A revolução [nada] silenciosa das redes. Ou quando o ódio sai pela culatra, por Nathalia Bignon 

A foto de Flávio Dino de óculos escuros, divulgada após a confirmação da reeleição, foi o estalo para direcionar a vontade de fazer oposição ao novo Governo. Criou, dois dias depois, o perfil do @dinodebochado.  

A revolução [nada] silenciosa das redes. Ou quando o ódio sai pela culatra

por Nathalia Bignon 

Na semana passada, Jair Bolsonaro condicionou 53 milhões de brasileiros a único nicho de preconceito: o dos ‘paraíbas’.  E na tentativa de diminuir a lambança frente ao eleitorado, repetiu seu próprio feito, dias depois, ao afirmar que o alvo não eram todos os ‘paraíbas’, mas só o “pior” deles: Flávio Dino, atual Governador do Maranhão. 

A ignorância do incauto, que tem levado ‘minions’ ao delírio e botado lenha no caldeirão do ódio que o Brasil cozinha sua própria história desde a campanha, também tem mobilizado o outro extremo. Fã incondicional do governador maranhense, foi justamente a vitória de Bolsonaro, em outubro de 2018, que levou um ludovicense anônimo a criar um perfil para combater as fake news que se multiplicam nas redes. 

A foto de Flávio Dino de óculos escuros, divulgada após a confirmação da reeleição, foi o estalo para direcionar a vontade de fazer oposição ao novo Governo. Criou, dois dias depois, o perfil do @dinodebochado.  

Depois de reunir mais de 30 mil seguidores pouco mais de sete meses, o perfil extra oficial fez frente à avalanche de falsas notícias contra Dino que inundou as redes esta semana. Falando e escrevendo como o Governador, mesmo sem aval oficial para tal, o criador do personagem explica que esta é uma forma bem-humorada de encarar a política e alertar para a verdade, fazendo uma nova forma de oposição. 

“O Dino tem esse tom debochado e as pessoas se sentem representadas. A ideia era criar um perfil de esquerda, de gente que curte unir política e humor”, conta. 

Em campo de batalhas que já não tem fronteiras, a versão debochada prova que, aos poucos, a esquerda vai aprendendo a lutar no terreno, apoiada no poder das redes sociais. Ultrapassando os limites do Maranhão, o Debochado já reúne fãs famosos, como os globais Bruno Gissoni e Bruno Gagliasso, o ex-jogador Juninho Pernambucano e a ex-nadadora Joanna Maranhão, seguidores e replicadores dos tuítes provocativos sobre a política nacional.  

Quando perguntado se a ‘bolha estourou’ e sobre o real poder de influência, ele reflete: “Eles falam de armas, nós falamos de amores, então acho que estamos conseguindo chamar a atenção para o tipo de conteúdo”, conta. 

Depois conquistar mais de 5 mil seguidores após a polêmica frase sobre os nordestinos, ele arrisca a razão. “Eu não sei se foi exatamente o ódio ao Bolsonaro, porque geralmente o ódio vem dele e dos seguidores dele. Mas tem muita gente se decepcionando e o fato de ter atacado nosso governador, despertou a curiosidade de conhecer o atacado. É aquela história: se Bolsonaro está falando mal, é porque deve ser coisa boa”, apontou.

 

1 comentário

  1. “Aspone da AntiPresidência. Filhote da Elite Paulistana. Um bom filho da mãe…” dirão outros, neste mesmo veículo, contrários aos seus desafetos, revelando a ‘Democracia de Estado Ditatorial’ destas 9 décadas. Preconceito só existe numa única direção. Sabemos. A volta de um Presidente Paulista, maior, mais rico e mais desenvolvido Estado da União é só coincidência. Afinal estamos na Pátria das Coincidências !!! Bom mesmo era o Coronel da UDN, capanga do Regime Militar, Presidente da ARENA, PDS, PFL que Tancredo Neves, Aquele da Redemocracia, um Novo País, trouxe para Vice Presidente e posterior Presidência. Representava muito bem a Redemocracia e nova forma de fazer política. Tancredo Neves, Ministro do Caudilho Ditador Assassino. Do seu círculo familiar. Assim como outros Familiares Socialistas e Progressistas como Leonel Brizola e João Goulart. Morreram jurando lealdade ao Ditador Fascista na construção de uma “Nova Democracia”. E chegamos a 2019. E não sabemos como nem por que. Deve ser tudo coincidência. Afinal estamos na Pátria das Coincidências. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome