Elias Jabbour
Elias Jabbour, é doutor e mestre em Geografia Humana pela FFLCH-USP. É professor dos Programas de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI) e em Ciências Econômicas (PPGCE) da UERJ. É autor de quatro livros e dezenas de artigos acadêmicos e de opinião sobre a China e o socialismo de mercado como uma nova formação econômico-social.
[email protected]

Fora do dólar? Brasil e China construindo o futuro do Sul Global, por Elias Jabbour

Brasil e China com esse acordo monetário deram um grande passo no sentido de reorganização dos interesses do Sul Global neste novo momento histórico

Fora do dólar? Brasil e China construindo o futuro do Sul Global

por Elias Jabbour

Antes de tratar do assunto principal deste artigo, acho necessária uma grande digressão histórica para situar o nosso leitor do alcance dos acontecimentos que estão a ocorrer no mundo hoje. Vamos lá.

Nguyen Von Giap, comandante dos exércitos guerrilheiros que derrotaram o imperialismo no Vietnã, foi perguntado sobre a razão da vitória sobre o “mais poderoso exército do mundo”. Sua resposta foi objetiva: a “inteligência” dos generais dos USA. Na verdade, a falta de inteligência desses generais. Essa mesma falta de inteligência já havia levado o imperialismo a uma derrota na Guerra da Coreia (1950-1953). Muitos na década de 1990 imaginavam que a vitória dos USA na Guerra Fria contra a União Soviética havia demonstrado que a história sempre esteve ao lado dos Estados Unidos. Foram raras as exceções que diziam o contrário e já apontavam os limites do poder e as fragilidades da sociedade norteamericana. Entre eles, um dos membros da alta liderança chinesa, Wang Huning, que escreveu em 1991 um interessante livro chamado “America against America”.

Novamente a inteligência dos generais dos USA vão confirmando sua fama histórica. No campo interno e externo a exportação da financeirização como novo padrão acumulação global está demonstrando seus limites e levando o próprio capitalismo ao colapso e transformando os USA em uma exportadora de seitas de extrema-direita. Uma série de decisões políticas equivocadas tomada nos últimos 20 anos deixam clara essa “inteligência”. Uma série de intervenções militares massivas e altamente custosas colocou os USA em um beco sem saída que vai das guerras no Iraque e Afeganistão até apoio a milícias islâmicas, e também participação direta, que destruíram um dos países mais estáveis da África (Líbia), a tentativa de derrubada de Bachar Al-Assad na Síria e a expansão da OTAN até as fronteiras da Rússia. Foram várias as frentes de batalha, incluindo golpes (Honduras, Paraguai e Brasil) e tentativas de golpe (Venezuela, Bolívia) onde as digitais do imperialismo eram claras. A crise de 2008 e o surgimento de blocos alternativos mundo afora, como o BRICS, fizeram os USA dobrarem a aposta na tentativa de impor uma ditadura fascista em âmbito global.

Já falando no Brasil, nosso país foi um grande laboratório de testes das chamadas guerras de quinta geração: Guerra de narrativas, financiamento de organizações criminosas, financiamento de organizações para-militares, ONGs com interesses duvidosos e cooptação de setores do serviço público, principalmente do poder judiciário. A intenção era clara: destruir um capitalismo que estava emergindo com força desde a vitória dos governos populares de Lula da Silva e Dilma Roussef e para isso uma grande operação foi esboçada no Departamento de Estado com vistas à destruição de nossa indústria e a prisão de Lula e, enfraquecer os BRICS e retirar Dilma Roussef da chefia do Estado brasileiro. Desde o golpe de 2016 o Brasil passou por um processo de autodestruição que Lula da Silva tenta impedir.

Em nível internacional, desde Obama, outro movimento estava em andamento que consiste na transformação plena do dólar em arma de destruição em massa. Todos sabemos sobre os bloqueios financeiros que sofrem Cuba, Coreia Popular, Irã, Venezuela e outros inimigos do imperialismo. Atualmente cerca de um terço dos países do mundo sofre algum tipo de sanção comercial ou financeira pelos Estados Unidos. Mas existe limites para tudo na vida, inclusive para um poder que se julgava invencível. O imperialismo chegou seu limite ao forçar a Rússia a entrar em um conflito na Ucrânia para em seguida tentar “expulsar a Rússia do mundo”, incluindo sanções financeiras e congelamento de ativos em dólares. Ninguém tenta expulsar um país do tamanho da Rússia e com seus imensos recursos naturais e industriais impunemente. São momentos como este na história que um dia vale mais do que décadas de luta.

Tudo isso ocorria enquanto a China já tinha se tornado o maior parceiro comercial de 140 países e a Iniciativa Cinturão e Rota já era responsável por cerca de 3000 projetos de infraestruturas em todos os cantos do mundo. É irresistível a analogia histórica: foi justamente com a utilização do dólar para financiar obras na Europa na década de 1920 que os Estados Unidos iniciaram o projeto de transformação do dólar em moeda de referência internacional. Ora, o congelamento de ativos financeiros russos denominados em dólar demonstrou o inegável: os Estados Unidos nunca foi um país confiável e suas preocupações não passam por democracia e direitos humanos. A manutenção de seu poder total no mundo demanda a completa desestabilização da ordem internacional e o conflito na Ucrânia é mais uma expressão desse processo de “desordem mundial” patrocinada pelo imperialismo.

E o Brasil? Há cinco anos o então ex-presidente Lula da Silva foi condenado e preso pela operação Lava Jato em um processo posteriormente denunciado como a maior farsa da história da justiça brasileira. A esquerda brasileira passava por um processo de brutal destruição de sua imagem pela grande imprensa e a extrema-direita comandada por Jair Bolsonaro passava a ser força hegemônica no cenário político nacional. Junto com Bolsonaro veio a completa submissão do Brasil ao governo de Donald Trump, uma política econômica ultraliberal e um rastro de fascismo que quase destruiu a sociedade brasileira. Anticomunista e abertamente contra a China, Jair Bolsonaro foi a página mais triste da história brasileira. E continua com muita força política mesmo após sua derrota nas eleições gerais de 2022.

O que ninguém imaginava é que não somente Lula da Silva sairia da cadeia. Ele liderou uma frente ampla antifascista que derrotou Bolsonaro nas últimas eleições. No front externo, sinalizou com a volta de uma política exterior em prol da multipolaridade e de um Brasil mais próximo da China e do Sul Global. Mais uma reviravolta típica na história de nosso país.

O maior país da América Latina voltou a ser governado por forças progressistas, mas o preço da destruição de nosso país tem sido muito caro. O país se desindustrializou rapidamente com seu capital industrial destruído, cerca de 100 milhões de brasileiros vivem em estado de insegurança alimentar, institucionalizou-se o trabalho precário e o ódio passou a fazer parte de nossa sociedade. Por mais que Lula sinalize para uma participação mais ativa do Brasil no mundo, a realidade de nosso país não é a mesma a época em que chegamos ao posto de sexta maior economia do mundo. A ascensão chinesa acendeu o alerta generalizado no chamado “ocidente”. O Brasil tem sofrido muita pressão em todos os fóruns internacionais no sentido de tomar uma posição, por exemplo, em relação ao conflito na Ucrânia. Mais: as autoridades norte-americanas já assumem publicamente que os investimentos chineses na América Latina devem ser tratados como um problema de segurança nacional. É neste mundo em transição que nosso país é chamado à sua reconstrução.

Enquanto o Brasil passava por uma grande prova existencial a China inaugurava o paradigma “Laos/Camboja” em detrimento do paradigma norte-americano “Iraque/Afeganistão”. A China levou ferrovias e outros tipos de infraestruturas aos dois países citados enquanto os Estados Unidos destruíram om bombas o Iraque e o Afeganistão. O socialismo voltava a pautar as relações internacionais em oposição ao imperialismo. Não como nos tempos da União Soviética onde se apostou em financiamento direto de insurgentes pelo mundo e sim pela via da construção de um ponto de gravitação conforme Marx imaginava para o “socialismo” que surgiria primeiro na Inglaterra, França e Alemanha e a periferia do sistema se tornaria socialista por gravitação econômica. A China socialista é esse ponto hoje e com a conflito na Ucrânia e a desmoralização do imperialismo no Oriente Médio novas paradigmas em matéria de relações internacionais são inaugurados pela China. O lema da “construção de uma comunidade de futuro compartilhado” é um fato objetivo, não apenas palavras vazias.

Voltando ao dólar e a desdolarização. O conflito na Ucrânia acelerou o processo de unificação do território econômico e financeiro da Rússia e da China. Este processo terá impactos ao mundo semelhantes ao momento histórico em que os Estados Unidos, no último quarto do século XIX unificou seu território econômico e formou uma imensa economia continental. São grandes marcos do novo tempo que vivemos: Rússia e China unidas pelo yuan e imensos projetos de infraestruturas, acrescidas pela utilização pela Índia do yuan para comprar petróleo da Rússia e a Arábia Saudita abrir mão do dólar para fazer negócios com a China. A completa desmoralização do imperialismo no Oriente Médio se completa com o acordo histórico, mediado pela China, entre Irã e Arábia Saudita e a possibilidade de fim da guerra, patrocinada pelo imperialismo, no Iêmen.

Mas a construção deste processo histórico só será completa com a total inclusão da América Latina, e seu principal país – o Brasil, como parte fundamental deste mundo em transformação. Um grande e ousado passo foi dado com o acordo assinado recentemente entre os dois países prevendo a utilização de suas próprias moedas em negociações comerciais, dispensando o dólar. As vozes do imperialismo não tardaram a aparecer. O congressista de extrema-direita Marco Rubio foi direto ao ponto: “o acordo real-yuan impedirá sanções unilaterais do Ocidente”. O congressista deixa muito clara uma ordem a ser superada onde o os Estados Unidos, e o dólar em particular, se tornou uma ameaça real ao progresso humano, sinônimo de retrocesso civilizacional.

Lênin elaborou sobre as possibilidades reais do socialismo a partir dos chamados “elos débeis da corrente imperialista”. Durante muito tempo este elo débil esteve presente na Ásia onde as relações entre centro e periferia haviam se tornado explosivas. As revoluções chinesa, coreana e vietnamita deram razão ao revolucionário russo. Atualmente a América Latina é o elo débil da corrente imperialista. Talvez o último refúgio de poder do imperialismo no mundo. Sem antes, os Estados Unidos irão manter acesos os distúrbios no Estreito de Taiwan, a tentativa de destruir a Rússia e o socialismo na China e o patrocínio de grupos neonazistas mundo afora.

Brasil e China com esse acordo monetário deram um grande passo no sentido de reorganização dos interesses do Sul Global neste novo momento histórico que vivemos. Aos revolucionários, a obrigação com a visão de processo histórico. A consolidação do socialismo em âmbito mundial depende sobremaneira da multiplicação destes acordos. Um centro de gravidade socialista (China) ensejando imensos fluxos financeiros, monetários, de investimentos e de comércio é fundamental para a causa da libertação nacional dos povos na periferia do sistema. Já existe uma globalização alternativa comandada pela China em andamento (Iniciativa Cinturão e Rota). Os países periféricos devem tirar mais consequências deste projeto e o próprio Brasil deve ter uma adesão negociada de forma que nossa entrada na Iniciativa sirva aos propósitos estratégicos de meu país.

Brasil e China podem reescrever juntos a história da América Latina e do Sul Global. No caso do Brasil ainda imensos desafios políticos internos deverão ser enfrentados e superados. Nosso país não tem muito tempo a perder diante de seus dramas internos e de uma oposição de extrema-direita pronta para utilizar de todas as formas possíveis para a destruição das esquerdas enquanto alternativa de poder no Brasil. O Brasil e o mundo vivem momentos muito interessantes. Tenho certeza da vitória da humanidade.

Elias Jabbour, Professor Associado da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Vencedor do Special Book Award of China 2022

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. A publicação do artigo dependerá de aprovação da redação GGN.

Elias Jabbour

Elias Jabbour, é doutor e mestre em Geografia Humana pela FFLCH-USP. É professor dos Programas de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI) e em Ciências Econômicas (PPGCE) da UERJ. É autor de quatro livros e dezenas de artigos acadêmicos e de opinião sobre a China e o socialismo de mercado como uma nova formação econômico-social.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Elias Jabbour falou para o mundo hoje no CGTN em reportagem da tarde. Ontem foi o Mantega, que deu o maior vexame: leu o que ia dizer e não sabe falar inglês.

  2. Quase todos países citados no texto em que o EUA “interferiu”, ou “tenta subjugar”,são ditaduras…Sugiro ao professor escrever uma crítica desse tipo sobre a Rússia,país que apoia ditaduras para vender armamentos. Lula foi preso, não por intervenção dos EUA, e sim porque é corrupto, no mínimo por omissão.

  3. Excelente texto professor. O que os EUA fazem hoje não é nenhuma novidade, vide o cerco continental de Bonaparte aos russos…deu no que deu. Prof, Acho que, nesses tempos de discussões sobre o papel do BC, o senhor poderia escrever uma matéria sobre o sistema financeiro chinês. Seria de grande valia para termos uma importante referência no assunto. Parabéns pelo trabalho, acompanho seu trabalho com muito gosto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador