O tempo de Marielle, por Ângelo Cavalcante

Enviado por Franklin Jr.

O tempo de Marielle

Por Ângelo Cavalcante*

“…Aquela, que por um momento de humanidade, sonhou com a justiça, lutou por liberdade e ousou ir mais alto do que permitia sua cor”. (Anielli – Poeta, Volta Redonda)

A vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, juntamente com o motorista Anderson Gomes, fora barbaramente assassinada com extensos nove tiros, quatro dos quais, cirurgicamente projetados em sua cabeça. Isso definitivamente não é detalhe! Como não é filigrana contar que Marielle era mãe, jovem, pobre, negra, militante dos direitos humanos e socialista.

Seu assassinato deve ser melhor compreendido e interpretado; já é questão latente e nevrálgica do tamanho do Brasil e evidentemente, não é fruto somente da ação de um indivíduo ou grupo de indivíduos; bem mais complicado, o monstro que levou sua vida é antes, um tempo que sintetiza contemporaneamente a guerra aberta e escancarada entre as classes sociais e que, como bem atestamos, segue firme, profunda, teimosa e em definitivo, sem prazo de encerramento. Aliás, poucas as vezes um crime se apresentou com carga simbólica tão densamente presente.

Quem matou Marielle? Eu digo que foi o tempo! Isso mesmo… O tempo! Não me refiro a esse tempo cronológico, esse tempo que se mede, que se conta, ‘de relógio’. Nada disso! É o tempo como tendência, como movimento e que não está flutuando, flanando caótico, boiando sobre as existências humanas mas que, ao contrário, se apresenta, se revela íntegro sobre as coisas materiais e imateriais. Esse tempo está nas ideias, nos discursos e na estética; nas artes, em suas produções e na política; em discursos raivosos, de pleno ódio e nas relações que o poder estabelece, sobretudo, para com os menores e desassistidos.

Leia também:  Caso Paraisópolis: Doria é pressionado a afastar do posto ouvidor que criticou ação da PM

É tempo integralmente espraiado sobre o Estado e seu funcionamento, suas prioridades, opções e formas de acontecimento. Marielle está e vai continuar no tempo; neste tempo que produz contradições, conflitos e em suas consequências absolutamente imprevisíveis.

Fui claro? Não, claro que não… É que não é possível ser claro com algo tão doloroso, tão profundamente dramático e sofrível. É possível a dor, sua expressão e, quem sabe, algum dialogo a respeito. Particularmente, estou arrasado, acho-me um caco humano, “um pote até aqui de mágoas” como canta o poeta; uma chaga aberta e que sangra. Vou falar dessa dor…

Algum sentido na morte de Marielle terá sentido se, e somente se, for politizada; não poderia ser diferente; é que é assassinato político; é acontecimento abertamente político; como são políticos os cortes sistematizados de verbas para a saúde, educação, moradia e assistência social; como, da mesma forma, é determinação política a matança fabril de cinquenta mil garotos negros ao ano nas cidades do Brasil; o genocídio de mais de quarenta mil mulheres pela bala, fome, estupro ou desamparo puro e simples.

O drama é que Marielle não vai parar de morrer… Sua segunda morte, que já está se dando, acontece pelo conceito; se entendermos, vejam bem, que sua execução fora apenas a “violência” do Rio de Janeiro a estaremos eliminando pela segunda vez. Por obséquio, não sejamos tão ingênuos assim… Essa moça não fora morta pela “violência”; não digam isso… É tudo o que os donos do poder querem ouvir; é a narrativa dos sonhos porque os isenta, inocenta e legitima para continuarem em sua marcha por poder e mais poder.

Leia também:  Edmundo M. Oliveira: o ódio (ainda) está vivo

Aliás, o discurso fácil e em drágeas da violência é apenas a recepção do prédio; é preciso entrar, tomar o elevador e ir para o andar mais alto para, de lá, ver a paisagem, contemplar o “deserto do real” milimetricamente concebido e construído para engolir Marielle e que está me devorando e devorando a cada um de nós.

Retomo a ideia de tempo porque fora justamente esse tempo feito, alimentado e potencializado que conferiu condição, sentimento, afeto e política para que essa jovem liderança fosse executada de maneira tão vil e covarde. E o tempo não é como a gravitação universal que nos traz o dia ou a noite; é produzido, manufaturado; é, por sinal, objeto de disputas e está carregado de intencionalidades; os vencedores lhe impõe valor, sentido, dinâmica e forma de atuação.

E é essa trágica e específica lógica que assassinou Marielle! E a sinistra pedagogia da sua morte me tocou profundamente! Justo na cabeça! Gostaria de pensar sobre isso! É que a cabeça de um ser humano é a convergência da luz, é o vértice ótimo onde ideias são formadas a partir de conceitos, sensibilidades, aprendizados, percepções e experiências pessoais. É ali que reside o pensamento, o instrumental fundamental para o debate, a exposição, a contradita, a defesa daquilo que é certo, adequado e justo.

E logo ela, uma mulher de ideias, palavras, intervenções e defensora de políticas para os que mais precisam… É o tempo que levou e não levou Marielle. Que a matou e que jamais irá conseguir matá-la!

Agora Marielle Franco vai ser semeada em todo esse país de sangue para darmos forma para um tempo de justiça, belezas e poesias.

Leia também:  Após reunião com familiares, Doria decide afastar PMs envolvidos no massacre de Paraisópolis

*Ângelo Cavalcante – Economista, professor da Universidade Estadual de Goiás (UEG), campus Itumbiara.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Comoção Honrosa
    A comoção honrosa não é levante. Não é revolta. Não é ação. É reação. É culpa. É medo.

    “Essa moça não fora morta pela “violência”; não digam isso… É tudo o que os donos do poder querem ouvir; é a narrativa dos sonhos porque os isenta, inocenta e legitima para continuarem em sua marcha por poder e mais poder.”

    Perfeito.

  2. Assassinato político.

    Mariella que tantos a queriam como sua representante, que tinha como unanimidade o bom relacionamento com todos que a conheciam, vem a ser nova mártir dessa guerra de ódios que afeta o Brasil . Perda irreparável que certamente afetará nossas instituições claudicantes. Nossa normalidade social fica postergada indefinidamente. 

  3. Tudo a ver !
    Golpe 2016,Bolsonaro,Reforma trabalhista,condenacao do Lula,destruicao dos programas sociais, morte da cereadira Marielle. A Elite opressora declarou guerra total ao cidadao comum. Estam querendo até execitar mandsto coletivo de busca prisao e apreensão .

  4. Morreu o
    Morreu o motorista,

    primeiramente

    e quase que

    só definido

    na sua profissão.

    Ninguém sabe

    das suas lutas,

    dores e tristezas.

    Sem qualquer

    autoridade

    ou cargo,

    apenas condutor.

    Sem assessoria

    ou nome na porta.

    Nunca chegou

    na sala,

    seu lugar

    era a garagem,

    apêndice do carro,

    em cujo gabinete

    as pessoas

    sentavam

    no banco de trás.

    Anônimo,

    sem microfone,

    talvez até mudo,

    morto

    hierarquicamente

    inferior.

    Robson Alves Soares

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome