Altman: Sobre o lugar histórico de Lula

Nos últimos cem anos, a esquerda só produziu três grandes líderes políticos com influência e protagonismo: Prestes, Brizola e Lula, e só o petista chegou à Presidência.

Ricardo Stuckert

da Página do PT Nacional

Altman: Sobre o lugar histórico de Lula

Em artigo, o jornalista fundador do site ‘Ópera Mundi’ lembra que, nos últimos cem anos, a esquerda só produziu três grandes líderes políticos com influência e protagonismo: Prestes, Brizola e Lula, e só o petista chegou à Presidência. “A burguesia o ataca com tamanha intensidade exatamente pela esperança que representa junto à classe trabalhadora. Porque ele continua a expressar o caminho mais visível para os pobres da cidade e do campo se imporem sobre os interesses oligárquicos”, aponta.

por Breno Altman

A esquerda brasileira, em cem anos, desde a greve geral de 1917, produziu somente três grandes lideranças nacionais, capazes de ter suficiente apoio para assumir protagonismo e comandar o país. A primeira delas, a mais heroica, foi Luiz Carlos Prestes, principal figura dos levantes tenentistas. Seu período de real influência foi dos anos 20 até os 60. Chefiou a coluna que levaria seu nome, conduziu a insurreição de 1935, passou quase dez anos preso e, apesar da clandestinidade e do clima anticomunista da guerra fria, além dos graves erros cometidos por seu partido e por si mesmo, desempenhou papel de relevo até o golpe de 1964. Não é à toa que encabeçava a primeira lista de cassação da ditadura.

A segunda foi Leonel Brizola. Por seu papel na crise de 1961, quando era governador do Rio Grande do Sul e comandou a resistência que derrotaria o golpe militar em andamento contra a posse de João Goulart, vice do renunciante Jânio Quadros, transformou-se em referencia central do trabalhismo, a partir de uma perspectiva nacional-revolucionária que levaria amplas frações dessa corrente, fundada por Getúlio Vargas, ao campo de esquerda. Era a grande alternativa eleitoral das forças populares para o pleito de 1965: em boa medida, a reação militar-fascista se deu para barrar sua caminhada. Desde o retorno do exílio, em 1979, foi perdendo protagonismo, particularmente após 1989, quando não teve votos para passar ao segundo turno das primeiras eleições presidenciais desde o golpe de 1964.

Leia também:  Nasce uma estrela, por Gustavo Conde

A terceira é Luiz Inácio Lula da Silva. Ao contrário de seus antecessores, chegou à Presidência da República. Filho do movimento operário e popular que emergiu nos anos 70, seu líder incontestável, logrou forjar base social e eleitoral para, pela primeira vez na história brasileira, levar a esquerda e um partido orgânico da classe trabalhadora à direção do Estado.

Filho do movimento operário e popular que emergiu nos anos 70, seu líder incontestável, Lula logrou forjar base social e eleitoral para, pela primeira vez na história brasileira, levar a esquerda e um partido orgânico da classe trabalhadora à direção do Estado

Antes que alguém reclame, a nominata não inclui Getúlio Vargas porque o mentor do trabalhismo não era nem nunca se reivindicou de esquerda. Sua trajetória é a de um chefe do nacionalismo burguês que, em seu segundo mandato presidencial, rompeu com os setores hegemônicos da classe a qual pertencia e deu curso a uma inconclusa transição para o campo popular e anti-imperialista.

Tampouco inclui Jango, pelas mesmas razões, e por sua força política não ir muito além do legado getulista.

Também Dilma Rousseff está fora dessa tríade. Mesmo eleita e reeleita presidente, sua ascensão, em que pese biografia de bravura e dedicação, é essencialmente um caso de poder derivado, expressão legítima da liderança e do projeto construídos por Lula e o PT, para os quais contribuiu decisivamente.

Retomando o fio da meada: apenas três protagonistas de esquerda em cem anos.  Não seria motivo suficiente para, apesar de críticas e discordâncias eventualmente procedentes, o conjunto das forcas progressistas tratar esses personagens com a prudência devida aos nossos maiores patrimônios?

Leia também:  Vacina, Política e Ideologia, por Edmundo de Moraes

Mesmo que os listados tenham distintos alinhamentos ideológicos, é inegável seu papel comum, cada qual em um ciclo determinado, de simbolizar a esperança e a unidade do povo contra a oligarquia. Mais que isso, a possibilidade real de derrotá-la.

Dos três, apenas Lula segue vivo e em função.

Como os demais, é nossa dor e nossa delicia. Sofremos com possíveis vacilações e erros, lamentando e até nos revoltando contra certas decisões que parecem desastrosas, além de apoiarmos e aplaudirmos tudo o que fez de positivo. Mas, como cada um de seus antecessores, representa o que de melhor o povo brasileiro conseguiu produzir em sua longa luta emancipatória.

Por essas e outras, defender Lula contra os inimigos de classe é tão importante. A burguesia o ataca com tamanha intensidade exatamente pela esperança que representa junto à classe trabalhadora. Porque ele continua a expressar o caminho mais visível para os pobres da cidade e do campo se imporem sobre os interesses oligárquicos.

Quem não consegue entender isso, e se julga de esquerda, deixa-se paralisar pelo sectarismo, vira as costas para a história e, infelizmente, joga o jogo que a direita joga.

Jornalista e diretor editorial do site Opera Mundi

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. O Golpe civil Militar de 1930 produz o Estado Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista. Julio Prestes avisou os Militares que foram atropelados pelo Motim. A partir daí é derrocada ao Projeto de Latrina e Pária Mundial levando Nação-Continente-Potência ao QuintoMundismo. Está na Matéria. A Verdade revelada. E a Verdade é Libertadora. Caudilho Assassino Fascista monta o Golpe com seus Comparsas. Um deles é Luiz Carlos Prestes. O imbecil juntamente com sua Coluna, dará a volta pelo interior do país. Chegando ao Ceará descobre que o Golpe já foi dado, entre os Fascista Getúlio Vargas e o Nazista Eurico Gaspar Dutra. Crimes. assassinatos, paus de arara e prisões políticas com FILINTO MULLER. O Fascista ainda enviará a Esposa Grávida de sua Filha para Campos de Concentração e Crematórios Nazistas. Mesmo assim terá o seu apoio. Apoio Socialista, dizem os Revisionistas Históricos. A partir do Golpe Civil Militar de 930, o Brasil é controlado por Legislações Fascistas (que vigem até hoje) e pelo Nepotismo de seus Familiares Tancredo Neves, Alzira Vargas, Ivete Vargas, Aécio Neves, Jango, Brizola. ( 3 Presidentes entre 6 Candidatos que disputaram o Posto) Fora isto a Elite Lacaia que ascende junto ao Golpe (UNE, USP, OAB Década Ditatorial de 1930. Coincidência?), República de Juiz de Fora, Braço Político de Tancredo que faz surgir as farsas Juscelino Kubscheck e Itamar Franco mais Sindicalismo Pelego de Legislação Trabalhista baseada na ‘Carta del Lavoro’ de Mussolini. Quem produziu este Brasil nestes 90 anos? As Caravelas?

    11
  2. Lula é centro esquerda, não é esquerda. Ele propõe acomodação com as elites e não ruptura. Não entenda mal, seus governos foram excepcionais, mas insistiu num republicanismo ingênuo colocando inimigos na PGR, quando teve a oportunidade de fazer o limpa nos crimes dp PSDB, na satiagraha, desterrou Paulo Lacerda e abandonou Protogenes, mesmo depois das falsas condenações do chamado mensalão. Não enfrentou a mídia golpista nem as quadrilhas do judiciário e legislativo. Deixou que a bandeira da corrupção fosse capturada pela direita e até hoje o partido não apresenta UM projeto que vise acabar com as mamatas do executivo e negociatas do centrão.

    Esperemos que consiga voltar a presidência e não cometa os mesmos erros pois só há progresso com ruptura!

    3
    1
  3. Estou entre aqueles que julgam que, a partir de 2002, Lula (e o PT) abandona a esquerda e adota viés que, à falta de denominação mais clara e indiscutível, pode ser denominado Centro-esquerda ou Social-democrata.
    As duas denominações são falhas, inconclusivas e eventualmente erradas, mas é o que a exiguidade do espaço deixa como opção, a fim de evitar-se discussões prolongadas e possivelmente estéreis.
    As denominações não importam.
    O que importa é que Lula e o PT, no afã pragmático de chegar ao poder e, uma vez lá, poder de fato obter ganhos para os pobres das cidades e dos campos, jamais cogitou propor alterações estruturais, jamais cogitou questionar essas mesmas estruturas, inserindo os “ganhos para os pobres das cidades e dos campos” dentro de um programa meramente a reboque dos vícios e depravações capitalistas que caracterizam essa mesma estrutura. Ou seja, uma espécie de versão “esquerdista” da teoria de gotejamento. Enquanto tal atitude foi tornada possível, por fatores como os já amplamente mencionados “boom das commodities”, etc. etc. etc., Lula e o PT foram tolerados, como um plâncton que se gruda ao casco de um navio.
    Pois bem, os plânctons começaram a crescer em tamanho e quantidade, e começaram a incomodar os proprietários da embarcação.
    Desculpem a metáfora fuleira.
    Dito isto, e de forma simplificada, rejeito decididamente o rótulo de sectário, e não aceito de forma alguma os rótulos de estar de costas para a História e jogando o jogo da direita.
    A partir da reeleição de Lula em 2006 tenho votado PT, ininterruptamente, após a morte de Leonel Brizola.
    Brizola, aquele que dizia que, quando sentasse naquela cadeira, na manhã do primeiro dia, a primeira coisa que faria seria questionar aquele monopólio…e, certamente, não apenas “aquele” monopólio.
    Lula optou por ser aceito no banquete das elites, julgando poder conquistar essa gente com simpatia e submissão, e, sem incomodá-los excessivamente, juntar as migalhas ao final do banquete e distribuí-los entre os que ficam do lado de fora.
    Vou votar PT aqui em Salvador, novamente. Mas não por ser um voto de esquerda. E também não porque é o melhorzinho entre os ruins.
    Mas por ser o único com estrutura para tanto, e por ainda estar em tempo de retornar ao caminho que abandonou em 2002.

    1
    2
  4. Pois é, descobriram que Lula é apenas um homem e não um super-homem capaz de mudar o rumo do país com apenas um gesto…….mas Lula é diferente, quem aguentaria duas prisões injustas? Quem aguentaria perder parentes amados e no luto, estar enclausurado, longe dos amigos e pessoas amadas? Incrível Lula não ser uma pessoa raivosa, rancorosa, assim como Mandela, preso por décadas, Lula mantém a serenidade, que a maioria que lhe crítica não tem….
    Lula com toda essa resiliência e calma, foi preso duas vezes, ele e toda a família foi vilipendiada, caluniada, conseguiram num processo sem vergonha do tal carf, e aí receita federal vão se levantar contra essa m…?, envolver ele e seu filho na venda do gripen!!!!! que volta deram pra livrar a cara dos larápios que roubam o país e colocar no lugar os culpados de sempre…. a briga e a birra com Lula é mesquinha, apenas querem que ele saia da frente para dar lugar a políticos incompetentes, dissimulados, e pior, raquítico de votos …. calma, Lula, assim como Pelé, não é eterno…..
    Lula erra em não chutar o balde e reconhecer que não terá um julgamento imparcial desses lojistas-adoradores do rabudo-coisa-ruim, assim só dá legitimidade a farsa em que o país mergulhou….

  5. Que dizer de um líder popular que, saindo do governo com enorme aprovação, dedica-se a fundar um instituto com seu nome e a dar palestras milionárias para a grande burguesia? Está foi sua decisão e, com isso, ele mesmo revelou o que pensava ser seu papel. Sua sorte virou, foi perseguido e condenado por aqueles em quem confiou. Prestes e Brizola jamais fariam isso. E é bom deixar a história correr para julgar o papel que Lula terá conquistado ou não nela.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome