IBGE informa: se o governo continuar acertando, vêm aí o FMI, por Maister F. da Silva

o priorizar o agronegócio e inviabilizar a agricultura familiar, a reforma agrária e o campesinato brasileiro, estão gerando uma realidade de pobreza no campo que remete aos anos 80 e 90, de êxodo rural e maior concentração de terra.  

IBGE informa: se o governo continuar acertando, vêm aí o FMI

por Maister F. da Silva

Segundo dados divulgados pelo IBGE na última quarta-feira dia 16 de outubro de 2019, a desigualdade entre ricos e pobres no Brasil atingiu níveis recordes na história democrática do país. A crescente concentração de renda e a imposição da condição de sobrevivência para a maioria dos brasileiros faz parte da política econômica desastrosa iniciada de forma radical pelo Ex-Presidente Michel Temer e aprofundada pelo governo Jair Bolsonaro. 

O xis da questão é a retórica, o governo acerta na implementação da política econômica, social e ambiental que vêm promovendo. O Seu Plano Plurianual denominado “Planejar, priorizar, Alcançar” prevê os programas e ações que o governo deseja implementar. Seu “planejamento” é entregar ao máximo o patrimônio e as obrigações do estado ao capital privado (energia, educação, infraestrutura, etc), “priorizar” os ricos em detrimento dos trabalhadores e da população pobre, sua reforma tributária passa pela estratégia de reduzir custos no pagamento de impostos do setor privado, conseqüentemente condenando o estado a uma menor arrecadação – a mentira, se o estado for menor, terá maior capacidade de investimento. E, “alcançar” 2022 com a confiança do mercado. 

O governo acerta, elegeu-se afirmando que não havia o mínimo de comprometimento com as camadas populares da população e assentado em duas pautas caras a todo o povo brasileiro e as quais ainda não conseguiu dar uma única resposta eloquente, segurança pública e corrupção. O curioso, mesmo o governo envolto em um emaranhado de casos de corrupção e sem nenhuma ação efetiva na área da segurança pública é unânime as pesquisas apontarem que a maioria da população define: o combate a corrupção e a segurança pública são as áreas que mais melhoraram durante o seu governo. O governo acerta, é como uma fumaça com gás inebriante. 

Enquanto o governo acerta, as condições de vida do povo pioram diariamente, o custo de vida já não é condizente com o ganho real do brasileiro, são raras as famílias que não possuem um ou mais membros na condição de desempregados ou submetidos a trabalhos precários. Fruto desse descompasso, a fome é realidade em lares brasileiros, sobretudo nas periferias das grandes cidades. Ao priorizar o agronegócio e inviabilizar a agricultura familiar, a reforma agrária e o campesinato brasileiro, estão gerando uma realidade de pobreza no campo que remete aos anos 80 e 90, de êxodo rural e maior concentração de terra.  

Precisamos ter a clareza que o governo está acertando e implementando a política anunciada durante sua campanha, que o consórcio que o sustentou até aqui continua sólido e beneficiando-se, portanto, não há hipótese de descarte por ora. E, que um descarte por parte dos mesmos nos legaria um condutor do mesmo projeto, talvez mais qualificado. Só um amplo movimento de massas que conteste a ordem capitalista pode impedir o que se avizinha: anos de miséria, um estado dilapidado, sem capacidade de investimento e a possibilidade real da volta do FMI – seria a coroação para os EUA. 

Maister F. da Silva – Militante do Movimento dos Pequenos Agricultores e membro do FRONT – Instituto de Estudos Contemporâneos

12 comentários

  1. Acho que a coisa esta está muito recente para comentário definitivos. Mas não é possível concordar que o modelo antigo que arrumou o país, seja defendido. Será que era melhor ficar como estava ? Uns baderna total. Temos que melhorar sim,e para isso tem que modificar tbm. Se o Presidente está sendo tão atacado é porque está mexendo com interesses de muita gente. E um jornal tem que saber diferenciar isso para divulgar a notícia certa e não ser tendencioso. O POVO aprendeu a entender. Pelo menos boa parte dele

    3
    15
    • Tenha vergonha na cara e pare de falar em jornal tendencioso. Se você votou num candidato que encheu o país de mentiras não tem direito de exigir nada.

  2. Se arrependimento matasse. Esperava um governo diferente e so vejo politicas publicas arrebentando com o povo. Será que ninguem tá enxegandi!

    5
    2
  3. Parabéns Cesar, excelente conteúdo.

    Mas enquanto o povo continuar sendo fantoche de político, enquanto o povo continuar escolhendo um partido para idolatrar e outro para atacar as coisas não vão mudar.

    A classe política deveria servir ao povo, deveria controlar, regular e taxar grandes empresas evitando oligopolio e garantindo saúde, educação, segurança a sua população.

    Infelizmente acontece exatamente o contrário e vai continuar acontecendo enquanto o povo não acordar.

    Artigos como o seu são de grande importância para estimular o pensamento crítico nesse povo que sofre, porém continua acomodado e alienado.

    Muito obrigado!!

    3
    1
  4. Comentário rasteiro expõe o estelionato intelectual do autor que não levou em consideração o tempo de destruição implementado intencionalmente pelos governos anteriores e o tempo desse atual …. Lamentável ….

    2
    6
  5. Até parei para ler… Porém o texto remete a um passado que nunca existiu. Quando a segurança pública foi boa? Na ditadura ou no governo PT? Quando o povo teve ganhos reais que pudesse ter uma vida confortável???? No gov Collor…Itamar? Por favor, não deve ser nós governos PT…. Ou para ser BEMMM razoável, no primeiro mandato do Lula…. E só.

  6. Nenhum Partido Presta, e Nenhum que é, e foi Presidente, também não presta, tudo um bando de corruptos, e Todos da Classe Política estão estão inclusos…
    Ganância!!!!!!!!!! Vão morrer um dia, e não irão Levar nada, só terra…

  7. Vivi os governos anteriores, em especial os do PT, e foram infinitamente melhores que esse governo. Qual medida esse governo está implantando para tirar o povo da crise?

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome