Revista GGN

Assine

Plea bargain versus delação premiada, por Leonardo Avritzer

Plea bargain versus delação premiada

por Leonardo Avritzer

Plea bargain seria o equivalente Norte Americano ao processo de delação premiada, tal qual ele existe no Brasil desde a aprovação em 2013 da lei 12.850. Aparentemente os dois institutos teriam objetivos semelhantes, forçar um processo de negociação através do qual o acusado por um crime trocaria informações com a procuradoria tendo em vista a redução da sua pena. De um lado, ganharia o acusado pela redução da sua pena  e, por outro lado, o estado com a certeza de uma condenação que especialmente no sistema Norte Americano é incerta devido ao sistema do júri e às proteções que ele trás ao cidadão. Digo aparentemente, porque qualquer comparação mais aprofundada mostra a pouca relação existente entre o plea bargain no modelo norte americano e a nossa delação premiada.

Linguisticamente chama a atenção que o elemento central do instituto legal em uma língua é barganha e na outra a ideia de prêmio. Não surpreende o nome do instituto no direito anglo-saxão por um motivo principal, o plea bargain se espelha na ideia de contrato, isso é, na ideia de uma troca entre dois indivíduos ou entre um indivíduo e o estado através da qual cada um será capaz de aferir algum beneficio. Portanto, cabe neste caso a ideia de barganha na qual em uma negociação, mesmo em uma situação assimétrica existem ganhos mútuos. Por fim, vale a pena ressaltar que o objetivo do plea bargain entendido de forma contratual é a redução do risco, para o acusado de enfrentar a pena máxima e para o estado de não conseguir condenar o acusado em um tribunal. Portanto, a indeterminação do juiz ou do júri no caso de não aceitação da delação é o elemento principal que força a barganha. E ainda é importante ressaltar as limitações do juiz e procuradoria: as penas nos casos em que a prova existe em geral não são muito reduzidas.

Salta à vista de qualquer observador mais informado que não é apenas o nome que diferencia o instituto legal norte americano do brasileiro. O que diferencia os dois institutos legais são três características: a certeza da pessoa presa de que juiz irá condená-la o que torna a delação premiada no caso brasileiro uma pressão completamente indevida do estado sobre o cidadão; em segundo lugar, o tamanho do premio que é oferecido mesmo nos casos em que estado tem a prova da culpa, tal como estamos vendo no caso da Operação Lava Jato em especial para os diretores da Petrobras, a redução da pena foi de fato um premio. Mas, o terceiro elemento é o mais importante, o poder do juiz.

Vale a pena, mais uma vez, diferenciar o caso norte americano do brasileiro em relação a quem oferece a redução da pena. No caso americano, é o procurador de distrito quem oferece a redução da pena enquanto no caso brasileiro segundo o artigo 4 da lei 12850 é o juiz. Este é um dos elementos principais para entendermos a pessoalização e a privação de direitos realizada pela Operação Lava Jato. Em primeiro lugar, recusar a delação premiada passa a ser desafiar o próprio juiz e, portanto, o risco de não fazê-lo nunca é se submeter à incerteza de um sistema do júri e sim se submeter a certeza da condenação máxima com o vimos em diversos casos. Vale a pena também ressaltar as reduções absurdas de pena oferecidas pelo juiz Moro aos diretores da Petrobras e empreiteiros condenados. Portanto, o elemento central da delação premiada no Brasil é, como seria de se esperar, o rompimento do elemento contratual e o fortalecimento do estado na pessoa do juiz envolvendo inclusive as suas convicções políticas. Só assim é possível explicar a politização da Lava Jato que alcançou o seu paroxismo na semana anterior às eleições com prisões de ex-ministros com objetivos completamente políticos.

Média: 4.6 (5 votos)
4 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

"Só assim é possível explicar

"Só assim é possível explicar a politização da Lava Jato que alcançou o seu paroxismo na semana anterior às eleições com prisões de ex-ministros com objetivos completamente políticos."

Bom dia, doutor.

"Vale a pena também ressaltar as reduções absurdas de pena oferecidas pelo juiz Moro aos diretores da Petrobras e empreiteiros condenados. Portanto, o elemento central da delação premiada no Brasil é, como seria de se esperar, o rompimento do elemento contratual e o fortalecimento do estado na pessoa do juiz envolvendo inclusive as suas convicções políticas."

Caiu a ficha da importancia da subideologia do sinistro projeto de poder petralha? Não está claro que o objetivo era atingir determinado lgrupo político? Desde quando limitaram o escopo da campanha a partir de 2002 - mesmo com os funcionálrios deixando mais de uma vez claro que cometiam crimes desde 96! -ficou claro que o objetivo era político.

Na pratica absolveram os crimes de 96 a 2002 só porque não se encaixaram na "tioria".

Bom dia, doutor.

Seu voto: Nenhum

PJ não VOTA!

O Jornalismo acabou e a eleição não tem fim!

imagem de Hydra
Hydra

Não há contrato, nem aqui, nem lá...

Os dois institutos analisados pelo articulista derivam da mesma fonte, e não por acaso, apesar das "adaptações setentrionais", buscam o mesmo objetivo com alvos diferentes:

Enquanto o plea of guilty, ou plea of bargain, dirige-se a sistematizar a segregação social e econômica de milhões de rejeitados de sempre do sistema dos EUA (negros e latinos, e agora por último, em menor número, e por razões específicas, os muçulmanos), aqui se tem a delação premiada como objeto partidário de destruição de capital político de grupos adversários.

Há um engano comum no texto, próprio de quem analisa a questão apenas pelo viés "jurídico" (seja lá o que isso signifique)...

O acusado nos EUA não conta com a possibilidade, senão remotíssima, de sair-se livre no fim do processo, portanto, não há uma negociação onde o Estado queira afastar a possibilidade, ainda que remota, de absolvição...

Por outro lado, o acusado também sabe que será condenado.

O Estado sabe que o acusado será condenado, tanto pela manipulação das provas desde a colheita pela polícia e parquet, até pela hipossuficiência que coloca a defesa do réu sempre em desvantagem, pelos motivo que também conhecemos, tanto pelo conservadorismo arraigado nos júris, que refletem a visão já pré-determinada dos réus a patir de sua origem, e não com base nas provas (já viciadas).

O acusado sabe sua condenação pelas mesmas razões empíricas.

O que o Estado estadunidense quer, com os acordos, é a declaração de culpado com a maior celeridade possível, para alimentar a máquina privada penitenciária, em alguns casos de estados da federação, e, principalmente, para jogar os declarados culpados no sistema penal, de onde nunca mais sairão, e nunca mais se livrarão das consequências:

- sub-empregos por causa da anotação criminal;

- exclusão de todo e qualquer sistema de proteçaõ social;

- impedimento de votar.

Logo, a reicindiência penal é quase certa, e a política do three strikes you're out (três strikes - bolas perdidas do baseball - você está fora), agora reduzida para two strikes... em quase todos os estados, acarretará aos indesejáveis penas muitíssimo mais duras e a encarceramentos quase perétuos ou perpétuos, em situações draconianas, como duas "condenações " por posse e uso de drogas e uma de furto com invasão domiciliar...ou um assalto sem vítimas...

O artífice-cúmplice desse monstro penal (three strikes policy) chama-se Bill Clinton...

Nesse sentido, não há diferença entre os dois institutos, a não ser pelos alvos, e claro, pelos resultados, mas ambas (as políticas) são instrumentos políticos definidos de ataque de classe por natureza precípua...

Há casos nos EUA de três ou quatro gerações de negros que NUNCA exerceram o direito de votar, desde a escravidão até a Restauration, passando por Jim Crow e agora a nova Jim Crow, a War on Drugs...

E tais estratégias são cruciais no sistema eleioral estadunidense, a ponto de analistas afirmarem que o resultado das eleições de 2000 (Gore vs bush jr) seria outro se o eleitorado negro não estivesse impedido por acordos de culpa (plea of guilty) e parole (condicionais).

É cediço que a presença de negros é muit maior nas bases eleitorais democratas...

Nos EUA, os acordos servem sim aos criminosos mais ricos, tanto pela pouca possibilidade de reincidirem, tanto pela força de suas defesas em processos futuros...Nesse caso, pode-se considerar a transação (pré) processual como um acordo de fato, onde o Estado tem menores chances de condenação...

Não raro, os mais ricos preferem ir ao processo, exercendo o direito expresso no due process of law (devido processo legal), erroneamente interpretado aqui pelo aspecto da legalidade devida nos processos, mas que significa para os EUA algo como o processo legal que é devido ao réu...

No Brasil, a delação não alcança o andar de baixo da criminalidade, muito porque a condenação de pretos e pobres já traz toda uma gama de consequências trágicas, sem que o voto que ainda lhes é garantido quando livres altere o estado das coisas, e por outro lado, porque os crimes cometidos por eles não compensam diretamente a ninguém, ao contrário, é justamente o medo dessa criminalidade que dá coesão ao discurso fascista classe média...

Também não há muita preocupação com os aspectos penais e acordos de culpa no Brasil dos indesejáveis como instrumento de opressão de classe, porque ainda temos as execuções extra-judiciais das penas capitais nas periferias, outro instrumento eficaz de coerção de classe...

Mas repetimos: aqui como lá, não há acordo, e sim extorsão mediante sequestro.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

Seu ponntos estao muitissimo

Seu ponntos estao muitissimo bem feitos e nao vou discordar.

Meu ponto abaixo eh que o plea bargain eh uma instituicao respeitadissima nos EUA e praticamente nao existe alguem que nao o tenha aceitado -nos exemplos quu eu dei foram casos de multas de transito, ja que eu nao poderia comentar nem generalizar a respeito de processos criminais, tendo zero experiencia.

A coisa nao eh bagunca aqui.  Por outro lado juiz de primeira instancia nos EUA nao tem nem jurisdicao para anular processo do supremo, enquanto no Brasil...

Eh uma bagunca.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

So mais uma observacao:  a

So mais uma observacao:  a primeira vez que eu fui em uma corte em Newark, TODAS as pessoas que estavam aa minha frente aceitaram o deal e eu tambem.  (multa de transito)

E a ultima vez que fui em Union (tambem multa de transito), aceitei reduzir as 3 multas me declarando culpado de uma infracao, acho que foi a luz do freio que nao funcionava, nao lembro mais, mas estando dirigindo eu nunca saberia da existencia dela, claro.  A multa foi 60 dolares.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

"Linguisticamente chama a

"Linguisticamente chama a atenção que o elemento central do instituto legal em uma língua é barganha e na outra a ideia de prêmio":

Eh obsceno, de fato:  "plea bargain" eh literalmente "negociacao de pena", ou voce tambem pode traduzir ao que efetivamente eh, "negociacao de culpa".

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.