Governo não acredita que Brasil terá 100 mil mortos por coronavírus

"Para o Brasil falar em 100 mil óbitos, nós não acreditamos que chegue nesse número", afirmou o secretário-executivo

Jornal GGN – O ministério da Saúde não acredita que o Brasil chegará a concretizar as projeções de 100 mil mortos por coronavírus no País, considerando uma taxa de mortalidade conservadora, de 0,1% da população nacional. “Para o Brasil falar em 100 mil óbitos, nós não acreditamos que chegue nesse número”, afirmou nesta sexta (3) o secretário-executivo do Ministério, João Gabbardo dos Reis.

O ministro Luiz Henrique Mandetta afirmou que apesar das projeções feitas por instituições internacionais renomadas, a dinâmica da doença, na prática, pode ser outra.

Gabbardo citou, por exemplo, que a China, com 1 bilhão de habitantes, registrou cerca de 3 mil mortes por COVID-19. Se tivesse de seguir a taxa de mortalidade de 0,1% da população, era para o epicentro da pandemia ter alcançado os 750 mil mortos.

Nesse contexto, Mandetta ponderou que os dados oficiais chineses podem não estar refletindo a realidade. “Um País de 1 bilhão de habitantes ter 3 mil mortos é digno de
muitas perguntas.”

Mandetta, por outro lado, não quis contar quais são as projeções numéricas do Ministério. “Existem [estimativas de mortes] de todas as matizes, mais conservadores, mais arrebatadores. Temos um painel, construímos nosso planejamento por consenso.
Temos nossas estimativas, estamos trabalhando, mas não vamos falar: ‘olha, esperamos isso ou aquilo'”, comentou.

Gabbardo aproveitou o momento para reforçar que o Ministério aprendeu, nos últimos 30 dias de crise, que o número de casos assintomáticos de coronavírus é “muito elevado” e por isso mesmo “não é possível só isolar os sintomáticos.”

Esse entendimento foi o que mudou a recomendação do Ministério sobre o uso de máscaras caseiras entre civis, para formar uma barreira mecânica que impeça a disseminação do vírus por meio de gotículas.

Leia também:  Coronavírus: Com mais de mil mortes por dia, doença no Brasil ainda está em crescimento

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Se Deus quiser, que não chegue a metade dessa estimativa. Porém continuo a insistir que “parece” existir uma falta de visão sobre a gravidade do alto risco de exposição que acontece nos postos de vacinas. Sei que não é intencional e Deus queira que eu esteja errado sobre a possível falta de visão do Ministério da Saúde e que em alguns dias não haverá nenhuma estatística voltada especificamente para a população contaminada em filas externas e/ou nos ajuntamentos internos, que ainda ocorrem nas principais redes e postos de saúde e de vacinação.

  2. É uma questão da eficácia ou não das medidas restritivas. Com uma taxa média de letalidade de 4%,teríamos 40 mil mortos por milhão de infectados.
    Como não sabemos para onde estamos indo,qualquer projeção é mera especulação mas, como todo mundo dá seu palpite, vou arriscar o meu: Como é esperado que todos se infectem e somos mais de 210 milhões de brasileiros e destes 5% devem inspirar maiores cuidados, inclusive com UTI,resulta em 10 milhões e meio,com uma letalidade de 4 % teremos 400 mil mortos.
    Torcer para estar errado.

  3. Números/estatísticas não são o forte do doutor manetta.
    Eis as falas da sumidade…
    “A Organização Mundial da Saúde, o senhor presidente da organização, Thedros, ele coloca ‘todo o planeta deve fazer o teste de 100% das pessoas’. Do ponto de vista sanitário é um grande desperdício de recursos preciosos para as nações. Segundo, há maneiras de se fazer percepção de quadro clínico, isolamento domiciliar, isolamento de famílias.”
    GRANDE DESPERDÍCIO DE RECURSOS?!

    “Teremos os números da nossa epidemia e poderemos dizer no final quais foram as diferenças. Uma coisa é ter um país como a Coreia, que tem 4 milhões de habitantes, concentrados num país que eu não posso dizer as dimensões aqui, mas que talvez não seja muito maior do que Sergipe, Alagoas Bahia. Totalmente diferente de um continente sul-americano como é o Brasil. Vamos lutar discutindo com os nossos especialistas”

    OBS. COREIA DO SUL TEM 51 MILHÕES DE HABITANTES
    Talvez por isso que até poucos dias atrás dispúnhamos de ridículos 30 mil kits de teste para um país de 210 milhões de habitantes.

    TRÊS MESES DE AVISO, só agora estão se coçando para comprar testes.

    O real desempenho do doutor manetta…

    “Em meio a pandemia, especialistas apontam deficiências em formulário do Ministério da Saúde, discrepância entre dados estaduais e federais e poucos diagnósticos. Levantamento aponta que Brasil é um dos países que realiza menos testes para o #coronavirus.”

    https://www.dw.com/pt-br/subnotifica%C3%A7%C3%A3o-dificulta-combate-%C3%A0-covid-19-no-brasil/a-52919120

    CORONAVÍRUS: MANDETTA PROMETEU 15 MILHÕES DE TESTES, MAS SÓ ENTREGOU 0,5% ATÉ AGORA
    https://theintercept.com/2020/04/02/coronavirus-mandetta-testes/

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome