Universidade não precisa de “empreendedorismo”, mas de pensamento crítico, por Luis Felipe Miguel

O "empreendedorismo" exige assumir como próprios os imperativos do mercado que devem ser alvo do pensamento crítico

Arte Galileu

A universidade não precisa de “empreendedorismo”, precisa de pensamento crítico

por Luis Felipe Miguel

Quando eu estava terminando o doutorado, me preparando para ingressar na carreira docente, recebi o telefonema de um ex-professor. Ele me convidava para ser sócio de sua firma de consultoria. Explicou em que consistia a proposta, enfatizou muito que o serviço era consultoria e não lobby e apresentou seu argumento principal: “Você terá uma vida muito mais confortável”.

Eu ouvi com atenção e polidamente recusei a oferta. Não sou nenhum asceta, quero ser bem remunerado pelo meu trabalho. Mas o que a universidade me oferecia era muito mais do que isso: o espaço para pensar com liberdade, para ser útil à sociedade, para contribuir na sua transformação.

Mais de vinte anos se passaram. A universidade brasileira mudou muito, de lá para cá, para o bem e para o mal. Mas continuo insensível ao chamariz do “Future-se” do MEC: não quero a oportunidade de ficar rico. Mesmo, aliás, que isso fosse de fato uma possibilidade aberta, não uma ilusão para tolos.

Quero ter boas condições de fazer meu trabalho. E a primeira condição é autonomia.

O governo Bolsonaro ataca esta autonomia por um lado com a censura ideológica, por outro com o subfinanciamento. Seu projeto é o pior dos mundos: uma universidade dependente das vontades do mercado e, ao mesmo tempo, submissa ao controle dos donos do poder.

A universidade não precisa de “empreendedorismo”. Precisa de pensamento crítico.

Os ingênuos podem perguntar: mas uma coisa é incompatível com a outra? É, sim: o “empreendedorismo” exige assumir como próprios os imperativos do mercado que devem ser alvo do pensamento crítico.

Leia também:  A soberania queima junto com a Amazônia e a venda da Petrobras, por Dilma Rousseff

A proposta do MEC de Weintraub é bastante vaga, mas já dá para saber para onde leva. Subfinanciamento do ensino superior. Entrega de dinheiro público para bancos gerirem. Darwinismo acadêmico em que cabe ao mercado decidir quais são os mais aptos.

Não existe nada, absolutamente nada, que não aponte na direção da privatização da universidade, de sua desresponsabilização com a sociedade, de rompimento de seu compromisso com o povo brasileiro.

Como bem escreveu ontem Antônio Augusto, o caminho deve ser rechaçar liminarmente a armadilha lançada contra nós: “Nada de se dispersar em infinitas discussões, nem levar a sério as ‘propostas’ do Vire-se. Ao contrário, devem ser ridicularizadas, pois não são sérias, são irresponsáveis, destruidoras, e antipatrióticas”.

Eu me pergunto se seremos capazes de dar esta resposta. Até agora, nossas organizações reagiram mal ao golpe e ao bolsonarismo. Resistem a admitir que o governo é formado por nossos inimigos e continuam fazendo o teatrinho do diálogo republicano – por exemplo, quando Bolsonaro declarou que as universidades não produzem conhecimento ou quando Weintraub disse que as ciências humanas não servem para nada, saíram educadas notas dizendo que eles estavam “mal informados”, em vez da denúncia forte de que era o obscurantismo falando.

A Andifes já anunciou que vai formar “grupos de estudo” para analisar a proposta. No jornal, vi um educador – de esquerda, filiado ao PCdoB – apresentando como principal preocupação a transição do sistema atual para o mercantil.

Se é essa a nossa resposta, estamos mal.

Leia também:  A destruição da ciência brasileira na era Bolsonaro, por Felipe Melo

Não dá para pautar a discussão da educação por um projeto que desprezou reitores, professores, estudantes, especialistas, nenhum deles consultado na elaboração, para alinhavar meia dúzia de dogmas ultraliberais e colocar a universidade sob gestão de bancos.

É hora de reafirmar com clareza nosso compromisso básico: universidade pública, gratuita, laica, de qualidade e socialmente referenciada. Nenhum projeto que negue esses valores merece discussão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Como docente de uma universidade federal, subscrevo o artigo de Miguel É hora de dizer um sonoro `Não´ a esse projeto claramente alinhado com uma noção ultraliberal de ciência É o sufocamento do pensamento crítico A universidade não pode dialogar com essa mediocridade e esse projeto de destruição da educação

  2. E as escolas militares, hein?

    Diria Rubem Alves:

    “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.

    Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo.

    Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado”.

    Universidade pública, gratuita e de excelente qualidade para os Trabalhadores. Não às Escolas Militares. Ensinarão ódio e torturas aos alunos, preparando-os para serem buchas de canhão do sistema.

    • Só que o pessoal das periferias está doido para ir a uma escola onde bandido não entra, e há ensino ao invés de alunos dançando funk em frente ao quadro-negro.

      O problema de dar asas é que quem recebe asas sai voando. Para haver aprendizado, é preciso que os alunos permaneçam na sala de aula, sem voar por aí. É tolice achar que pode haver ensino sem disciplina. Sem disciplina não se faz nada. Nem revolução.

  3. Tanto o empreendorismo quanto o pensamento crítico competem ao indivíduo, e não à universidade. Estes não deveriam ser os propósitos explícitos da universidade, que a meu ver, deveria ser apenas uma correia de transmissão de conhecimento daqueles que detém o conhecimento para os que não o detém, e um forum de debates para aqueles que têm conhecimentos equivalentes. Nada além disso. Aí depois, se o aluno quiser ser empreendedor ou pensador crítico, é com ele, e a universidade não tem mais nada a ver com isso.

  4. Nós, o povo, não temos como contestar a opinião do digno professor. Mas lhe perguntamos , poderia nos informar qual é o índice de gasto com pessoal nas universidades? Dizem que em algumas chega a 85% da verba destinada essas escolas de ensino superior. Qual a solução para eliminar tal suposto desequilíbrio? E não me digam que 85% não é preocupante.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome