Câmara aprova entrega do pré-sal às multinacionais

da Federação Nacional dos Urbanitários – FNUCUT

Câmara aprova entrega do pré-sal às multinacionais

Que país sério, soberano e preocupado com seu povo e o desenvolvimento do país entregaria reservas petrolíferas a estrangeiros? O Brasil, sob o governo do presidente Michel Temer (MDB). Foi isto que a Câmara dos Deputados fez no início da noite desta quarta-feira (20) ao aprovar, por 217 votos a 57 e 4 abstenções, o PL 8.939/17, do deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), que autoriza a Petrobras a negociar com outras empresas parte dos seus direitos de exploração de petróleo do pré-sal na Bacia de Santos, área cedida sem licitação pela União em 2010, por meio de cessão onerosa.

 

O texto aprovado é 1 Subemenda Substitutiva Global do deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE) para o projeto, do deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA). A matéria também disciplina critérios para a revisão do contrato de cessão onerosa entre a União e a Petrobras.

Em seguida, os deputados começaram a debater os destaques apresentados na terça-feira (19), 16 ao todo, ao texto. O 1º destaque foi do PSB e pedia a aprovação de emenda do deputado Tadeu Alencar (PSB-PE), que previa a proibição de a Petrobras transferir áreas com unidades de produção contratadas e construídas pela empresa até 31 de dezembro de 2018. Foi rejeitado por 205 a 53.

Rejeitou também, por 239 votos a 27, emenda do deputado Afonso Motta (PDT-RS), que pretendia estabelecer em 45% o mínimo de participação da Petrobras nessas transferências e fixar em 70% a participação da União, em óleo equivalente, no leilão dos barris excedentes aos 5 bilhões das áreas de cessão onerosa.

Outra emenda rejeitada, por 232 votos a 20 e 5 abstenções, do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), pretendia exigir o pagamento em 60 dias, pelo vencedor do leilão, do bônus de assinatura referente aos contratos de exploração de óleo excedente.

Foi rejeitado também, por 226 votos a 30 e 2 abstenções, destaque do PSol e manteve-se no texto a permissão para a Petrobras transferir a titularidade de até 70% do petróleo que pode extrair da área de cessão onerosa.

O plenário finalizou as votações desta quarta rejeitando a emenda do deputado Zarattini, que pretendia fixar em 20% os royalties devidos pelas petroleiras às quais a Petrobras transferir a titularidade de exploração do petróleo das áreas de cessão onerosa. Assim, em razão da queda do quórum, a continuidade da votação dos destaques foi adiada.

Contencioso

Para os partidos contrários à proposta, a Petrobras será prejudicada em benefício de empresas estrangeiras. O deputado Zarattini avaliou que a Petrobras vai perder o direito sobre parte do pré-sal e, portanto, seu valor de mercado. “Nessa área, não existe risco algum de se fazer 1 poço. Todos sabem que 1 poço de petróleo, nessa região, será pleno de sucesso. E é isso o que esse governo agora quer entregar de mão beijada às empresas multinacionais do petróleo”, criticou.

Já os deputados favoráveis ao texto argumentaram que, sem a parceria com outras empresas, a Petrobras não tem condições de explorar o petróleo da Bacia de Santos. “Veja, o debate aqui é simples. A Petrobras não dá conta de executar a exploração”, disse o deputado Marcos Rogério (DEM-RO).

A Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) também se manifestou contrariamente à aprovação do projeto de lei, argumentando que “fere a própria essência da Lei 12.276/10, representa quebra do Contrato de Cessão Onerosa e não apresenta nenhum mérito. Pelo contrário, essa proposição é, na verdade, uma afronta ao interesse público. Em suma, transfere para empresas multinacionais as vantagens oferecidas à Petrobras”, consumando-se, desta forma, em crime de lesa-pátria.

Patrimônio de R$ 500 bi pertence à Petrobras

Segundo levantamento feito pelo consultor Paulo César Lima, especialista em Petróleo e Energia, o PL 8.939/17 permite às petrolíferas privadas se apropriarem de R$ 500 bilhões que a estatal brasileira poderá garantir ao longo dos próximos anos com a exploração das reservas contratadas pela cessão onerosa. Os principais investimentos da Petrobras são voltados justamente para essas áreas, cuja produção em 2022 já deve ultrapassar um milhão de barris de petróleo por dia.

“Como grande parte das unidades da cessão onerosa já estão contratadas e entrarão em operação no curto prazo, produzindo petróleo com altíssima rentabilidade, conclui-se, então, que carece de qualquer lógica, a Petrobrás transferir a titularidade dessas áreas, como proposto pelo Projeto de Lei 8.939, de 2017”, alerta Paulo César no estudo encaminhado aos deputados federais. “Em 2022, a receita líquida da Petrobrás apenas com a produção de cerca de 1 milhão de barris de petróleo por dia sob o regime de cessão onerosa será de 15,7 bilhões de dólares”, explica o consultor.

Além dos prejuízos que a Petrobras e a União amargarão, o estado e os municípios do Rio de Janeiro serão também fortemente impactados, pois, segundo Paulo César, o substitutivo do deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE), que é relator do projeto e ex-ministro de Minas e Energia, amplia o projeto para as reservas excedentes da cessão onerosa, que podem chegar a 15 bilhões de barris de petróleo. Com isso, as empresas que se apropriarem dessas reservas estariam isentas de pagar Participações Especiais, o que resultaria em perdas de R$ 80 bilhões em isenções fiscais que sangrariam ainda mais o já sofrido povo do Rio de Janeiro.

Para denunciar mais esse escandaloso golpe contra a população, a FUP e seus sindicatos, com os parlamentares que se opõem ao PL 8.939/17, realizaram às 18 horas twitaço com a hastag #MaiaTraioRio, que foi 1 dos assuntos mais comentados da rede social. Os petroleiros pressionaram até a última hora em Brasília, os deputados para o que o projeto não fosse votado.

 (fonte: DIAP)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. que todos estes deputados não permaneçam invisíveis…

    que a Receita Federal dedique uma atenção especial à variação patrimonial de cada um que votou contra o povo

  2. Partidos, imprensa livre…

    tem a obrigação de destacar para que até o mais humilde brasileiro tenha a informação do que esta se fazendo com nossa

    soberania, com nossas riquezas e com nossos investimentos.  É preciso que os partidos que se opuseram aisso usem seu tempo de televisão numa grande campanha para informar TODOS os brasileiros dessa rapina.  Que se divulguem à exaustão tambem os deputados que votaram a favor disso.

    E que todos os candidatos progressistas que se oponham a isso declarem por escrito que retomarão tudo o que esse governo sem representatividade, esse governo golpista, esse governo vendilhão esta vendendo.

  3. Pela recriação da pena de

    Pela recriação da pena de morte por fuzilamento ou forca ou guilhotina para crimes de traição a Patria, sem direito a indulto algum, mesmo por questões humanitárias.

  4. DITADURA FASCISTA QUE JÁ DURA 88 ANOS

    Quem precisa de EMPREGOS? Estes 93% de Brasileiros que recebem menos que os 4.500 reais do Auxílio-Moradia do Poder Judiciário? Para estes é só manter a situação bovinamente controlada. É só incitá-los contra o EMPRESARIADO, rotular este Empresário de Covarde, Capitalista, Explorador do Povo, que esta Nação de Iludidos aceitará os designios dos “Representantes do Povo”, a busca incessante por seu Messias, seu Dom Sebastião, mesmo que através de Voto Obrigatório que nada representa. A mesma meia dúzia de partidos e famílias a se revezarem no Poder. Uma hora como Ministro, outra como Deputado, outra como Senador, outra como Presidente de Estatal, outra como Governador. E quando alguém destoar do combinando é só se juntarem e alijá-lo do Poder. Não foi assim com Dilma? Não foi assim com Collor? Não foi assim com Julio Prestes? UMA FARSA DITATORIAL E FASCISTA. Um Sucesso Brasileiro que já dura quase 1 século. O uso absurdo e sufocante do ESTADO BRASILEiRO. Quando este nada mais tem a servir, fora as contas que devem ser pagas e não podem ser mais renovadas, então esta Elite vende este ESTADO. Pode ser como PRIVATARIAS, impõe as dividas para a Nação se responsabilizar por elas; torna esta Elite em Agências Reguladoras, Corpo Diretor da Empresa Privatizada, que serão na pratica os verdadeiros Donos, através de seus Cargos ou através de Ações negociadas em Bolsas de Valores no Exterior como Sociedades Anônimas. E Sociedades Anônimas OBVIAMENTE já explicam tudo. Apesar que até o ÓBVIO, nos é de difícil compreensão. Acordamos em 2013. Acordamos novamente na GREVE DOS CAMINHOEIROS. Não deixemos nos tornar Empregados na nossa própria Empresa. Estrangeiros no nosso próprio país. Lacaios daquilo que é nosso. ÀS RUAS !!!!!!!

  5. A demolição do futuro

    A demolição do futuro brazileiro só poderia ser detida e até mesmo revertida se um governo nacionalista apoiado pelas forças armadas tomasse o poder. Não vai acontecer. O destino do brazil foi selado quando do descobrimento e colonização por europeus, da mesma forma que os destinos dos países africanos foram selados por este mesmo motivo.

  6. Como na Nigeria, hoje grande

    Como na Nigeria, hoje grande produtora de petroleo mas, para os nigerianos, apenas destruição ambiental, violencia e fome

  7. Uma bela charge: os gringos

    Uma bela charge: os gringos felizes levam o pre-sal: o brasileiros discutindo com detalhes tecnicos a copa, disso os brasileiros entendemos:    já de defesa do interesse nacional não sacamos nada: somos analfabetos em imperialismo: ja de bola no campo entendemos muito… que lástima

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome