Transporte Rodoviário de Cargas: Brasil a reboque do mundo, por Paulo Gala e Fausto Oliveira

Brasil produzindo reboques pouco sofisticados para os caminhões europeus e norte-americanos altamente sofisticados.

Transporte Rodoviário de Cargas: Brasil a reboque do mundo

por Paulo Gala e Fausto Oliveira

em seu blog

A 22ª edição do Salão Internacional do Transporte Rodoviário de Cargas (Fenatran) em foi uma prova inconteste da distância tecnológica do Brasil em relação ao mundo desenvolvido. O setor automotivo é uma das maiores e mais sofisticadas indústrias do mundo. Não há país realmente pais desenvolvido sem ter participação consistente na produção de veículos e seus componentes (dentre os mais nobres: motores, transmissão e diferenciais; entre os menos nobres, as chamadas “autopeças”, como tanques, escapamento, discos de freio etc). A Fenatran mostrou com toda nitidez que o Brasil participa de maneira secundária desta indústria. Veja a lista de empresas produtoras de caminhões que expuseram na Fenatran 2019: Volkswagen (Alemanha), Mercedes-Benz (Alemanha), Scania (Suécia), Volvo (Suécia), Iveco (Itália), DAF (Holanda/EUA), Peugeot (França), JAC (China)

Poucas empresas são concentradoras de uma enorme fatia de um enorme mercado global que movimenta centenas de bilhões anualmente. Representando o Brasil, contudo, havia muitas empresas menores. Centenas de empresas nacionais fabricantes dos chamados “implementos rodoviários” se fizeram presentes à Fenatran. O que são os implementos? Caçambas, carretas, coletores de lixo, reboques. Em todos eles, a junção de tecnologias é reduzida. Portanto, o valor adicionado é menor, refletindo-se em menores divisas tanto para a empresa quanto para a economia nacional (quando se faz uma exportação).

Infelizmente, a realidade de muitos setores metal-mecânicos na indústria nacional bate no limite onde estão os implementos rodoviários. Uma junção de metalurgia, hidráulica e elétrica, a fim de fazer as chapas de aço se movimentarem sob o comando de uma instrumentação mais sofisticada. Como regra, esta instrumentação sofisticada não é produzida PELO país (embora as transnacionais aqui presentes as produzam NO país). O problema é grave pois sem uma base industrial metal-mecânica sofisticada é mais difícil manter (para não dizer aumentar) a base industrial nos demais setores. Se a oferta de máquinas e equipamentos no Brasil for inteiramente dominada por multinacionais, isso significará que toda a nossa infraestrutura e parque industrial serão ainda mais dependentes de bens de capital importados ou apenas maquilados aqui. Ou seja, nosso crescimento se tornaria um fator de aprofundamento do déficit financeiro e tecnológico. O retrato do que se viu na Fenatran vai exatamente neste caminho. Brasil produzindo reboques pouco sofisticados para os caminhões europeus e norte-americanos altamente sofisticados.

Leia também:  Haddad destaca a relação entre o bolsonarismo e a pandemia em coluna

Já foi diferente

Nem sempre foi assim. A Fábrica Nacional de Motores (a popular Fenemê), criada em 1939 para produzir motores aeronáuticos, foi depois convertida em uma produtora de caminhões e automóveis. Mas graças ao presidente Eurico Gaspar Dutra, que sucedeu Getúlio Vargas, a Fenemê foi desmobilizada e em seguida acabou fagocitada pela italiana Isotta Fraschini. Mais tarde, por problemas financeiros nesta empresa, a Alfa Romeo concordou em transferis algumas tecnologias para a Fenemê, que assim viveu um período áureo em que produziu veículos pesados que chegaram a rodar. A nossa indústria automotiva nacional afinal não resistiu quando o governo militar a privatizou em 1968, vendendo-a numa negociação rumorosa à mesma Alfa Romeo (que na época era uma estatal italiana). Na Itália, a Fiat acabou comprando a Alfa Romeo e assim em 1977 a Fiat fechou a Fenemê. Tendo produzido cerca de 15 mil veículos no Brasil, a Fenemê foi substituída por uma inserção menor no segmento de transporte rodoviário de cargas. Uma em que nós ficamos com o reboque, e os desenvolvidos ficam com os motores.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Sempre e sempre encontramos a figura grotesca do tal euricodutra no desmonte do nosso crédito de mais de 3 bilhões de dólares para com os estados unidos no final da segunda grande guerra. De lá para cá, vê-se, nada mudou na ideologia entreguista-negocista com que se formam os oficialescos tupiniquins: entregar, sempre e sempre, foi o discurso e a prática dos miliquentos.

  2. O atrazo do Brasil começa alguns passos antes: a predominância do transporte rodoviário. Um país como o nosso teria que dispor de um sistema logístico otimizado integrando cabotagem, portos, ferrovias, hidrovias, dutovias, estradas, armazéns, terminais multimodais, etc. Tudo em associação com uma política industrial e tecnologia nacional.
    Não será lotando nossas rodovias de traçado antiquado com treminhões a perder de vista, ainda que puxados por cavalos tecnologicamente avançados fabricados pelo Brasil, que conseguiremos eficiência, segurança, redução de custos e sustentabilidade.

  3. Até mesmo em carretos médio (os chamados trucks), onde poderíamos ser minimante mais engajados, o Brasil, pelo visto – pragmaticamente ou não – parece desprezar as suas potencialidades. No passado, por exemplo, tivemos uma Agrale potência gaúcha no setor, mas hoje em menor tamanho. Até um ex-todo poderoso ministro e ex-banqueiro, conhecido pela sua veste “mais desenvolvimentista” na equipe do plano Real, resolveu se engajar no setor, ao iniciar o engajamento no setor produtivo como representante de uma marca chinesa no Brasil.

  4. Ano Novo e continuamos a descobrir a RODA !!!!! “…Portanto, o valor adicionado é menor, refletindo-se em menores divisas tanto para a empresa quanto para a economia nacional…” Cachorro atrás do rabo. É sério que estamos decifrando o ANTICAPITALISMO DE ESTADO Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista? Só levamos 9 décadas?! O 3.o maior Mercado de Caminhões no Mundo, fora nossas áreas de acesso na África, Ásia e Am. Latina, e não temos uma marca sequer de Caminhões? Ainda pagamos 3 vezes mais por Produto inferior que MultiNacionais Européias e NorteAmericanas oferecem em seus Países e Continente de origem? Isto sim que é Reserva de Mercado. Interessante que a maioria das Empresas de Implementos são basicamente e originalmente Brasileiras. Talvez este seja o real motivo de críticas. Nossa Doutrinação pelo AntiCapitalismo de Estado. Sozinho, o 4.o maior Mercado de Automóveis do planeta. E também não temos uma única marca nacional de automóveis.E por falar em AntiCapitalismo Caudilhista de Estado, quando Nossa s Industrias começaram a ser destruídas (como afirma a matéria)? Nas PRIVATARIAS ORIGINAIS dos Governos do fascista Getúlio Vargas, seguido pelo nazista Dutra e seu lacaio da República de Juiz de Fora, factóide do seu familiar Tancredo Neves, o “Paí” dos 50 anos em 5, Juscelino Kubscheck. Realmente 50 anos de Industrialização genuinamente brasileira, foram jogados no lixo em apenas 5 anos de seu Governo. O que poderia dar errado JK? Investimentos Estrangeiros a juros baixíssimos. Dinheiro barato dando ‘sopa’ pelo Mundo. É só fazer divida em dólar e dar o Estado, Empresas, Estatais e Território Brasileiros como Garantia. Abrir o Mercado atrasado, defasado mas ávido por novidades e tecnologia, para a chegada de Concorrência e Investimentos Internacionais que alavancará a Indústria Brasileira. O discurso não soa tão atual? Já ouviram falar das PRIVATARIAS de FHC? E agora com Paulo Guedes, achando que descobriu a pólvora? ‘Quem não conhece sua própria história, blá, blá, blá…..Pobre país rico. O problema é a industria brasileira de implementos tão defasada? Será que Nós entenderemos ou será preciso desenhar? Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome