Oposição na Bolívia ordena prisão de Evo Morales, que obtém refúgio na Argentina

O governo da Argentina concedeu ao líder indígena o status de refugiado, o que impede que ele seja extraditado e preso

Foto: Reuters

Jornal GGN – O governo interino e de oposição a Evo Morales emitiu uma ordem de prisão contra o ex-presidente da Bolívia, nesta quarta-feira (18). De acordo com a Agência Efe, o governo da Argentina concedeu ao líder indígena o status de refugiado, o que impede que ele seja extraditado e preso.

A medida ocorre após o Ministério Público da Bolívia expedir um mandato de prisão contra Evo, sendo acusado pelo governo da direita de Jeanine Áñez por “insurreição” e “terrorismo”. Morales está desde a última quinta-feira (12) na Argentina, vindo de Cuba.

No governo do peronista Alberto Fernández, o ex-presidente da Bolívia pediu a condição de refugiado político no país à Direção Nacional de Migrações, o que teria sido concedido, segundo fontes ouvidas pela Efe.

A situação migratória impede que qualquer refugiado seja extraditado da Argentina. A afirmação já havia sido dada pelo ministro das Relações Exteriores argentino Felipe Solá. Entre os direitos garantidos no país, “não serão expulsos ou extraditados para o país onde sua vida, integridade, liberdade ou segurança estejam em perigo”.

Alvo de processo na Bolívia, a opositora política e auto-denominada presidente do país, Áñez apresentou uma denúncia ao Ministério Público contra o ex-presidente ainda em novembro, por incitar a violência, em declarações de Morales desde o México, o primeiro país que recebeu o líder indígenas, após a pressão das Forças Armadas que o fez renunciar do cargo – considerada por diversos analistas políticos como um golpe.

Junto com Evo, o ex-vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, e o ex-chanceler Diego Pary também foram recebidos como exilados políticos na Argentina de Fernández.

Leia também:  Ao vivo: Lula e Fernández debatem a América Latina pós coronavírus

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Mas esta safada “autoproclamada” nao deveria “convocar novas eleições”? Nao foi isso que isentos “observadores” da oea haviam determinado?
    Esta direita é uma cambada de 171.

  2. É mais escancarado que o Brasil, mas foi a mesma coisa, é o mesmo objetivo.
    É uma vergonha para o povo brasileiro se encontrar na mesma situação humilhante
    de republiqueta embananada da américa latrina.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome