Um grande conservador do passado “fala” sobre o presente brasileiro, por André Kaysel

Andei pensando em um exercício algo fantasioso de imaginação: o que diria o velho conservador Oliveira Vianna sobre essa reforma administrativa...

Sugestão de Roberto Bitencourt da Silva

Um grande conservador do passado “fala” sobre o presente brasileiro

André Kaysel

Do Facebook de André Kaysel

Andei pensando em um exercício algo fantasioso de imaginação: o que diria o velho conservador Oliveira Vianna sobre essa reforma administrativa…

Creio que a repudiaria, como, aliás, o faria com a trabalhista e provavelmente com a previdenciária. Veria em todas o triunfo do privatismo e do insolidarismo, típicos de nossa formação histórica, contra os quais lutara, sobretudo em seus anos no Ministério do Trabalho.

Sobre Bolsonaro, teria as piores impressões: o triunfo da “anarquia branca”, a capangagem, em sua versão urbana, no poder, liberando os piores instintos do baixo povo. De Guedes, possivelmente diria que representa o pior individualismo dissolvente do capitalismo, sistema do qual sempre desconfiara em alguma medida.

Dos comentaristas da Globo News afirmaria que seriam liberais estrangeirados de quinta categoria, sem sequer a erudição e o brilho oratório do Dr. Ruy Barbosa. Repudiaria ainda as pretensões de Olavo de Carvalho e Damares Alves de se denominarem conservadores. Da segunda desconfiaria, católico que era, do neopentecostalismo, credo que consideraria alheio as nossas tradições ibéricas.

Quanto a Olavo de Carvalho, além de deplorar a sua vulgaridade, reprovaria o seu ânimo de destruição, o contrário da prudência edificadora que admirava nos velhos Saquaremas, como o Visconde do Uruguai.

Em síntese, o jurista fluminense, acabrunhado, lamentaria a destruição de seu legado, e do Dr. Getúlio Vargas, e a incapacidade das novas elites brasileiras de produzirem “homens de prol”, como os do Regresso de 1837 ou os do “Estado Novo” de 1937.

Talvez reservasse alguma palavra elogiosa aos militares, mas reconhecendo o declínio de seu espírito patriótico. Por completa falta de alternativa, Oliveira Vianna estaria do nosso lado, ao menos em algumas questões. Isso nos dá uma boa medida de quão mal estamos.

André Kaysel – doutor em Ciência Política (USP) e professor do Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora