Bolsonaro e o crime de epidemia, por Larissa Ramina, Carol Proner e Gisele Ricobom

As decisões e estratégias erráticas do Governo Bolsonaro caminham em sentido contrário ao que determina a OMS, que denominou a pandemia no Brasil de apocalíptica.

Bolsonaro e o crime de epidemia

por Larissa Ramina, Carol Proner e Gisele Ricobom

A OMS manteve-se muito cautelosa antes de admitir que a “epidemia” de coronavírus se tornasse uma “pandemia”, termo empregado em caso de propagação internacional de uma doença, em ao menos dois continentes. O termo “pandemia” não deve ser usado em qualquer situação, já que quando empregado, pode gerar uma ideia equivocada de que o combate está finalizado, gerando sofrimento e mortes inúteis. Descrever uma situação como pandemia não muda a avaliação da ameaça imposta pelo COVID-19. A OMS sustenta que, passando de epidemia para pandemia, as mensagens-chave da luta contra o COVID-19 permanecem as mesmas: os países devem se preparar e estarem prontos; detectar, proteger e tratar; reduzir a transmissão; inovar e aprender.

As decisões e estratégias erráticas do Governo Bolsonaro caminham em sentido contrário ao que determina a OMS, que denominou a pandemia no Brasil de apocalíptica. Na legislação penal brasileira há uma conduta que encontra tipificação ainda mais grave. Trata-se do crime de epidemia, inserido no âmbito dos Crimes contra a Saúde Pública, no artigo 267 do Código Penal pátrio, que estabelece: “Causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos: Pena – reclusão, de dez a quinze anos. § 1o Se do fato resulta morte, a pena é aplicada em dobro. § 2o No caso de culpa, a pena é de detenção, de um a dois anos, ou, se resulta morte, de dois a quatro anos.”

O crime se consuma com a propagação da doença, mesmo que dela não advenham casos de morte. O crime de epidemia, quando praticado de forma intencional tem pena que varia entre 10-15 anos. Em caso de morte, todavia, a pena é dobrada e considera-se o crime como hediondo, previsto no Art. 1º, VII, da Lei nº 8.072/90, intitulada “Lei dos Crimes Hediondos”, cujo inciso foi incluído pela Lei nº 8.930/94.

Observe-se que o “crime de epidemia” é praticado por qualquer pessoa que contribua para espalhar um germe patogênico. Trata-se de um crime contra a saúde pública, que atenta contra a saúde da coletividade em geral. E quando o crime é praticado pelo chefe do Poder Executivo de um país, em meio a um contexto de “pandemia” assim enquadrado pela máxima instituição internacional dedicada às questões de saúde, a OMS?

Leia também:  GGN Covid: Ao contrário do que diz Doria, casos seguem avançando em SP

Há fortes suspeitas de que Bolsonaro possa estar contaminado, já que 23 membros da comitiva apresentaram resultado positivo e, recentemente, também seu motorista. A recusa pessoal em mostrar o exame, somando ao sigilo do Hospital das Forças Armadas sobre dois nomes contaminados, reforçam a insegurança de toda uma nação a respeito da saúde do Presidente e da conduta eventualmente criminosa quanto a se expor a risco e contaminar outras pessoas, crimes previstos pelo código penal. No Art. 269 está previsto, inclusive, o crime de omissão de notificação de doença: “Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja notificação é compulsória: Pena – detenção, de seis meses a dois anos, e multa”. A sonegação dessas informações, em momento de pandemia, agrava o comportamento potencialmente criminoso do chefe de estado.

O direito internacional dos direitos humanos age como proteção dos indivíduos contra o poder soberano. Os responsáveis pela elaboração das políticas relativas à saúde pública devem se deixar guiar por normas universalmente reconhecidas em matéria de direitos humanos, essas normas devendo ser partes integrantes das ações nacionais de luta contra o COVID-19 em todos os aspectos e deve, sobretudo, respeitar os protocolos de isolamento, seja para salvar as vidas do seu entorno, mas sobretudo como referência e respeito ao direito à vida.

Quais as consequências para um chefe do executivo que comete crime de epidemia, em conluio com o Hospital das Forças Armadas que comete crime de omissão de notificação de doença? É possível que siga impunemente no poder? E quando Bolsonaro, enquanto chefe do executivo, comete em rede nacional o crime de pandemia ao qualificar de “gripezinha” uma “pandemia apocalítica” assim enquadrada pela OMS?

Leia também:  Nossas escolhas antes, durante e  depois da pandemia: vamos recomeçar?, por Ana Estela Haddad

Larissa Ramina, Carol Proner e Gisele Ricobom, Doutoras em Direito Internacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome