Pandemia, indústria e soberania, por Miguel Torres e Sergio Nobre

O cenário atual abre uma nova oportunidade que não podemos perder, sob risco inestimável de perdas de vidas

Foto: Divulgação

Pandemia, indústria e soberania

por Miguel Torres* e Sergio Nobre**

A indústria brasileira já respirava por aparelhos antes de a pandemia do coronavírus paralisar o mundo. O setor de transformação registrou crescimento de 0,1% no Produto Interno Bruto de 2019. A participação industrial no PIB ficou em 10,4%, percentual muito distante do mais de um terço que já representou na geração de riquezas do País.

Dentre todas as atividades econômicas é na indústria que está o maior potencial de desdobramento para outros setores e de geração de empregos. É fundamental à soberania.

Refém das matrizes de multinacionais que resguardam a criação e tecnologia em seus países de origem, da corrida dos empresários para produzir em locais com forte desregulamentação do trabalho e baixa proteção social e da falta de uma política orientada ao desenvolvimento, o Brasil pouco evoluiu de uma periferia industrial que tira peças de caixas vindas do exterior e as monta para vender.

É nesse contexto de desindustrialização que iniciamos o enfrentamento à maior crise sanitária do Planeta e seus desdobramentos.

O primeiro grande problema é a posição do Brasil nas cadeias globais de valor de grande dependência em vários setores: dependemos de insumos, partes e peças, tecnologias, decisões das matrizes. Em um cenário econômico análogo ao de guerra, essa dependência amplia as vulnerabilidades da economia brasileira, seja pela falta de insumos ou pelo aumento dos seus preços, aprofundando a nossa crise interna.

O momento reforça a necessidade urgente de se repensar a indústria nacional para recolocá-la no patamar de importância que já teve um dia na economia. É central que sejam tomadas medidas de readensamento das cadeias produtivas e da promoção de segmentos mais sofisticados, da atualização do parque industrial, de ganhos de inovação e introdução de novas tecnologias; promover uma indústria diversificada e que resulte no aumento da participação industrial na geração de riqueza nacional, que colabore com a redução das desigualdades e a elevação dos padrões de vida da população, de forma sustentável, visando o desenvolvimento regional e a criação de empregos de qualidade.

Um dos epicentros da pandemia ocorreu justamente na chamada “indústria do mundo”, a China, de quem nos tornamos dependentes de insumos de saúde, como equipamentos de proteção individual (EPIs), testes, reagentes e respiradores.

Leia também:  GGN Covid Brasil: EUA tem mais um dia de recorde de novos casos

Valores de solidariedade, reciprocidade e articulação supranacional na diplomacia internacional foram trocados por um leilão sobre a produção chinesa. Os países que podem pagar mais conseguem insumos em quantidade suficiente e quem não pode enfrenta a pandemia sem recursos, expondo ao risco profissionais da saúde e pacientes, como assistimos no País.

A indústria da saúde é um dos segmentos mais dinâmicos da indústria no mundo. No entanto, assim como os demais setores nacionais, acabou tendo o mesmo destino, ingressando em uma espiral de desnacionalização e empobrecimento de suas cadeias produtivas, se especializando em produtos de baixo valor agregado e com uma oferta insuficiente à demanda nacional.

Com a dificuldade em comprar no mercado internacional, se torna urgente a elaboração de uma estratégia de recuperação da indústria nacional, e particularmente, do complexo da saúde. A medida emergencial é a definição de ações para a reconversão do parque industrial brasileiro em produtor dos insumos e equipamentos necessários ao combate do coronavírus, e salvar vidas.

Esse processo de reconversão deve, porém, servir não somente para atender a demanda que urge nessa pandemia, mas para impulsionar a reindustrialização do País, no médio e longo prazos; uma indústria nacional, com uma estratégia de articulação com universidades, centros de pesquisa públicos e privados, e demais atores, assim com a criação de fóruns tripartites – governo, empresas e trabalhadores – de discussão de estratégias que privilegiem a soberania e o desenvolvimento industrial.

O cenário atual abre essa nova oportunidade que não podemos perder, sob risco inestimável de perdas de vidas. Exige que o governo elabore uma estratégia de reconversão industrial que solucione o desafio colocado pela pandemia, por meio de uma “política orientada por missões”; o ataque a problemas concretos de curto prazo, como a oferta de insumos de saúde; e a estruturação da indústria nacional para que tenha autossuficiência no médio e longo prazos.

Mais do que tirar a indústria da UTI, o Brasil precisa implementar uma política de desenvolvimento produtivo e tecnológico, alinhado com a promoção do desenvolvimento econômico e social, e orientada para melhorar a qualidade de vida da população em envelhecimento, a acessibilidade das pessoas com deficiência, que garanta a sustentabilidade alimentar, a preservação do meio ambiente, energia limpa e também que solucione os problemas de transporte de massa nas grandes e médias cidades, os déficits na saúde e na habitação, entre outros temas relevantes.

Leia também:  Ambiente e Política Externa, por Rui Daher

*Sérgio Nobre, presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores)

**Miguel Torres, presidente da Força Sindical

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome