A grande e a pequena política nas eleições do Senado e da Câmara, por Lindbergh Farias

A grande e a pequena política nas eleições do Senado e da Câmara 

por Lindbergh Farias

A discussão sobre qual a melhor atuação das bancadas do PT nas eleições das mesas diretoras do Senado e da Câmara deve ser feita com o máximo serenidade e respeito; afinal, essa não é uma questão de princípios. No entanto, ela é uma decisão política importante, dada a presente conjuntura de polarização política do país.

Por isso, se deve reconhecer que, mais que um problema de funcionamento interno, endógeno, a ser decidido no circuito fechado das bancadas parlamentares do legislativo federal, o tema bordeja elementos importantes da tática de atuação do PT, bem como da esquerda em geral, pelos próximos dois anos.

Em condições políticas de estabilidade democrática, o mais comum são situações em que os partidos concertam um acordo entre as partes e compõe uma mesa proporcional às bancadas.

Contudo, nos dias de hoje, o Brasil vive tempos de anormalidade institucional e democrática, desde que a maioria da Câmara admitiu, em abril, e o Senado consumou, em agosto do ano passado, um golpe parlamentar, votando o impeachment da presidenta Dilma, sem que ficasse provado crime de responsabilidade. 

A partir daqueles fatos, a antiga oposição, mais uma parte fisiológica da base de apoio ao governo – hoje governo Temer -, cometeu um ato consciente de deslealdade ao pacto político da constituição de 1988. A lição a ser apreendida dos fatos recentes é que o principal motivo de ter havido relativa estabilidade institucional de 1988 até a pouco, foi que os partidos de oposição fizeram política a partir da premissa de respeito ao mandato de governos legitimamente eleitos. A situação mudou, desde que o PSDB não reconheceu o resultado das eleições presidenciais de 2014 e decidiu fazer uma oposição sem princípios e golpista ao governo Dilma.

Eis a conjuntura anormal em que ocorre o processo eleitoral de escolha das novas mesas do Senado e da Câmara, sendo, portanto, impossível fazer vistas grossas, desconhecendo tudo o que houve e ainda não foi socialmente cicatrizado. Por isso, embora Câmara e Senado sejam duas casas distintas, com as particularidades inerentes a cada uma, a questão política principal, neste momento, é idêntica.

Todos nós sabemos que o objetivo do golpe contra Dilma visava, de fundo, não apenas substituir a presidenta legitimamente eleita. O golpe foi político e de classe. 

Fazendo jus à vocação autoritária universal do neoliberalismo, que começou com Pinochet no Chile, o que está em curso é uma ofensiva gigante de pseudo reformas, através de emendas à constituição, no sentido de retirar direitos conquistados pelos trabalhadores e entregar a soberania nacional sobre o território em terra, água e ar – neste caso, principalmente através da entrega de bandeja das riquezas do Pré-Sal às multinacionais do Petróleo. 

Leia também:  Bolsonaro usa redes sociais para forjar discurso de que é enviado de Deus

O governo Temer chegou com muita sede ao pote, visando destruir em prazo acelerado a obra de nossos governos, buscando restaurar e avançar o neoliberalismo no Brasil com uma inaudita violência. Basta ver o aumento da repressão aos movimentos sociais, a exemplo da prisão nesta semana do companheiro Guilherme Boulos, terça-feira (17/01) em São Paulo.  

Estamos no curso de batalhas decisivas. Neste interim, se põe a pergunta: como resistir a tantos ataques? Como é possível passar a atual defensiva para uma nova ofensiva em breve tempo? Como massificar o fora Temer e as diretas-já, articulando essas duas bandeiras com o lançamento da campanha de Lula? Qual o nosso papel como deputados e senadores de oposição em meio a isso tudo? Como podemos, parlamentares de compromisso com a esquerda, melhor combinar a luta no parlamento com a luta social?  

Para melhor travar a guerra, antes de tudo, é fundamental melhor reconhecer o território. Sabe-se que, no momento, a correlação de forças internas partidárias na Câmara e no Senado nos é totalmente adversa. Para alterar a correlação de forças, só há uma forma de obtermos vitórias na adversidade. O caminho é difícil e acidentado, mas é o único caminho. Os atalhos são ilusórios. A receita é de fato priorizarmos as lutas sociais, unificarmos o campo de oposição, dialogarmos com humildade com a nossa base social,  que foi e tem ido às ruas com muita valentia, primeiro na defesa do governo Dilma contra o golpe e agora contra as reformas neoliberais. 

A nossa atuação no parlamento tem que ter um foco de identidade com a voz das ruas. Temos que falar mais para fora – a sociedade – que para dentro. A nossa atuação tem que ser instrumento de agitação para levantar amplos setores da sociedade contra este governo e seu projeto nefasto. Nos termos de Gramsci, uma nova hegemonia contra o neoliberalismo e o governo Temer, uma nova ética política só será constituída se privilegiarmos mais atuação na sociedade civil que na sociedade política (o Estado). 

Infelizmente, a história está repleta de exemplos de parlamentares originalmente de esquerda, ontem e hoje, que acabam superestimando o papel do parlamento, como se o mundo se resumisse a essas quatro paredes. Já é longa a saga – dois séculos – do que ficou conhecido como “cretinismo parlamentar”. 

Marx, em um texto de balanço da revolução de 1848, dizia que o “… ‘cretinismo parlamentar’ consistia numa espécie de delírio que acometia as suas vítimas, as quais acreditavam que todo o mundo, o seu passado e o seu futuro se governavam por uma maioria de votos ditada por aquela assembleia (…) e tudo o que se passava fora daquelas quatro paredes muito pouco ou nada significavam ao lado dos debates importantes”.

Leia também:  'O grande problema do Brasil é a classe política', diz Bolsonaro em evento da Firjan

Alguém, de boa intenção, pode perguntar assim: em que a participação numa chapa conjunta com Rodrigo Maia (DEM), Rogério Rosso (PSD), Jovair Arantes (PTB)  ou o senador Eunício Oliveira (PMDB) atrapalharia a nossa prioridade no tocante às mobilizações sociais?

Tenho escutado uma argumentação de justificação do acordo que não é verdadeira. Se diz – “Ah! A participação na mesa é importante porque podemos interferir na pauta”. Não é verdade. Todo mundo sabe que, no senado e na câmara, a pauta não é feita pela mesa. É feita pelo presidente que, às vezes, consulta o colégio de líderes. Tanto no senado como na câmara, o poder unipessoal do “presidente” é muito forte. Exatamente em torno da disputa desse poder unipessoal – que Gramsci chamava de cesarismo parlamentar -, as eleições pelo comando de ambas as casas são muito acirradas.

Para mim, em que pese a boa intenção, este conjunto de argumentos revela distanciamento da realidade. Pior, pode revelar que uma parcela de nosso partido se descolou perigosamente das forças sociais que estiveram a nosso lado nas duras refregas do presente; forças sociais, vale observar, não necessariamente filiadas ao PT, mas que persistem nos tendo como referência – a exemplo de coletivos de juventude, movimentos feministas, intelectuais que voltaram a atuar na luta contra o golpe, sem-terra, sem-teto, sindicalistas, etc. Uma militância que foi de uma valentia extraordinária no difícil ano de 2016 e que continua a postos para as lutas de 2017. 

Não se enganem, esses movimentos e pessoas têm uma posição clara contra qualquer tipo de chapa em conjunto com os que perpetraram o golpe contra a democracia brasileira. Elas sentem que é necessário construir uma identidade, um campo oposicionista contra o golpe e seu programa de ataques aos trabalhadores. 

A conjuntura é complexa e exige, antes de tudo, mais humildade da parte de nós, parlamentares e dirigentes do PT. Anos passados, o nosso partido era claramente majoritário na esquerda brasileira. Quando as instâncias do PT decidiam, por assim dizer, todos iam atrás. Hoje, não é mais assim. 

Se quisermos manter e ampliar a nossa relação com esses movimentos sociais e setores intelectuais, bem como a nossa militância, temos que ter uma postura de mais diálogo. Falar mas também saber ouvir. 

Neste mês de janeiro, tive a oportunidade de participar de plenárias abertas do PT em João Pessoa (PB) e Natal (RN). Em ambas igualmente apareceu certa expetativa e angústia com a possibilidade de o PT concertar chapas comuns, no senado e na câmara, com os setores que conduziram o golpe e todo o mundo sabe quais são. Em seguida, vem a pergunta da militância, também praticamente em uníssono: “o PT não aprendeu com tudo o que enfrentou?”. 

Leia também:  Confusão na Câmara após ministro da Educação não querer ouvir entidades estudantis

Sem meias palavras, o nosso militante está querendo dizer o seguinte: concertar acordos nas eleições de ambas as mesas diretoras (câmara e senado) significa a continuação das ilusões com uma política de conciliação e contemporização. São setores que aparentemente ainda não acordaram para a dura crueza do golpe. Neste caso, a conciliação, que parece um atalho suave, na verdade é o melhor caminho para a irrelevância. Pretendem manter a conciliação com o PMDB e o centrão mesmo depois de passado o golpe e da perseguição criminosa contra o Lula. Impressionante. 

Algum metido a esperto pode dizer que essas angústias da militância são expressão do senso comum. Chega-se a dizer que este é um “discurso fácil”. Engano de quem assim pensa. Neste caso, o sendo comum da militância, de tão óbvio e ululante, se transformou na expressão da mais pura e cristalina verdade.

Parem! Prestem atenção no que aconteceu no Rio de Janeiro. Há muito, dizíamos vários de nós, nas reuniões do PT/RJ, que estávamos perdendo nossa identidade, diluídos na aliança com o PMDB do Rio de Cabral et caterva. “Bobagem”, diziam! “É o preço da governabilidade”. 

Pois bem, estamos pagamos o nosso preço, perdendo uma parte expressiva de nossa base social e ainda tendo que ver a traição do PMDB fluminense. Chega! Vamos escutar os movimentos, vamos escutar o PT. 

Obter cargos de segundo time na mesa em uma negociação atrapalhada, caso aconteça, pode se configurar uma clássica vitória de Pirro. Gastamos uma energia imensa numa discussão que nos divide, e, ainda por cima, pode levar a um movimento de questionamento do próprio PT. O erro político sempre cobra o seu preço.

Devemos estar abertos a participar de articulações alternativas nas eleições para a presidência e mesa de ambos os parlamentos, com base em propostas de democratização das decisões da mesa e transparência administrativa do senado e da câmara. O deputado André Figueiredo (PDT) ensaia uma postulação na câmara. Pode-se movimentar uma ação semelhante no Senado. Mais vale um cargo na mesa ou um passo a mais na consolidação de uma frente de oposição?

Gramsci, que além de grande filósofo e dirigente político foi parlamentar em um tempo convulsionado de ascensão do fascismo, costumava diferenciar a “grande” da “pequena” política. Para ele, a grande política era aquela que se preocupava com os temas universais, principalmente a fundação do Estado e a alteração da relação de forças adversas, ao passo que a pequena política compreende as questões parciais e cotidianas, como ele mesmo dizia “a política de bastidores”. Façamos a grande política. 

Lindbergh Farias – Senador PT/RJ 

17 comentários

  1. Perdeu Senador
    O PT não consegue ficar longe dos cargos que uma posição na mesa diretora representa. Vai fechar os olhos para o Impeachment, e se aliar ao PMDB de Eunício é o DEM do Maia.

    Rídiculo, não? Isso é o que se tornou o seu partido, uma piada de mau gosto, uma abominação pior do que os outros partidos, pois poderia ter sido diferente. Agora é apenas mais do mesmo.

    Você, com esse discurso, quer apenas justificar sua posição como “indignado”, mas sabe muito bem que esse jogo já está jogado. O placar já foi definido pelo PMDB, DEM, PSDB e PT.

  2. Militância vs Liderança

    Que a militância esteja com raiva “de tudo isso que aí está” é normal. Mas é papel da liderança simplesmente seguir o sentimento majoritário ou dialogar com ele?

    Quais as consequências de se alijar da composição das mesas e comissões do parlamento? Foram informadas à militância?

    A militância foi lembrada que da última vez que o PT resolveu “bater chapa” sozinho contra as oligarquias deu em Eduardo Cunha como Presidente da Câmara?

    Marco Feliciano vai ficar de braços cruzados ou vai aproveitar a ocasião pra voltar a ser presidente da Comissão de Direitos Humanos?

    Esse assunto me deixa com mais dúvidas do que certezas, que o artigo não ajuda a iluminar.

  3. Democratas de um lado, Canalhas do outro…

    Penso que os deputados (do PT ou de qualquer partido) que conciliam com os golpistas devem ser chamados de:

    Canalhas, canalhas, canalhas !!!

  4. Perfeito e lúcido o artigo do
    Perfeito e lúcido o artigo do Senador Lindbergh Farias…
    Compor com os golpistas é um desrespeito aos petistas, psolistas, pedetistas, comunistas que foram as ruas gritar “NÃO AO GOLPE”, é um desrespeito aos movimentos sociais, os coletivos dá juventude, aos sindicatos que disseram NÃO AO GOLPE. Não há mais espaço pra políticas de conciliação. Obrigado Senador, estou realmente de alma lavada.

    • O Partido Comunista acaba de

      O Partido Comunista acaba de anunciar voto em Rodrigo Maia. Eles sabem que nāo podem entregar todo o ouro ao bandido.

  5. O senador Lindbergh está coberto de razão. A bancada petista tem

    O senador Lindbergh está coberto de razão. A bancada petista tem muito a perder se compor com os golpistas, pode perder o pouco de base social que ainda resta. Apoiar qualquer um dos grupos golpista configura suicídio político.

  6. senti firmeza no companehiro

    senti firmeza no companehiro Farias.

    bravos permanecem ao lado dos justos. aos canalhas restam os covardes.

    sem crime, sem impeacment!

     

    o poder emana do povo e somos maiores e mais fortes q TODOS golpistas juntos. E pode somar as 6 familias, os 15 curitibanos e o cachorro q apoiam essa corja.

    Volta dilma!

    o PGR tem o processo na mão pra anular a excrecência d golpe parlamentar sofrido pelo povo brasileiro.

    se houve crime, prove. se nao provam, inocente ela é e o processo inconstitucional deve e será cancelado. Ela deve voltar imediatamente ao lugar pra onde foi eleita para estar até 2018.

    a pressa deles virá pela nossa pressão. e vamos pressionar nos locais certos, chamar os nomes competentes(janota, o q foi passear) e se eles vão assumir seu golpismo, caberá a eles. mas a lei cabe a todos.

    e tá escrito. não faz  diferença o tom de voz do bonner.

    não vai durar 21 anos de novo.

    vai ter luta.

  7. O poder é do povo, e este não está mais em Brasília

    Parlamentares do PT, esqueçam o congresso e voltem para as ruas.

    De preferência não apareçam mais por lá.

    Nós não os queremos em Brasília, a luta não acontece mais por lá, deixemos os golpistas sozinhos.

    Daqui, longe do planalto, de volta às raízes, vamos juntos erguer aquela estrela novamente.

    LULA e PT? Presente!

     

  8. Esse nunca correu do pau,e na
    Esse nunca correu do pau,e na hora mais aterrorizante estava presente.Um filho teu não foge à luta.Lindbergh Farias é um deles.O resto é conversa mole de cadastrados que aqui aportam,sem votos,e entendem de política,tanto o que entendo de missa rezada em latim.Jamais entenderão que política é para quem enxerga muito além do jardim.São os Moristas com sinais trocados.

  9. O senador parece estar com a

    O senador parece estar com a razão,vide o atual vice do senado que se borrou todo quando houve a pequena possibilidade de assumir no lugar do atual ocupante da cadeira da presidência.

    Ademais,é sempre bom lembrar,o PT,ainda na disputa com o ex-ocupante da cadeira da presidência da câmara e hoje preso na masmorrra do camisa preta do Paraná,preferiu deixá-lo livre leve e solto para articular o golpe e não pleiteou nenhum cargo e não ficou com nenhuma comissão importante,deixando assim o caminho livre leve e solto para o golpe.

    Agora,não se trata de compor ou não com golppistas. Se tratar de ocupar espaços,ainda que mínimos para não deixar,novamente,o caminho livre para essa gente.

    Retomar o trabalho junto a militância não exclui o trabalho no legislativo senão de nada adiantaria a existência dde oposição.

  10. Parcialmente correto

      Concordo, em quase tudo, com o senador Lindbergh. Entretanto, entendo que, buscar uma “unidade das esquerdas” que, diga-se de passagem, nunca, nem de perto foi alcançada, partindo do princípio que a candidatura de Lula é a única alternativa, parece-me que seria fadada à mais um insucesso e, novamente seríamos presa fácil para a direita, altamente fisiológica que, embora também, extremamente dividida, consegue unir-se em torno de um objetivo comum que é, o de impedir qualquer avanço social neste país.

       Então, acredito que a própria candidatura, por óbvia que seja, principalmente diante dos resultados das diversas pesquisas que o apontam como virtual vencedor da eleição presidencial de 2018, se ela ocorrer, deveria ser utilizada como moeda de troca visando a desejada unidade.

  11. correto

    O PT deve divulgar o seu programa patriótico e se livrar de quem não segue o programa do partido. Não deve aceitar filiação de quem tem histórico que afronte os ideais do partido. O partido deve ser reconstruido desde a base.

    Deve resgatar e não negar apoio a seus autênticos. Mexeu com Lula mexeu comigo. E com Genoino, Dirceu, Dilma etc.

    Qualquer arreglo com os golpistas atira o partido na vala comum do “tá vendo? são todos iguais” . 

    Este pode ser o caminho para unir a esquerda para fazer frente aos golpistas de plantão. 

  12. O PT e a esquerda ter assento

    O PT e a esquerda ter assento junto aos golpistas, para mim é o FIM DA PICADA…

    Além disso, deve a esquerda aprender com os golpistas!

    Fazer passeatas aos sábados, domingos e feriados e dias de semana à noite!

    Grande parte dos coxinhas saíram nestes dias e horários!

    Só para bravos grevistas sair em pleno dia de semana entre 10 e 17 horas!

    Há muitos coxinhas que se arrependeram e querem protestar de forma light…

    Caminhada fora temer e passeio com a família pelas diretas…

    Que hajam shows, festas, alegria, amor e muito fora TODOS OS GOLPISTAS!

    Emoções fortes?

    Deixa para a esquerda…

    [video: https://www.youtube.com/watch?v=RzlniinsBeY%5D

  13. Mais ônus que bônus

    Conheço quem apoiou a presidente Dilma, o PT , mesmo diante das inúmeras denúncias, levou porrada de todos os lados etc… mas agora “jogou a toalha” diante dos acordos com os “golpistas” na Câmara e no Senado. Foi a gota d´água para muitos. A lápide do partido para quem entende que o pragmatismo do partido não impediu que fôssemos para o precipício. E agora, isso ???

  14. Irrepreensível!Só o contato

    Irrepreensível!

    Só no contato com as ruas e a partir das ruas em uma organização com as ruas mudaremos o Destino que o Golpe nos oferece. 

    Sem mais mediação com os Golpistas. 

    Os Golpistas na primeira oportunidade de nos destruir vão fazer, mesmo que nós possamos dar um voto no candidato A ou B deles. 

    Tem gente que ainda vive em mundo mágico, absorvido por uma ilusão de que há possibilidade de conciliação de classes. Ela acabou por inteira. 

    Há uma separação total entre a sociedade e as instituições que participam do Golpe capitaneadas pela Rede Globo. 

    Ou se entende isto ou o Golpe vai continuar por anos e anos e a gente vai virar um novo “Afeganistão misturado com a Grécia”. 

    Chapa independente com a esquerda e os defensores dos interesses nacionais e mais nada! Um bloco de esquerda parlamentar e uma união com o povo nas ruas. Cheguemos até o povo, ouçamos o que ele tem a dizer, combatamos o bom combate nas ruas e junto dos brasileiros trabalhadores, estudantes, aposentados e os que querem um Brasil desenvolvido, soberano e com Justiça Social. 

    Somos maioria. Talvez, pela força da Rede Globo, maioria imperceptível, mas somos maioria. Podemos dar lucidez ao povo e destruir o discurso hegemônico dos marinhos, que defendem o indefensável. 

    E podemos vencer o Golpe e reestabelecer a Democracia e voltar ao desenvolvimento com distribuição de renda e Justiça Social para todos… 

     

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome