Eleição na Coreia do Sul: A ascensão de Yoon Seok-Yeol de promotor rebelde a presidente – análise

Yoon tornou-se 'o político mais requisitado' após sua renúncia abrupta como procurador-geral em março de 2021.

Do Fórum do Leste Asiático

Eleição na Coreia do Sul: A ascensão de Yoon Seok-Yeol de promotor rebelde a presidente – análise

Por Hyung-A Kim*

A disputada eleição presidencial da Coreia do Sul em 9 de março resultou em uma vitória para o ex-procurador-geral Yoon Seok-yeol, da oposição conservadora Partido do Poder Popular (PPP). Yoon se tornará o próximo presidente depois de reivindicar a vitória com uma margem mínima de 0,73%, ou 247.077 votos, sobre seu rival Lee Jae-myung, do Partido Democrata (DP).

Pela primeira vez na história da Coreia do Sul, um novato político  venceu  a eleição presidencial, arrastando o PPP para fora do deserto político. A vitória vem cinco anos após o impeachment da ex-presidente Park Geun-hye, do partido antecessor do PPP, que foi deposta pela  Revolução da Luz de Velas de 2016-17.

Yoon não tem experiência na Assembleia Nacional nem habilidades comprovadas de governo. Ele esteve envolvido em muitos escândalos envolvendo membros de sua família. Alguns conservadores também criticam Yoon como  culpado  por seu papel em indiciar os ex-presidentes conservadores Park e Lee Myung-bak, causando o impeachment de Park antes que ela e Lee fossem presos. Park foi  perdoado  em dezembro de 2021.

Mas Yoon tornou-se um ídolo público e da oposição quando, como procurador-geral, investigou  a suposta corrupção do ex-ministro da Justiça Cho Kuk . O confronto de Yoon com o sucessor de Cho, o ex-ministro da Justiça Choo Mi-ae, por causa da autoridade judicial, o levou a renunciar e concorrer ao cargo presidencial.

A eleição de Yoon, apenas 370 dias após sua renúncia como procurador-geral, é inseparável de seu histórico comprovado como promotor rebelde.

Filho mais velho de uma família relativamente abastada de acadêmicos em Seul, Yoon passou no exame da Ordem dos Advogados do Estado em sua 10ª tentativa aos 31 anos em 1991, depois de fazer nove vezes o exame anual da Ordem dos Advogados desde que estudava Direito na Universidade Nacional de Seul.

Yoon tornou-se popularmente conhecido como um promotor rebelde depois que ele fez uma  revelação bombástica  em outubro de 2013. Durante um exame da Assembleia Nacional, Yoon afirmou que havia sido pressionado a parar de investigar o suposto papel do Serviço Nacional de Inteligência durante a eleição presidencial de 2012 na manipulação da opinião pública através das redes sociais e online para apoiar o Park. Após sua divulgação, Yoon se tornou um homem no exílio, por quase três anos consecutivos a partir de março de 2014, tendo sido  rebaixado  para filiais regionais menos importantes, incluindo Yeoju, Daejon e Daegu.

O momento de Yoon veio quando o presidente Moon Jae-in, ao assumir o cargo em 2017, o escolheu a dedo como promotor-chefe do Ministério Público do Distrito Central de Seul. Ele liderou a reforma de ‘limpeza de males profundamente enraizados’ de Moon, que resultou na prisão de elites dominantes conservadoras, incluindo Park e Lee.

Yoon tornou-se ‘o político mais requisitado’ após sua renúncia abrupta como procurador-geral em março de 2021. Até então, ele era considerado por muitos sul-coreanos como um defensor do estado de direito e do interesse público, tendo investigado casos de corrupção envolvendo o presidente Moon, aliados próximos, principalmente o escândalo Cho Kuk. Nesse contexto, Moon tem sido o maior contribuinte para a improvável vitória eleitoral de Yoon.

Para os apoiadores de Yoon, sua eleição presidencial é um triunfo para a democracia sul-coreana, mostrando a disposição dos eleitores sul-coreanos  de punir  Moon e o fraco desempenho de seu partido. Para eles, o governo Moon enfraqueceu a democracia sul-coreana ao monopolizar os assuntos do Estado e a Assembleia Nacional, o que levou à reação dos eleitores.

A margem estreita de Yoon também significa que quase a mesma parcela do eleitorado votou no oponente do DP de Yoon, mostrando a divisão acentuada na sociedade sul-coreana. A tarefa mais urgente do presidente eleito agora é unir a sociedade e o povo sul-coreano, desiludidos com os preços altíssimos das moradias, aumento da renda e desigualdade de gênero e a pandemia do COVID-19.

Moon e Yoon realizaram uma tão esperada  primeira reunião oficial  em 28 de março, após um atraso de 19 dias. Na reunião, os presidentes cessante e entrante concordaram em cooperar para a transição suave do poder, apesar da preocupação inicial de Moon sobre um potencial ‘vácuo de segurança’ sobre o plano de Yoon de realocar o escritório presidencial, a Casa Azul. Yoon também prometeu que continuaria as políticas bem-sucedidas do governo Moon e melhoraria as demais.

Mas um confronto público eclodiu pouco depois. Moon criticou a mudança da Casa Azul para o prédio do Ministério da Defesa Nacional, onde Yoon quer realizar sua posse em 10 de maio. Enquanto isso, Yoon chamou as chamadas ‘ nomeações de páraquedas ‘ de Moon de pessoas pró-governo para cargos importantes em instituições públicas antes que seu mandato expire.

Alguns críticos argumentam que Moon e o presidente eleito estão buscando posições hostis para reforçar suas bases de apoio antes das eleições locais de 1º de junho. Diante de vários desafios nacionais – incluindo o  aumento da inflação devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, a onda mortal Omicron  da Coreia do Sul com recorde de novas infecções e mortes e  o teste de um ICBM avançado pela Coreia do Norte  – ambos os lados precisam trabalhar juntos. Yoon, em particular, não pode realizar seus principais compromissos, incluindo a reorganização do governo, sem o apoio do agora opositor DP, que detém 172 assentos na Assembleia Nacional de 300 membros.

A cooperação bipartidária é crucial para Yoon avançar na democracia sul-coreana, especialmente na superação da desigualdade de gênero. Muitos cidadãos demonstraram preocupação com a plataforma antifeminista de Yoon, que ele adotou durante sua campanha.

As eleições locais de junho de 2022 serão o primeiro teste da liderança de Yoon. Ele fornecerá um teste decisivo para o sucesso de sua administração na promoção de políticas inclusivas e políticas bem consideradas com base no consenso público, equidade e justiça.

*Sobre o autor: Hyung-A Kim é Professor Associado de Política e História Coreana na Escola de Cultura, História e Língua da Universidade Nacional Australiana.

Fonte: Este artigo foi publicado pelo Fórum da Ásia Oriental

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Luz e trevas: Coreia e Brasil cada vez mais distantes, por Uallace Moreira e Vitor Filgueiras

Quem é Yoon Suk-yeol, conservador eleito novo presidente da Coreia do Sul

Moro coreano candidata-se a presidente da República

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador