Para entender o novo estilo “bateu-levou” da diplomacia chinesa

A mudança seguiu as instruções de que o presidente chinês Xi Jinping (習近平) emitiu diplomatas em um memorando no ano passado, exortando-os a mostrar mais "espírito de luta", disseram duas pessoas com conhecimento direto do assunto.

Do Taipei Times

Diplomatas mais tradicionais tentaram se distanciar das novas táticas, cautelosos em colocar a China em rota de colisão com os EUA.

• Por Keith Zhai e Yew Lun Tian / Reuters, SINGAPURA e PEQUIM

Diplomatas que retornam de publicações no exterior geralmente não recebem atenção especial no Ministério de Relações Exteriores da China, uma vasta burocracia do governo com milhares de funcionários, mas quando Zhao Lijian (趙立堅), um diplomata conhecido por sua presença nas mídias sociais, terminou uma publicação em Paquistão em agosto do ano passado, ele recebeu uma recepção entusiasmada em Pequim.

Um grupo de jovens admiradores do ministério se reuniu em seu escritório para comemorar seu retorno, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto.

Essa admiração foi alimentada em parte por uma briga no Twitter que ele havia se envolvido um mês antes com Susan Rice, que era consultora de segurança nacional do ex-presidente americano Barack Obama. Cada um acusou o outro de ser “ignorante” e uma “desgraça”.

Agora um porta-voz do ministério, Zhao passou a representar uma nova geração de falcões diplomáticos na China, desafiando a restrição que há muito tempo caracteriza o envolvimento do país com o mundo, disseram uma dúzia de ex-oficiais do ministério e pesquisadores do governo que conversaram com a Reuters.

O surgimento deles causou um desentendimento com o antigo establishment da política externa, em meio a preocupações de que uma retórica cada vez mais assertiva pudesse colocar o país em rota de colisão perigosa com potências como os EUA, disseram eles.

A mudança seguiu as instruções de que o presidente chinês Xi Jinping (習近平) emitiu diplomatas em um memorando no ano passado, exortando-os a mostrar mais “espírito de luta”, disseram duas pessoas com conhecimento direto do assunto.

“É a primeira vez desde 1949 que os ‘novos falcões’ têm o poder de reformular a política diplomática da China”, disse Qin Xiaoying (秦曉 鷹), ex-diretor do departamento de propaganda internacional do Partido Comunista Chinês e pesquisador da Fundação para a China. Estudos Internacionais e Estratégicos em Pequim.

Leia também:  A saída da Ford do Brasil, por André Nassif

Conduzindo a mudança é o sentimento generalizado entre muitos chineses de que os EUA querem conter a ascensão do país. A reação agressiva de diplomatas a questões que provocam sentimentos nacionalistas, como os protestos em Hong Kong ou o surto de COVID-19, provou ser popular no mercado interno.

A maioria das pessoas que falou com repórteres sobre este artigo se recusou a ser identificada, dada a sensibilidade do assunto.

Em resposta a um pedido de comentário, o ministério disse que diplomatas chineses de todas as faixas etárias estão determinados a “salvaguardar resolutamente” a soberania e a segurança nacionais.

“Não atacaremos a menos que sejam atacados”, disse o ministério, citando um slogan do ex-líder chinês Mao Zedong (毛澤東). “Mas se formos atacados, certamente iremos contra-atacar.”

Zhao, 47 anos, não respondeu aos pedidos de comentário.

Uma porta-voz de Rice disse que não estaria disponível para comentar. O Departamento de Estado dos EUA não respondeu a um pedido de comentário.

Xi deu suas instruções sobre a adoção de uma postura mais dura diante dos desafios internacionais, como a deterioração das relações com os EUA, em uma mensagem manuscrita para diplomatas no ano passado, disseram duas pessoas com conhecimento direto do assunto.

O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi (王毅), deu a mesma mensagem a autoridades presentes na celebração do 70º aniversário da fundação do ministério, informou a Reuters em dezembro do ano passado.

No ano passado, mais de 60 diplomatas e missões diplomáticas chinesas criaram contas no Twitter ou no Facebook, apesar de as duas plataformas serem proibidas na China, frequentemente usando-as para atacar os críticos de Pequim em todo o mundo.

Zhao promoveu no mês passado uma teoria da conspiração em sua conta pessoal no Twitter de que o Exército dos EUA havia levado o COVID-19 a Wuhan, a cidade chinesa onde a pandemia começou no ano passado.

Leia também:  Professores e pesquisadores do trabalho condenam fechamento da Ford no Brasil

O presidente dos EUA, Donald Trump, aumentou a discussão, enfurecendo Pequim citando repetidamente o “vírus chinês”.

A nova assertividade chinesa é uma resposta em parte à postura mais conflituosa de Washington com a China sob Trump, disseram diplomatas chineses.

“Por que os americanos podem nos criticar constantemente e não podemos repreender os EUA? Ninguém gosta de ser educado o tempo todo ”, disse um diplomata que ajudou uma embaixada a criar sua conta no Twitter.

Entre os novos guerreiros da China no Twitter está o chefe de Zhao, Hua Chunying (華春瑩), que se tornou a principal porta-voz do ministério no ano passado e começou a twittar no mês passado.

Estrela em ascensão, Hua passou várias semanas no ano passado na Escola Central do Partido, que treina funcionários destinados à promoção.

A agressão do Twitter é direcionada não apenas a Washington.

O embaixador chinês no Brasil Yang Wanming (楊萬明) compartilhou um tweet, mais tarde excluído, chamando a família do presidente Jair Bolsonaro de “veneno” depois que seu filho culpou a “ditadura chinesa” pela pandemia.

A embaixada chinesa no Peru criticou Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel, por comentários “irresponsáveis” depois que o homem de 83 anos disse que a pandemia de coronavírus “se originou na China”.

Enquanto a embaixada chinesa em Cingapura foi atrás do ex-secretário permanente do Ministério de Relações Exteriores de Cingapura, Bilahari Kausikan, depois que ele ligou o surto de coronavírus ao sistema político da China. O artigo estava “manchando o sistema político e o sistema de liderança da China”, afirmou.

“Esses diplomatas não estão engajando o mundo com a linguagem diplomática, mas estão tentando agradar o público doméstico”, disse Qin. “Isso não é diplomacia. Isso é muito perigoso.

Muitos jovens diplomatas pressionaram o governo chinês a adotar uma postura mais dura ao lidar com os EUA, disseram diplomatas.

No mês passado, o Ministério das Relações Exteriores fez um movimento sem precedentes ao expulsar cerca de uma dúzia de jornalistas nos jornais americanos.

Leia também:  Caixa completa 160 anos e bancários fazem mobilizações em defesa do banco 100% público

Alguns diplomatas mais tradicionais tentaram se distanciar das novas táticas, cautelosos em colocar a China em rota de colisão com os EUA.

O embaixador chinês nos EUA, Cui Tiankai (崔天凱), porta-voz do ministério nos anos 90, disse em entrevista ao Axios na HBO que seria “louco” espalhar teorias sobre uma possível origem americana para o coronavírus.

“Definitivamente, existe uma divisão entre gerações”, disse Douglas Paal, ex-diretor do Instituto Americano de Taiwan, que serviu no Conselho de Segurança Nacional dos EUA sob os ex-presidentes americanos Ronald Reagan e George HW Bush.

Cui “era e está na tradição de ‘apenas os fatos'”, disse Paal.

Alguns diplomatas aposentados e pesquisadores de think tanks do estado, cautelosos em provocar sentimentos anti-China em todo o mundo, estão escrevendo relatórios internos de advertência, disseram os pesquisadores.

Alguns citam o pragmatismo do primeiro ministro chinês das Relações Exteriores, Zhou Enlai (周恩來), que procurou fazer o maior número possível de amigos pelo país e evitar fazer inimigos.

O espírito de diplomacia de Zhou foi amplamente adotado pelo ex-líder chinês Deng Xiaoping (鄧小平), cuja política de “aproveitar nosso tempo e nutrir nossa força” permitiu à China manter um perfil baixo internacionalmente, concentrando-se no crescimento econômico.

“Os jovens diplomatas estão assumindo o controle da estratégia e querem que seja mais difícil conquistar a opinião pública doméstica”, disse um pesquisador veterano do governo que escreveu um dos relatórios.

A geração mais jovem conhece apenas a China em ascensão e acha que essa é uma lei da natureza, disse Kausikan.

“Às vezes parece que essa nova geração se sente obrigada a ter uma briga pública para provar seu patriotismo”, disse ele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. O fato é que há muito tempo que Washington vem se comportando como gangsters. São muitas décadas provocando e intimidando qualquer um, usando ardis diversos na defesa de interesses muitas vezes mesquinhos. Não é surpresa alguma que outros países tenham enchido o saco.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome