justiça Br vai ter que criar vergonha na cara e por bozo e seus rebentos no fundo de uma masmorra e jogar a chave for….O tenente já tinha que ter sido posto a ferros nos anos em que era militar e planejou atentados para reivindicar aumento salarial…….de lá pra cá, é só crime…..já tempos passamos da fase do “guarda da esquina”, agora qualquer segurança de qualquer bodega se vê no direito de linchar qualquer um…..culpa desse ladrão sociopata que liberou armas e utraviolencia como novo normal…….30 anos de cana é barato pelo “conjunto da obra”…….

    10
    1
  3. “…Um deles, como é policial militar, foi levado para um presídio militar. ”
    Ai esta o erro. Foi um flagrante!
    Deveriam levar este homicida direto para cadeia comum. Retiradas armas e credenciais, após um processo rápido deveriam mandar para presidio comum com pena máxima.

    E o carrefour pode escrever o que quiser. Quem contrata sabe o que está contratando. Portanto deverão ser tratados como cúmplice até que se prove o contrário.

    • As imagens mostram que o Beto agride o segurança. Que será que ele escutou para, em absoluta inferioridade de condições e estando em retirada pacífica, tenha reagido? Qual foi o tamanho da ofensa para se expor ante os criminosos?

  4. Matou porque existe ódio ao pobre e tudo que, de forma preconceituosa, associam a pobreza, incluindo a bandidagem e a cor da pele. Soma-se a isso a necessidade de obter os lucros contínuos, que dependem da transmissão de segurança ao cliente. Pronto, e como nada vai mudar, basta esperar a próxima morte em outro Carrefour (sempre ele, e olha que nem cachorro se salva).
    Nessa história toda o que mais me impressiona é a falta eficiência das nossas instituições públicas em punir e evitar a repetição dos casos contra a sociedade. Por isso que empresas com a Vale e o Carrefour repetem seus erros e continuam aumentando os lucros nesse triste país.

  5. Retirando as exceções, nós já estamos cançados de saber que tem policiais que matam banalmente e gratuitamente. Quando não é pra mostrar o uso errado da sua autoridade é para queima de arquivo ou por puro preconceito mesmo. Da mesma forma e com os mesmos métodos, muitos (não todos) seguranças de empresas privadas de segurança já mostraram e casos passados que estão se achando e seguindo a mesma linha dos policiais militares. Da mesma forma a guarda municipal e a tal da segurança presente começam a trilharcami hos parecido. Autoridade não se impõe, ela se conquista. Mas não será com intimidação, carteirada e o escambau que será respeitada ou temida, afinal homem que não respeita homem não deve ser respeitado, principalmente quem pratica covardia respaldado por uma farda, uma carteira ou um simples título de militar, policial, guarda ou soldado.

  6. Fim do racismo, pelo Porta dos Fundos, vídeo de 19.11.2020

    https://www.youtube.com/watch?v=FV8NtxKpvL8

    “Malcolm X entrou para a história afirmando que é preciso lutar contra o racismo “por todos os meios necessários”. Inclusive pintar a unha de branco, selfie-manifesto e dancinha no Tik Tok. O que você fez pelo fim do racismo hoje? #portadosfundos

    ELENCO
    Nathalia Cruz
    João Vicente de Castro
    José Araújo

    ROTEIRO:
    Nathalia Cruz
    Fabio Porchat

    1
    1
  7. Pra matar não precisa usar arma de fogo. Enquanto NEGROS estiverem falando pelos PRETOS os pretos continuarão a ser tratados como ladrões e bandidos em potencial e sendo mortos aos motes neste país. PRETOS americanos são black e não NIGGER e andam armados

    4
    1
  8. Membro de Torcida Organizada. Já havia ofendido uma Mulher Trabalhadora que estava no Caixa. Continuou sua violência, mesmo sendo conduzido para seu automóvel. Nem sua própria Esposa quis acompanhar Personagem tão afoito à violência. Cidadãos Trabalhadores Brasileiros são submetidos a se defenderem de tamanha VIOLÊNCIA (E CENSURA) devido à omissão e incompetência da ‘ Indústria da Bandidolatria ‘ das Elites deste Estado Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista. Pergunta não respondida nesta Matéria: Será que os Cidadãos Brasileiros que estavam TRABALHANDO no SuperMercado, saíram de suas Casas, deixando suas Famílias, com o interesse, de quem sabe, matar alguém no final do dia? Pobre país rico. 90 anos da Indústria da Bandidolatria e da Censura. Mas de muito fácil explicação.

    2
    13
    • Vc esqueceu de dizer da nobre senhora documentando para a posteridade a ação dos grandes defensores da pátria. Filmar assassinato para divulgar. Pior que nazista. Rapaz. tu és doente.

      7
      2
    • Não entendi, Zé Sérgio, quem morreu espancado era bandido e praticava violência e “Nem sua própria Esposa quis acompanhar Personagem tão afoito à violência?” (Acho que há um erro aí, não seria “afeito” ao invés de “afoito”?) e a “indústria da bandidolatria” se refere a quem, aos autores do homicídio ou á vítima? Esta é a sua mui fácil explicação?

      • claudio marcos : muitos erros da Língua Portuguesa. Por favor pode corrigi-los. Mas neste caso é mesmo ‘afoito’. Um Criminoso que troca tiros com a Polícia é Autor do Homicídio ou Vítima? Para a ‘Indústria da Bandidolatria’ é Vítima. Explica estes 90 anos de doutrinação, que não responsabiliza as Pessoas tentando vitimizá-las, para atacar as Forças Policiais ou Legalistas. Aqui existe um caso de força excessiva. O Processo Legal precisa demonstrar se provocado pela Pessoa que morreu ou pelos Seguranças. Até aqui estão querendo fazer ‘circo e espetacularização’ com investigações em andamento (“…Lourdes Nassif : é uma investigação em andamento…”). abs.

        1
        2
    • “…Lourdes Nassif : é uma investigação em andamento…” Esclarecedor. Aqui já nos parece ‘que o negro espancado pelo “Carrefour” já obteve sua sentença definitiva. Promotor, Juiz e Carrasco numa só Imprensa Ideologizada. A Verdade é Libertadora nas entrelinhas tortas.

  9. Eu vou pedir um esclarecimento jornalístico. Pq o nome das vítimas aparece e não dos algozes, nem da mulher que a tudo filma? É praxe ou é lei? E acontece em todos os jornais.

  10. Quando passo os olhos nos mais de 1.000 comentários abaixo da notícia da UOL sobre esse assunto e vejo um festival asqueroso de racismo, de ataques à vitima, que a gente só acredita porque estão escritos, é que se pode perceber a densidade da grossa camada de ignorância, brutalidade, estupidez, absoluta ausência de compaixão, pura maldade e egoísmo assassino, que se esconde em sombras ao redor de nós, porque não vemos essa gente na luz do dia, fora do anonimato da internet.

  11. A muitos anos deixei de fazer compras em grandes redes. Lojas lotadas, filas nos caixas, precárias condições de higiene, produtos vencidos, aglomeração, desrespeito ao consumidor em várias formas. Agora essa barbaridade, que aliás, não é de hoje. Nunca mais piso nessa rede de lojas. Se não se importam com vidas humanas, talvez se importem com o bolso. Todos deveriam boicotar essa rede.

    • Tem um Carrefour enorme aqui perto de casa, na Alameda Pamplona, que foi depredado ontem.
      Há muitos anos eu faço compras lá de vez em quando. Não irei mais, nunca mais.

      2
      1
  12. Há dias atrás eu comentei aqui em algum dos assuntos eleitorais diversos pós primeiro turno e reforço, com esse caso repugnante: a prioridade absoluta é enterrar o bolsonarismo, essa barbárie doentia. Tanto faz, agora e em 2022, se quem vencer for a direita perfumada ou esquerda. Bolsonaro até pode ser um fisiologista e um tremendo frouxo sem compromisso verdadeiro com nada, incluindo seus discursos e seu gado, mas o bolsonarismo é mais forte que ele! É radical, com crenças e ódios sinceros e implacáveis. O que importa se o brasil é multicultural e multiétnico? O que importa se um “nazista” for loiro, negro, indio ou mulato? O efeito é o mesmo se o sujeito tiver a fé de que o nazismo é bom e ele deve ser nazista, e o efeito é o mesmo ao fazer o “certo dele” em atirar na cabeça de uma pessoa e a mandar à vala.

    Esse fascismo tropical tem as mesmas características de todas as sociedades que viveram isso antes. Na Alemanha dos anos 30, amizades da década anterior viraram hostilidades, na onda delirante, raivosa e lobotomizadora, nas caças às bruxas se criminalizou e se hostilizou quem não se criminalizaria e hostilizaria antes nos anos 20. Uma embriaguez de ódio onde o motivo muitas vezes nem vem dos alvos, mas isso não faz diferença e o embriagado de ódio não sabe nem quer saber.

    Se um “ente mágico” me oferecesse o fim de Bolsonaro com o custo de Dória de presidente em 2022, fecharia acordo na hora, agora! Não arriscaria esperar por coisa melhor, podendo o messias do ódio ganhar se eu não “fechar acordo”. A prioridade é destruir o bolsonarismo, marginalizá-lo, desqualificá-lo e enterrá-lo, começando por um pontapé na personificação dessa catarse raivosa. A prioridade absoluta é retornar à ponderabilidade, à estrada, sair do mato. Não se sai curado de um câncer com saúde de atleta, não me iludo. As esquerdas querem o melhor mundo, eu acho esse desejo uma esperança patética nos próximos anos! Quero o possivel, quero o menos pior, quero um inimigo político de volta e o extremismo fascista enterrado!

    O bolsonarismo é suficientemente radical para ser visto como bárbaro e fascista, é um imenso armário aberto de sentimentos e ressentimentos podres que sempre existiram, mas que jamais sairiam do armário não fosse o sentimento de empoderamento que a vitória da barbárie em 2018 deu. A banalização da violência, das ameaças, do discurso de ódio que já nem se escondem tanto, confortáveis, o avanço destrutivo sobre a natureza (com ameaças e enfrentamento de instituições fiscalizadoras e protetoras, com pedidos de ajuda ao governo contra as instituições do governo), a rebeldia contra a lei que não agrada, a mentira banalizada, o obscurantismo, o “agora tá liberado”, o “agora faço o que quero”, o “agora eles vão ver”, foi tudo escancarado e fede demais.

    Essa podridão desse inverno do bolsonarismo precisa voltar ao esgoto imundo de onde saiu urgentemente, essa psicose coletiva de mil e uma tomadas de liberdade para expor as mais profundas perversões e violências de todos os niveis de gravidade deve ser contida urgentemente. Dane-se se o PSDB e o centrão vencerem!

    Mas não duvido que para um PT degenerado no pragmatismo político, a ultradireita “fique bem”, pelas pauladas que leva da imprensa (ainda que isso não alivie sua destrutividade) e que “perder bonito” (“depois de toda a porrada ainda chegamos no 2o. turno!”) seja bacana, pensando apenas em si mesmo. De novo alheio, talvez de propósito, ao fato que há combates que não se pode perder, que há adversários que justificam todo tipo de aliança para serem derrotados, porque ser derrotado por eles é trágico demais e que diferenças políticas são baboseiras irrelevantes para serem deixadas para depois, quando se retornar à civilização.

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome