A militarização da rede de ensino e o fator “boquinha”, por Luis Nassif

O modelo proposto garante a chamada “boquinha”, que consiste no comandante da PM poder indicar, para cada escola, dois militares da reserva, mesmo sem nenhuma formação pedagógica

Há uma explicação simples para o fato do Alto Comando das Forças Armadas reagirem contra essa história de transformação de escolas em colégios militares, e a bancada da bala ser entusiasticamente a favor.

O modelo proposto garante a chamada “boquinha”, que consiste no comandante da PM poder indicar, para cada escola, dois militares da reserva, mesmo sem nenhuma formação pedagógica, para ganhar complementos de aposentadoria de R$ 2 mil por mês. É o que consta dos acordos entre municípios baianos e a PM, para militarização das escolas.

O GGN prepara uma série inédita de vídeos sobre a interferência dos Estados Unidos na Lava Jato e a indústria do compliance. Quer apoiar o projeto? Saiba como em www.catarse.me/LavaJatoLadoB

A Recomendação No. 04/2019 da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal da Bahia, é um laudo definitivo sobre esse jogo das escolas militares, não apenas por desnudar os interesses menores envolvidos, mas por colocar em xeque um factoide disseminado: o de os colégios militares são melhores por dispor de uma pedagogia superior às da rede pública.

Na execução do projeto, o acordo prevê que

“a Polícia Militar indicará policiais militares da reserva remunerada ou reformados para as funções de diretor militar, diretor de disciplinas e tutores, que atuarão na unidade de ensino municipal conveniada, com remuneração mensal paga pela Prefeitura que varia entre R$ 2.000,00 a R$ 3.000,00, resultando em custo anual de até R$ 162.000,00, por colégio”.

A norma atropela a Constituição Federal que, em seu artigo 206, inciso V, dispõe que os profissionais da educação escolar das redes publicas ingressarão na carreira exclusivamente por concurso publico de provas e títulos.

No caso dos PMs, serão selecionados livremente entre membros da prõpria corporação, sem nenhum tipo de exigência.

Pior que isso, os colégios desenvolverão projetos pedagõgicos de acordo com instruções recebidas do Instituto de Ensino e Pesquisa da PM da Bahia. E a direção da escola será dividida entre um diretor escolar e um diretor militar.

Ou seja, PMs inativos serão responsáveis por “coordenar a elaboração e acompanhar o projeto pedagõgico da unidade escolar, administrar a unidade escolar, acompanhar e avaliar os planos, programas e projetos voltados para o desenvolvimento do sistema de ensino da escola, estimular a produção de materiais didático- pedagõgicos na unidade escolar, promover a politica educacional que implique no perfeito entrosamento entre os corpos docente, discente, técnico-pedagõgico e administrativo, supervisionar a distribuição da carga horaria obrigatõria dos servidores da escola, administrar os recursos financeiros, elaborar e executar os planos de cursos e ementas de instrução militar, coordenar a comemoração solene de datas cívicas, fomentar atividades esportivas, presidir diariamente as formaturas matinais e vespertinas, fiscalizar diariamente a apresentação pessoal dos alunos, realizar a fiscalização dos corredores; aplicar instrução militar, orientar diariamente os alunos para obtenção dos padrões disciplinares exigidos pelo regimento escolar, dentre outras”.

Leia também:  Dos 22 ministros de Bolsonaro, 6 estão envolvidos em denúncias, investigações e condenações

A disciplina militar em colégio

Quando ingressa em um colégio militar, o aluno pretende seguir carreira militar. Agora esses padrões serão aplicados indistintamente a todos os colégios municipais.

Os alunos terão que se submeter à seguinte disciplina:

  • Para os alunos, corte de cabelo em padrão militar, com detalhamento rigoroso, além de proibir o uso barba e bigode;
  • Para as alunas, é obrigatõrio cabelo de tamanho longo ou médio, “preso em conque, com redes, a qual deve ter a cor do cabelo”, sendo vedado o uso de penteado “exagerado (cheio ou alto)”.
  • Os regimentos ainda proíbem o uso de brincos que ultrapassem o lõbulo da orelha e de piercings, além de limitar o tipo de maquiagem, batons e esmaltes, cujas cores e tipos permitidos são expressos.
  • São previstas transgressões disciplinares para o descumprimento desses padrões estéticos, inclusive fora do ambiente escolar, quando fardados, podendo resultar até na exclusão do aluno do estabelecimento escolar.
  • Também é considerado transgressão disciplinar o simples uso de õculos esportivo “sem autorização de quem de direito”, ou “namorar, quando devidamente uniformizado, dentro do Colégio ou fora dele”, além de outros comportamentos normais para jovens, sem qualquer justificativa plausível, senão puro moralismo e autoritarismo.
  • Esses regimentos disciplinares autorizam o controle de conteúdo das publicações que os alunos portem ou divulguem, inclusive nas redes sociais, ao proibir “[t]er em seu poder, introduzir, ler ou distribuir, dentro da Escola, publicações, estampas, jornais ou através das redes sociais, que atentem contra a disciplina, a moral e a ordem publica”17 e “levar para a Escola qualquer material estranho às atividades escolares, sem autorização de quem de direito”1.
  • Atos decorrentes do exercício da liberdade de expressão são considerados como transgressões disciplinares, tais como “provocar ou disseminar a discõrdia entre colegas” e “provocar ou tomar parte, fardado ou estando no Colégio, em manifestações de natureza política
  • Igualmente viola o direito à liberdade de expressão as transgressões disciplinares por: “travar discussões com seu colega”, “promover ou tomar parte de qualquer manifestação coletiva, seja de caráter reivindicatõrio ou de crítica” e “dirigir memoriais ou petições a qualquer autoridade sobre assuntos da alçada do comandante do CPM” ou […] sobre assuntos da alçada do Diretor PM do CPM.

Como observa a PRDC, “diferente dos colégios militares, que possuem público específico, com a maior parte das vagas reservadas a filhos de militares, que buscam essa opção baseada na hierarquia e disciplina, cuja finalidade é formar futuros militares, os demais colégios públicos são voltados para a comunidade em geral, composta por pessoas de diferentes personalidades e vocações, devendo formar os alunos e alunas com base no pluralismo e na tolerância, com respeito e incentivo às individualidades e diferenças socioculturais”.

Os resultados dos colégios militares

O documento questiona a suposta superioridade pedagógica das escolas militares, especialmente em dois quesitos que nada têm a ver com projeto pedagógico.

Leia também:  Brasil deve ou não permanecer no Conselho de Direitos Humanos da ONU?

O primeiro é o nível socioeconômico dos alunos dos colégios militares, em comparação com os alunos da rede municipal. O segundo é o gasto por aluno nas duas instituições. É evidente que há um gasto muito maior nos colégios militares, que não será acompanhado na rede municipal.

Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP sobre as notas do ENEN de 2015, o Colégio Militar de Salvador (federal), com a melhor avaliação entre as escolas públicas, tem alunos considerados com nível socioeconômico “muito alto”, enquanto os Colégios da Polícia Militar, com boas avaliações entre as escolas públicas, possuem alunos com nível socioeconômico entre “médio alto” e “médio”.

Ora, um dos elementos essenciais na formação de um aluno, segundo todas as pesquisas, é a família regularmente constituída e a presença permanente da mãe em casa, só possível em famílias de melhor nível socioeconômico. Meramente a transformação de um colégio em escola militar não possui a mágica de elevar o nível socioeconômico da família.

Além disso, questiona a falta de informações sobre as diferenças de estruturas físicas e valores gastos por estudantes nos Colégios da Polícia Militar e nas escolas públicas municipais da Bahia, para comparação.

Mesmo levando em conta todas essas diferenças, “não se tem conhecimento de estudo aprofundado que embasasse a conclusão que a melhor avaliação dos alunos dos Colégios da Polícia Militar, em comparação com a média dos colégios públicos, decorre da citada “metodologia e filosofia” dos colégios militares, e não da melhor estrutura, da forma peculiar de seleção e do nível socioeconômico de seus alunos”.

O documento analisa as pesquisas do INEP, sobre as notas do ENEM de 2015. Das 20 escolas públicas mais bem avaliadas na Bahia, 17 foram unidades do Instituto Federal da Bahia – IFBA ou do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – IF Baiano, instituições públicas de ensino não militarizadas.

Leia também:  Em tom irônico, líder do PSL na Câmara diz que ‘só falta fazer busca na casa do Queiroz’

A “boquinha” na mudança das políticas sociais

A “boquinha” tem sido o maior fator de alterações nas políticas sociais do governo Bolsonaro. A volta do anacronismo “comunidades terapêuticas”, para atendimento de drogados, atende os interesses financeiros de grupos religiosos e de PMs envolvidos no combate ao tráfico. O combate à educação inclusiva visa garantir os currais das APAEs (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) e sociedades Pestalozzi.

Todo esse movimento reflete a ampliação do baixo clero na composição da Câmara dos Deputados, com a ascensão da bancada da bala.

A conclusão final é que colégios militares são ótimos. Para formar militares.

recomendacao-04-2019-prdc-ba-mpf

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Nassif,
    Em tudo temos de resistir!
    Saúdo sua mente equilibrada e sua visão estratégica em tudo. Mais dois jornalistas desse naipe com acesso ao grande público… tietagem explicita! Admiração sincera!
    Ao fato (Bacurau):
    Precisamos de Procuradores/Promotores, Defensores públicos, advogados pela democracia e contra os abusos do Estado contra os cidadãos para impedir, na justiça, que se aplique maioria dessas regras invasivas ao direito do citadão de acesso à escola pública com imposição de uma “ideologia” (Valha-me Deus, é o que eles nos acusam: de usar uma ideologia!), mas, principalmente, sobre a imposição sobre seus corpos, desrespeitando direitos básicos do direito civil regiamente defendidos na “Constituição”.

  2. É verdade que o governador da Bahia é do Partido dos Trabalhadores? É aquele que é cobtra o LulaLivre?

    • Já vi o professor Rudá Ricci, por mais de uma vez, dizendo que o partido dos trabalhadores mudou os rumos, defende no fundo a reforma do estado, nos moldes neoliberais (a contar com o modelo implementado pelos governos federais, os quais esteve a frente, é isso mesmo, mas é tanta falta de clareza nas ações, que, pelo menos eu não consigo, não se consegue descortinar a cena e os rumos.

    • Esse aí foi picado pela mosca azul……e para chegar lá, adotou um discurso antipetista…. esquecendo-se de sua origem……

      A verdade é que ainda tem que comer muito feijão com arroz……

  3. Evidentemente, caro Nassif, que isto se trata do movimento dos peões no jogo de xadrez que você costumeiramente descreve.
    O que se pretende é debilitar a capacidade de raciocínio e fortalecer a disciplina que impede contestações.
    Neste ambiente, é fácil evocar a autoridade do presidente e a obrigatória subordinação que se impõe nas FFAA.
    Desta forma, basta vencer a reeleição e usufruir destes jovens como suporte a se manter indefinidamente no poder.
    O golpe está se aprofundando de modo sinistro.

    2
    2
  4. #DesmilitarizarAsPolicias
    Educação de qualidade não é formar recrutas nem adestrar civis!
    Para estes governos do braZil em o que o rei (bolsonaro), sua prole, seu staf e seguidores pregam que educação deve evitar e renegar a cultura, o conhecimento histórico, as liberdades, as humanidades, as diversidades, o livre pensar; cultuando e pregando a doutrinação com instrutores alinhados com seu fascismo, seus interesses, suas ignorâncias e suas idiotias, a solução é militarizar todos!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome